Curitiba

Modelo é obrigada a fazer strip para policiais e detentos na delegacia

Colombiana, detida por briga, estava bêbada e foi 'forçada a tirar a roupa'; Vídeo viralizou nas redes

Vídeo no qual a mulher aparece algemada viralizou nas redes sociais (Foto: Reprodução)

*do R7

A modelo e DJ colombiana Katheríne Martinez, de 27 anos, foi presa pela polícia de Cali, acusada de provocar briga em uma balada no último dia 24 de julho. Conduzida até a delegacia, ela foi acorrentada a uma janela, enquanto aguardava ser interrogada. "Estava alcoolizada e muito agitada", explicou um dos oficiais. Katherine pediu para ser solta, alegando dores.

Os policiais fizeram então uma proposta absurda: a modelo só seria liberada se tirasse a roupa e dançasse, num strip diante dos guardas e detentos. Foi o que ela fez. Os oficiais a filmaram com celulares e postaram o vídeo nas redes sociais.

Katheríne está processando os policiais por abuso de poder. "Eles me humilharam", justifica. "Foi nojento e vergonhoso", afirma. 

Os guardas disseram que iriam levar a modelo para uma cadeia temporária feminina depois do interrogatório. Ela foi detida após uma briga com outra mulher. "Ainda filmaram a cena e fizeram de tudo para me expor", conta, citando os vídeos publicados no WhatsApp e no YouTube, divulgados pelos policiais. Eles reconheceram ter publicado as gravações.

Katheríne já era conhecida na Colômbia por fazer ensaios sexy e postar fotos desinibidas nas redes sociais. "Não quer dizer que eu precise ser algemada e ter de fazer um strip para policiais e presos, para me soltarem", desabafou a modelo. "Só queria sair dali o mais rápido possível", contou dias depois do episódio. Ela nega que tenha se exibido por iniciativa própria, como policiais tentaram explicar.

O chefe de polícia afirmou que "a corporação condena esse tipo de comportamento e vai tomar medidas judiciais e disciplinares contra os envolvidos no caso".

O Ministério Público informou que vai investigar o caso e apurar se outros episódios do gênero ocorreram nas delegacias do pais, como muitas mulheres denunciaram nas redes sociais.

Leia também
Suspeito de matar sargento, ator de Cidade de Deus se entrega no Rio

Envie seu comentário

Comentários (0)

Amante que foi exposta em panfletos pela cidade vai processar a "rival"

Segundo a polícia, além de responder criminalmente por injúria e difamação, agora a esposa pode também ter que pagar indenização na esfera civil

A conversa virou panfleto e deu confusão. Foto: Divulgação.

Lembra do caso da esposa que descobriu uma conversa do marido com outra e espalhou tudo em panfletos pela cidade? A história continua. A mulher exposta nos panfletos disse que não sai mais de casa e decidiu processar a “rival”, que confessou ser a responsável pela divulgação da conversa.

A confusão aconteceu em Apucarana, no norte do Paraná. Ao saber das conversas do marido com uma mulher pelo whatsapp, a mulher imprimiu o que recebeu, transformou em panfletos e mostrou para todo mundo. A esposa chegou a contratar um carro para espalhar as folhas na cidade.

Espalhando os folhetos pela cidade, a mulher colou os papeis até mesmo em frente ao emprego da rival. Conforme o RIC Mais já tinha noticiado, a confusão foi parar na delegacia. Por causa da exposição, a “outra” registrou um boletim de ocorrência por difamação.

A Polícia Civil, embora não possa resolver a situação das duas com o pretendente, elaborou um termo circunstanciado. O documento foi encaminhado ao Juizado Especial Criminal, que deve julgar a pena da mulher.

Quase uma semana depois do episódio, a amante continua afetada com a situação. Ela afirmou que teve que parar de estudar (é aluna de direito) por causa da polêmica que envolveu o caso. Segundo a polícia, além de responder criminalmente por injúria e difamação, agora a esposa pode também ter que pagar indenização na esfera civil.

Leia mais:

Homem registra boletim de ocorrência contra traição da própria mulher

Jovem flagra namorada na cama com outro, faz selfie e ri da situação

 

Envie seu comentário

Comentários (0)

Presos serram grades e fogem da Colônia Penal de Piraquara

A fuga foi na noite desta segunda-feira (31) e assim que forem encontrados, os dois presos devem regredir a pena, ou seja, vão passar para o regime fechado

Os presos conseguiram escapar e não foram encontrados. Foto: Arquivo.

Dois presos fugiram da Colônia Penal Agroindustrial (CPAI), unidade do regime semiaberto de Piraquara, Região Metropolitana de Curitiba (RMC), na noite desta segunda-feira (31). Os presos serraram as grades do alojamento.

Como a unidade é do regime semiaberto, a estrutura é diferente das outras prisões. Por isso, a fuga de Elias Alves dos Anjos e Jeferson dos Santos Padilha foi percebida pouco tempo depois pelos agentes penitenciários.

Segundo o Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen), buscas foram feitas, mas eles não foram localizados. Equipes da Polícia Militar (PM) foram acionadas e prestaram apoio aos agentes, mas não houve confusão entre os outros presos. Assim que forem encontrados, os dois presos devem regredir a pena, ou seja, vão passar para o regime fechado.

Envie seu comentário

Comentários (0)