Curitiba

Familiares acreditam que corpo encontrado carbonizado é de cabo da PM

Para os familiares não restam dúvidas de que o corpo carbonizado dentro de carro é de cabo da PM desaparecido desde sexta-feira (5)

Ele foi morto com três facadas, mas como não havia respingos de sangue dentro do veículo e fora, a Polícia acredita que a morte tenha sido realizada em outro local (Foto: Reprodução/Facebook)

O corpo de um homem carbonizado foi encontrado dentro de um carro neste sábado (6), em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. O Corpo de Bombeiros (CB) havia sido chamado para atender um veículo modelo que estava em chamas na PR-423.

As placas do carro Renault Megane apontam para um cabo da Polícia Militar (PM), Paulo Marcos Chaniuk, que está desaparecido desde a noite de sexta-feira (5). Ele e a namorada, que está grávida, voltaram do Litoral e almoçaram juntos. A última mensagem recebida pela companheira foi por volta das 20h40, quando Chaniuk avisou que estaria indo jogar bocha com alguns amigos perto do Campo do Meia, na RMC. 

O combinado era o cabo encontrar a namorada na manhã de sábado, já que uma ecografia estava marcada para às 10h40, mas ele não apareceu. Amigos e familiares prestam homenagens pelas redes sociais, mas o Instituto Médico Legal (IML) ainda não confirmou se o corpo carbonizado é do PM. Ele foi morto com três facadas, mas como não havia respingos de sangue dentro do veículo e fora, a Polícia acredita que a morte tenha sido realizada em outro local e apenas o incêndio teria sido provocado ao redor da rodovia. 

Para os familiares não restam dúvidas de que o corpo encontrado seja de Chaniuk, já que o cabo saia bastante para ir em bares e a preocupação era constante da mãe, irmã e namorada. A delegacia de Campo Largo aguarda perícia do IML para confirmar a suspeita, mas já existem suspeitos para o crime. 

Leia também:

Envie seu comentário

Comentários (0)

Crianças no Rio Grande do Sul foram esquartejadas em ritual satânico

Dois homens teriam pago 25 mil em um ritual de magia negra que exigia o sacrifício de duas crianças do mesmo sangue; elas eram irmãs

Os corpos esquartejados das duas crianças foram encontrados em setembro. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Depois de mais de quatro meses de investigações a polícia do Rio Grande do Sul está perto de concluir o inquérito sobre os corpos de duas crianças, de 8 e 12 anos, que foram encontrados esquartejados no dia 4 de setembro de 2017, em um estrada em Novo Hamburgo, Região Metropolitana de Porto Alegre. Até hoje suas cabeças não foram encontradas.

Na ocasião, não existia nenhuma pista sobre os assassinos e a princípio chegou a se suspeitar que eram partes de uma mulher e de uma criança. Ambos os corpos estavam distribuídos em sacos de lixo, jogados em um matagal na rua Porto das Tranqueiras, no bairro Lomba Grande e foram encontrados por um catador de papelão. Não existiam digitais, testemunhas e nem Boletim de Ocorrência sobre o desaparecimento.

Uma única pista

A única pista eram as duas caixas em que estavam alguns pedaços das crianças esquartejadas. De acordo com o delegado da Polícia Civil que cuidava do caso na época, Rogério Baggio Berbcz, as caixas são de uma marca de sabão em pó que não é comercializada no RS, nem no sul do Brasil, apenas na região de Pernambuco.

Investigações

Embora os responsáveis ainda mantenham sigilo sobre muitos detalhes porque a investigação está em andamento, eles já anunciaram a prisão de três pessoas no dia 3 de janeiro deste ano.

Entenda o caso:

4 de setembro - foram descobertos os corpos esquartejados.

7 de setembro - o Instituto-Geral de Perícias (IGP) do RS descobriu que se tratavam de duas crianças: um menino, com idade entre 8 e 9 anos, e uma menina, com idade entre 10 e 12 anos.

28 de setembro - foi confirmando que as duas vítimas eram irmãos da mesma mãe, mas de pais diferentes.

4 de outubro - devido a falta de Boletim de Ocorrência sobre o desaparecimentos de dois irmãos, a polícia acredita que a mãe também esteja morta. Também foi constatado que uma das vítimas estava alcoolizada. O álcool presente nos corpos começou a despertar a suspeita de que as mortes teriam relação com um ritual de magia negra.

27 de dezembro - a polícia prendeu o líder de um templo satânico e dois de seus seguidores. O templo fica localizado apenas a 30 quilômetros de onde os corpos foram achados. Várias buscas foram realizadas para tentar encontrar os crânios da criança, mas sem sucesso.

3 de janeiro - A Polícia Civil divulgou a prisão das três pessoas.

Templo Satânico

Objetos satânicos foram encontrados no local. (Foto: Ilustrativa/Pixabay)

O tempo satânico fica em uma estrada de chão batido em Gravataí município vizinho a Novo Hamburgo. Logo na entrada é possível ver um grande pentagrama desenhado no portão. O símbolo também está pintado em vários locais no interior do templo. Até o momento, somente a polícia teve acesso ao local. No entanto, fotos vazaram e as informações de que o local era mesmo usado para rituais satânico são comprovadas por bacias com sangue, imagens de demônios, entre outros itens.

Ritual de prosperidade

Segundo informações do delegado Moacir Fermino, responsável pelo caso, as crianças foram sacrificadas em um ritual de prosperidade, que exigia crianças do mesmo sangue, encomendado por dois homens. Ele teriam pago ao líder satânico R$ 25 mil reais, à vista, pela magia negra. Destes, um dele está preso, mas ainda não se sabe maiores detalhes. Os nomes não foram divulgados porque as prisões são temporárias. Tanto o ‘bruxo mestre’ como seus dois seguidores negam ter matado e esquartejado as vítimas. No entanto, os investigadores dizem ter provas que serão divulgadas na próxima segunda-feira (8).

Argentino

Um dos suspeitos é um argentino que teria trazido as crianças do país vizinho especialmente para o ritual de magia negra. A identidade delas ainda é desconhecida.

Mais vítimas

A polícia também acredita que o homem que é apontado como referência em rituais satanicos na América Latina também é responsável por outras mortes.

Leia também:

Envie seu comentário

Comentários (0)

Jovens são assassinados em crimes misteriosos na RMC

Nenhuma dos jovens aparentava ter mais de 30 anos; ambos foram mortos a tiros

Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba. (Foto: Reprodução/RICTV Curitiba)

*Com informações de Marcelo Borges, repórter da RICTV Curitiba

Dois jovens foram assassinado na madrugada deste sábado (6) na Região Metropolitana de Curitiba.

Colombo

O primeiro crime aconteceu na estrada rural Rua Rafael Francisco Greca, bairro Santa Gema, em Colombo. Ali, moradores da região ouviram disparos e ligaram para a Polícia Militar. Quando chegaram no local, agentes da PM encontraram um jovem morto com vários tiros.

A vítima que ainda não teve a identidade confirmada aparentava ter menos de 30 anos e estava descalço, indicando que possivelmente foi retirado de dentro de casa e executado onde o corpo foi encontrado. Os criminosos usaram duas armas de diferentes calibres para assassinar a vítima.

Pinhais

O outro crime aconteceu na Alameda dos Bosques, no bairro Jardim das Nascentes, em Pinhais. De acordo com a Polícia Militar, agentes seguiam para a localidade para atender uma ocorrência de perturbação de sossego e no caminho encontram um jovem morto a tiros. A vítima aparentava ter entre 20 e 25 anos e foi agredida e baleada na cabeça.

Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba. As delegacias de Colombo e Pinhais são responsáveis pelas investigações.

Leia também:

Envie seu comentário

Comentários (0)