Curitiba

Tatuador que escreveu 'ladrão' na testa de menor é detido em São Bernardo

Também foi detido um amigo que filmou o momento; o menor é acusado pela dupla de roubar a bicicleta de um deficiente

Tatuagem foi feita em menor à força (Foto: YouTube, Reprodução)

O responsável por tatuar 'Eu sou ladrão e vacilão' na testa de um menor de idade, Maycon Wesley Carvalho dos Reis, foi detido na madrugada deste sábado (10) em São Bernardo do Campo (SP). Também foi detido seu amigo que filmou o momento, Ronildo Moreira de Araujo. Eles foram presos por tortura pela Polícia Civil da cidade, que confirmou a informação.

O menor de idade, acusado pela dupla de roubar uma bicicleta de um homem sem perna, teve sua testa tatuada na manhã da sexta-feira (9), e o momento foi registrado e postado nas redes sociais. O menino estava desaparecido e, quando o caso viralizou, a família o reconheceu e levou as gravações até a polícia.

As autoridades foram ao local do crime e a dupla assumiu que teria feito a tatuagem como forma de 'punição'. O jovem não foi encontrado, mas Maycon e Ronildo afirmam tê-lo libertado.

No primeiro vídeo Maycon Wesley obriga o menino a ‘pedir’ uma tatuagem com a palavra ‘ladrão’. O comparsa, que filmava o momento, grita que 'vai doer'. No outro registro, a dupla faz o menino contar que tentou roubar a bicicleta de um ‘homem que trabalha no farol’ e que não tem perna. Aos risos, os homens fazem o menino mostrar sua tatuagem e perguntam se ele gostou.

Os dois estão presos no 3º Distrito Policial de São Bernardo.

Leia também
MP pede retratação do SBT por comentário de Sheherazade a favor de linchamento

Envie seu comentário

Comentários (0)

Corpo de professor é encontrado amarrado e com saco plástico na cabeça

Professor estava desaparecido há quatro dias e família tinha esperanças de encontrá-lo com vida

O professor de biologia Flávio Ávila foi encontrado morto (Foto: Aquivo Pessoal)

O corpo do professor de biologia Flávio Ávila, de 53 anos, foi encontrado na madrugada deste sábado (10), em uma estrada rural na divisa entre Morretes, no Litoral do Paraná, e São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. O homem estava desaparecido desde a última terça-feira (6), e a família estava se mobilizando pelas redes sociais e pela imprensa para tentar obter informações sobre seu paradeiro.

O corpo do professor estava amarrado com fios de luz e fita adesiva, tinha um saco plástico na cabeça e estava envolto em um cobertor. Uma testemunha confessou saber onde estava o cadáver e levou a Polícia até o local.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil, que não passou detalhes sobre o motivo do crime.

Nas redes sociais, uma das filhas da vítima comunicou que o professor havia sido encontrado morto, agradeceu a ajuda dos que compartilharam fotos e pediu respeito e privacidade.

Uma sobrinha também fez uma postagem agradecendo a ajuda de todos que se mobilizaram para tentar encontrar Flávio com vida. “Infelizmente meu tio não está mais entre nós, foi vítima de uma crueldade! Não tenho mais informações”, diz o texto.

O professor Flávio Ávila saiu de casa na manhã de terça-feira (6) de carro e não foi mais visto. O veículo, um Renaut Captur, ainda não foi localizado.

Veja também:

Polícia encontra corpo com sinais de asfixia em Pinhais

Homem encontra corpo de jovem desaparecido na beira da BR-277

Envie seu comentário

Comentários (0)

Polícia prende família que mantinha laboratório de maconha dentro de casa

Dentro de um quarto, que funcionava como laboratório, foram encontrados vários equipamentos, plantas e acessórios para consumo de maconha

Um comodo da casa era usado como laboratório para o cultivo de maconha (Foto: Polícia Militar)

Um comodo da casa era usado como laboratório para o cultivo de maconha (Foto: Polícia Militar)

Um comodo da casa era usado como laboratório para o cultivo de maconha (Foto: Polícia Militar)
Um comodo da casa era usado como laboratório para o cultivo de maconha (Foto: Polícia Militar)
Um comodo da casa era usado como laboratório para o cultivo de maconha (Foto: Polícia Militar)
Um comodo da casa era usado como laboratório para o cultivo de maconha (Foto: Polícia Militar)

Uma família foi presa na manhã deste sábado (10), em Cascavel, na região oeste do Paraná, por cultivar um laboratório de maconha em casa. Um rapaz de 24 anos, juntamente com seus mais, um homem de 49 e uma mulher de 46 anos, foram detidos na casa onde moram, em um condomínio no bairro Parque Verde.

Uma equipe do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFrom) de Marechal Cândido Rondon foi quem deu cumprimento a um mandado de busca e apreensão na cidade de Cascavel.

Na residência, os policiais encontraram um cômodo que servia como 'laboratório', com vários pés de maconha, recipientes com sementes, fertilizantes, lâmpadas para estufa, termômetro para controlar a temperatura do ambiente e outros produtos para o cultivo da planta.

Havia também folhas secas já separadas, maconha dentro de garrafas com álcool, além de acessórios para o consumo da droga, como papel de seda e 'bong' (espécie de cachimbo). Todos os equipamentos e materiais foram apreendidos.

O casal e o filho foram encaminhados para a Delegacia da Polícia Civil e o jovem assumiu ser o responsável pelo laboratório.

Veja também:

Jovem é preso por cultivar pés de maconha no quintal de casa

Polícia apreende crack e 10 pés de maconha em casa de Ponta Grossa

 

Envie seu comentário

Comentários (0)