Olá {{nome}}
Logout
Ao vivo:
Próximo

SISTEMA PRISIONAL

Mãe e bebê vão parar em presídio

Defensoria Pública do Estado do Paraná ingressou com um pedido de reconsideração e transferência

Autor: Redação RIC Mais
Justiça revogou a condicional pelo uso incorreto da tornozeleira eletrônica (Foto: Conselho da Comunidade de Curitiba)
Justiça revogou a condicional pelo uso incorreto da tornozeleira eletrônica (Foto: Conselho da Comunidade de Curitiba)

*Com informações do Conselho da Comunidade de Curitiba

Uma mulher de 33 anos foi presa e encaminhada para a Penitenciária Feminina do Paraná (PFP), em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), com a filha de apenas um mês de vida.

Segundo a conselheira comunitária Isabel Kugler, a acusada é carrinheira, dependente química, analfabeta e foi vítima de estupro na adolescência. Ela estava em um Centro de Referência de Assistência Social (Cras) da Prefeitura de Curitiba quando policiais militares cumpriram um mandado de prisão contra ela depois de uma decisão da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná revogar a condicional.

Leia também: Catador de recicláveis vira vereador de Araucária

A mulher é condenada pela justiça desde 2005, por cinco assaltos, e utilizava tornozeleira eletrônica. Porém, deixou de recarregar o aparelho por mais de 30 vezes até o julgamento. O motivo, segundo ela, seria por viver na rua recolhendo papel e não ter sempre uma tomada à disposição.

Durante quatro audiências com o Juízo da Execução Penal, a opção de monitoramento foi mantida pela questão da vulnerabilidade social e da promessa de obediência - contudo, o Ministério Público do Paraná recorreu ao Tribunal de Justiça pedindo regressão de regime.

Mãe de outros quatro filhos, de 3, 6, 7 e 10 anos de idade, a mulher não tem companheiro e a guarda das crianças foi repassada para amigas e tias.

De acordo com Isabel Kugler Mendes, presidente do Conselho da Comunidade de Curitiba, uma atuação conjunta levou a entrada da recém-nascida na penitenciária. “Quando falamos em sistema penitenciário temos que ter o mínimo de bom senso para avaliar individualmente os casos”, alerta.

Prisão domiciliar

Nesta quarta-feira, a Defensoria Pública do Estado do Paraná ingressou com um pedido de reconsideração e transferência da mulher para a prisão domiciliar.

Em nota, o Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (DEPEN) afirmou que mãe e filha estão em uma ala especial para receber gestantes e lactantes. Leia na íntegra:

A detenta com seu filho menor deu entrada na Penitenciária Feminina do Paraná na noite desta quarta-feira (25), por volta das 19 horas. Ela encontra-se custodiada em uma ala materno-infantil destinada ao atendimento exclusivo de presas gestantes e lactantes. Na data de hoje, mãe e criança passaram por avaliação médica e passam bem.

A reportagem entrou contato com Tribunal de Justiça do Paraná e Ministério Público para obter detalhes do caso, mas até o fechamento desta reportagem não recebeu o retorno.

Assista ao vídeo:

 

O que achou desta matéria

  1. Péssima
  2. Ruim
  3. Regular
  4. Boa
  5. Excelente

Média dos leitores 0,0

  • Comentário via facebook