Olá {{nome}}
Logout

Psicopata

Caso Tabata: delegado confirma abuso sexual antes do assassinato

A perícia confirmou que Tabata foi estuprada; este é o terceiro crime do acusado, considerado um psicopata pela polícia

Autor: Redação RIC Mais
O assassinato de Tabata chocou todo o estado do Paraná. (Foto: Reprodução RICTV Curitiba)

Osnildo Carneiro Lemes, delegado-chefe da Polícia Civil de Umuarama, no noroeste do Paraná, confirmou, na noite de quinta-feira (29), que Tabata Fabiana Crespilho da Rosa foi abusada sexualmente antes de ser morta. Além do estupro, o laudo do Instituto Médico Legal confirmou que a menina foi asfixiada. O homicídio da criança de 6 anos comoveu a cidade e centenas de pessoas compareceram ao velório. Eduardo Leonildo da Silva, 30 anos, acusado de cometer o crime, será transferido para Curitiba, capital do Estado. 

De acordo com o delegado, o caso é considerado solucionado. Faltam apenas esclarecer alguns detalhes, mas não existem dúvidas em relação à autoria dos fatos. “Além de confessar o crime, ele levou os policiais até o local onde o corpo havia sido enterrado”, disse.

A família segue inconformada. A mãe não conseguiu chegar perto do caixão, passou mal e foi levada às pressas ao hospital. O pai, Fabrício da Rosa, separado da ex-mulher, contou desesperado que estava terminando a construção do quartinho da criança para recebê-la em sua casa, em Balneário Camboriú, Santa Catarina. Segundo ele, era o sonho de Tabata morar na praia.

Na tarde desta sexta-feira (29) o delegado publicou, em uma rede social, um depoimento emocionado: disse que os policiais foram às lágrimas na cena do crime e lamentou não ter encontrado a menina com vida: "Nos perdoe, Tábata, mas acho que Deus queria você ao lado dele...".

Eduardo Leonildo da Silva

O criminoso já foi acusado de um estupro em 2008, cometido em Francisco Beltrão. E, em 2012, foi condenado por um homicídio praticado em Chopinzinho. Ambos municípios ficam no sudoeste paranaense.

Maníaco do Parque

Eduardo foi apelidado de ‘maníaco do parque’ porque chegou na cidade de Chopinzinho junto com um parque de diversões, desses itinerantes que ficam alguns dias em cada lugar. Na ocasião, ele se envolveu com uma adolescente de 15 anos. O desfecho da história foi o assassinato da jovem em um local isolado, alguns dias depois de conhecer o psicopata.

Preso logo depois, ele aguardou o julgamento na cadeia. O réu foi condenado a seis anos de prisão no regime semiaberto pelo crime de homicídio simples e mais um ano pelo crime de ocultação de cadáver. Ele cumpriu parte da pena na Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão (PFB).

Consternação dos moradores

A polícia agora deverá investigar os responsáveis pela destruição da Delegacia da Polícia Civil e pelos onze veículos que foram incendiados na madrugada de quinta (29), quando a população invadiu o local para linchar o assassino.

Umuarama continua em clima tenso. Além da comoção, existe também o problema da Delegacia. Os presos iniciaram uma rebelião durante a invasão, a qual só foi acalmada no fim da tarde de quinta (28), depois que oitenta deles foram transferidos às pressas para o presídio de Cruzeiro do Oeste. Ainda estão na carceragem cento e oitenta detentos, que ameaçam, a todo momento, fazer um novo motim. Uma tropa de choque foi designada para acompanhar a situação.  

Assista à reportagem completa:

 

Leia também:

O que achou desta matéria

  1. Péssima
  2. Ruim
  3. Regular
  4. Boa
  5. Excelente

Média dos leitores 0,0

Política de
comentários

comentários

Leia também:

Reviravolta no caso

São Paulo

tragédia familiar