Olá {{nome}}
Logout
Ao vivo:
Próximo

CASO DANIEL FOTOS

Caso Daniel fotos: Veja imagens marcantes da investigação do crime

O jogador de futebol Daniel Correa foi morto no dia 27 de outubro, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba; veja fotos do caso!

Autor: Redação RIC Mais
Caso Daniel: veja fotos e desdobramento do crime (Foto: reprodução das redes sociais)
Caso Daniel: veja fotos e desdobramento do crime (Foto: reprodução das redes sociais)

Daniel Correa Freitas, jogador encontrado morto na Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, foi assassinado no dia 27 de outubro. 

corpo do jogador de futebol foi localizado no sábado a tarde, depois que um morador da região viu marcas de sangue no chão de uma estrada rural e seguiu o rastro até o corpo do jovem. Ele estava vestido apenas com uma camiseta, com sinais de tortura, o pênis decepado e cortes profundos no pescoço, a ponto de quase ter sido degolado. 

Daniel foi violentamente assassinado em São José dos Pinhais (Foto: reprodução das redes sociais)

Fotos da noite antes da morte de Daniel

Em Curitiba, Daniel passou a noite de sábado (27) com amigos, em uma casa noturna sertaneja no bairro Batel. Segundo informações da polícia, o jogador de futebol teria vindo a capital paranaense para comemorar o aniversário da filha do suspeito, Allana Brittes, que estava comemorando seus 18 anos na boate.

Edison, Allana e Cristiana na comemoração de aniversário da jovem em uma casa noturna (Foto: reprodução das redes sociais)

As investigações apontam que após o término da comemoração na boate, 11 pessoas teriam seguido para uma continuação da festa  na casa da aniversariante, sendo Daniel Correa um desses indivíduos.

De acordo com a administração da boate, o jogador de futebol não se envolveu em nenhuma confusão dentro do local. 

Veja vídeo do jogador na casa noturna:

Além da imagem do jogador na casa noturna, no aniversário de Allana Brittes, outra imagem foi divulgada na casa da família Brittes, horas antes da morte de Daniel Correa. Nas imagens, é possível ver diversos indivíduos ainda em comemoração, no salão de festas da casa.

Gravado por volta das 8h18 da manhã, o vídeo parece ter sido feito no mesmo horário em que Daniel Correa conversa com um amigo por mensagens, e envia uma foto ao lado de Cristina Brittes na cama. 

Daniel envia fotos ao lado de Cristina Brittes às 8h18 da manhã

Edison confessou ter matado Daniel Correa

Edison Brittes, que já possui ficha criminal por porte de arma, adulteração de veículo, ameaça e crime contra a pessoa, crime contra o patrimônio, além de outros processos mantidos em sigilo, pode responder também pela morte do jogador Daniel Correa, que ele mesmo confessou na Delegacia de São José dos Pinhais, durante depoimento prestado. 

Edison Brittes confessou ter matado o jogador Daniel Correa (Foto: reprodução das redes sociais)

Na quinta-feira (10), Edison Brittes voltou ao local do crime e contou a polícia detalhes como teria cometido o assassinato. Posteriormente, a polícia descobriu que o jogador foi morto e teve o órgão sexual extirpado com uma faca de churrasco com cerca de 30 cm.

Edison Brittes esteve no local do crime (Foto: divulgação Polícia Civil)

Depoimento Cris e Allana Brittes

Allana, filha do suspeito de matar o jogador Daniel Corrêa Freitas, e Cristiana Brittes, esposa de Edison Brittes, prestaram depoimento na tarde desta segunda-feira (5) na delegacia de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. 

Allana e Cristiana já prestaram depoimento (Foto: reprodução das redes sociais)

No interrogatório, Allana mudou a primeira versão e afirmou que conhecia Daniel há um ano e cinco meses. Além disso, ela disse que percebendo a gravidade da situação, pediu para que o pai parasse, mas Edison falou para ela sair do quarto. Então, Allana encostou a porta. Minutos depois, a jovem encontrou a mãe, que contou que Daniel havia tentado a estuprar.

No depoimento, Allana contou que Edisson, Ygor King, seu primo e outro amigo batiam no ex-meia do cruzeiro dentro do quarto do casal. Quase desfalecido, Edison colocou o carro de ré, próximo de onde Daniel estava, e abriu o porta-malas. Colocando o jovem, de 24 anos, dentro do veículo. 

Allana também relata que, em conversa com o pai, ele a orientou para inventar a história de que Daniel havia saído de sua casa após o 'after' pelo portão, sem avisar onde iria, e tomado rumo desconhecido.

Já Cristiana Brittes, em depoimento, conta que na residência, sua prima entrou em seu quarto para usar o banheiro, e ela, enquanto usava o sanitário, teria deixado a porta aberta. Com isso, ela conta que Daniel entrou no local e a ficou olhando enquanto fazia suas necessidades, tendo comentado, segundo o relato "eu sei que você tem namorado e ela é casada, só vou fazer xixi".

Além disso, Cristiana afirma que ao invés de ajudarem Daniel, o jogador foi ainda mais agredido, e ninguém tentou separar a briga, e que ela se recorda apenas de ver Daniel na área externa da sua casa, ainda dentro do terreno, caído no chão, não ouvindo ele dizer nada. 

De acordo com o delegado do caso, Amadeu Trevesan, Allana e Cristiana Brittes, que não participaram ativamente do crime, estão presas por coagirem testemunhas. “Estão presas porque coagiram as testemunhas no processo. Elas foram até o shopping, elas foram até a casa da Carolina e lá elas pediram para que as pessoas “fechassem” a história de uma forma só”, explicou o delegado. 

Trevisan ainda reforçou que os seis detidos até o momento - Edison, Allana, Cristiana, Ygor, Deivid e Eduardo - deverão responder pelo crime. “Todos eles são responsáveis pelo resultado final”.

Cristiana e Allana Brittes vão para presídio

Cristiana Brittes, esposa de Edison Brittes - suspeito de matar o jogador Daniel Correa -, e a filha dela, Allana Brittes, foram transferidas nesta quinta-feira (7) para a Penitenciária Feminina de Piraquara, na Grande Curitiba.

As duas estão com a prisão temporária decretada por 30 dias por envolvimento na morte do jogador DanielPela manhã, mãe e filha passaram pelo exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba, no bairro Tarumã, para cumprir um procedimento padrão antes de deixar a Delegacia de São José dos Pinhais.

Mãe e filha estão presas em Piraquara (Foto: reprodução das redes sociais)

Fotos depoimento de Edison Brittes

depoimento de Edison era o mais esperado e só foi colhido depois que a polícia teve acesso a testemunhos de todas as outras pessoas que estavam na residência dos Brittes no dia do crime. O assassino confesso preferiu manter silêncio quando indagado sobre como exatamente o jogador foi morto. No entanto, ele assumiu toda a autoria do crime. 

Edison contou que na casa noturna havia alugado dois camarotes para o aniversário de 18 anos da filha, Allana Brittes. No local, foi a segunda vez que viu o jogador Daniel, a primeira teria sido no aniversário de 17 anos de Allana. “Quanto à pessoa de Daniel, afirma que só o viu por duas vezes na sua vida, sendo que viu a primeira vez no aniversário de dezessete anos de sua filha Allana e a segunda vez na festa ocorrida na [casa noturna] , de dezoito anos dela, sendo que ele foi convidado por sua filha e que nunca conversou com ele, apenas cumprimentos normais, mas nunca de conversas a mais que isso, sendo que exceto essas duas ocasiões citadas nunca mais falou com ele.

Depoimento de Edison Brittes. (Imagem: Reprodução/Depoimento)

O suspeito também afirmou que a festa foi regada a bebida alcoólica, cerca de 80 pessoas teriam consumido 35 garrafas de vodka. Sobre o ‘after’ na sua casa, ele disse que a princípio negou porque sua esposa, Cristiana Brittes, de 35 anos, já estava “PT” na boate. Porém, ele acabou cedendo, mas deixou tudo a carga de Allana. Por volta das 7h15 da manhã de 27 de outubro, ele seguiu para casa em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. No carro estavam Edison na direção, Cristiana (que foi dormindo), Allana, Eduardo, primo de Cristiana também preso pelo crime, e sua esposa Taís. Os amigos que seguiram para a reunião pós-festa teriam seguido com um veículo de aplicativo de transporte.

Allana Brittes em sua festa de aniversário em uma casa noturna (Foto: reprodução redes sociais)

Filha de empresário posta foto com o jogador Daniel

Na publicação - que foi compartilhada em um modo onde é possível visualizar por apenas 24h - a jovem publicou uma fotografia de seu aniversário de 17 anos. Nela, os dois aparecem como amigos. Na legenda, é possível ler: “A foto do meu aniversário do ano passado. A desse ano você não me mandou”. Ela finaliza a postagem com um emoji de lágrimas, provavelmente, fazendo relação com a morte do jogador.

Na ocasião da postagem, ainda não eram conhecidos detalhes sobre o assassinato. Entre eles, que Daniel foi espancado na casa da Allana, morto pelo pai da garota e que ela sabia de tudo. Nilton Ribeiro, advogado contratado pela família do jogador Daniel, espera que esposa e filha do assassino também respondam pelo morte do jovem. “Elas são coautoras do crime. Elas participaram do crime”, declarou durante entrevista

Postagem de Allana após o assassinato do jogador Daniel. (Foto: Reprodução redes sociais)

Fotos moto de traficante

Uma moto modelo esportivo utilizada por Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel Corrêa Freita, foi apreendida pela Polícia Civil de São José dos Pinhais nesta sexta-feira (9). Conforme o delegado Amadeu Trevisan, o veículo está registrado em nome de um traficante que está preso na Casa de Custódia de Piraquara.

A Honda CBR 100 Rr Repsol era usada por Edison para participar de encontros de motociclistas. Nas redes sociais, o casal possui inúmeras fotos e vídeos com o veículo.

Cristiana e Edison Brittes na moto apreendida (Foto: divulgação redes sociais)

Jogador seguia família Brittes

Daniel, que conta com cerca de 35,600 seguidores, segue apenas 1.008 pessoas na rede social, estando os três suspeitos entre os indivíduos.

Recentemente, a esposa de Edison Brittes, também conhecido como Juninho Riqueza, deletou a rede social, e por isso, não é possível mais ver que Daniel Correa também a seguia na plataforma.

Entretanto, entre as pessoas que seguem o jogador, nenhum membro da família foi encontrado, o que não garante que eles tenham excluído a vítima para reiterar a informação de que não se conheciam.

Veja imagem abaixo!

Relação de pessoas seguidas pelo jogador de futebol Daniel Correa. (Foto: reprodução das redes sociais)

Cristiana Brittes queria vender celular após crime

Imagens exclusivas obtidas pela reportagem da RICTV | Record TV mostram Edison Brittes e Cristiane Brittes querendo vender um aparelho de celular avaliado em R$ 3 mil, que era de uso dela, em uma assistência técnica, às 17h10, no dia 31 de outubro, horas antes de ser presa pela Polícia Civil, às 22h do mesmo dia, por envolvimento no caso Daniel.

Edison e Cristiana Brittes teriam tentado vender o celular da Cristiana em assistência técnica (Foto: reprodução RICTV)

Segundo a responsável pela loja, Cristiana Brittes estava abatida quando chegou ao estabelecimento e se reservou a falar apenas os problemas do celular. 

Nas imagens, Edison Brittes chega sozinho ao local com o celular. Minutos depois Cristiana Brittes aparece nas imagens e fica sentando em um sofá. A mulher se manifestou depois que testes foram realizados no aparelho antes de concluir a venda do aparelho eletrônico - o que não foi possível pelos defeitos apresentados.

Depoimentos de Deivid e Ygor

Conforme o delegado, os depoimentos dos suspeitos Deivid Willian da Silva, de 18 anos, namorado de Allana, e Ygor King, de 19 anos, amigo de Deivid, colhidos nesta sexta, foram essenciais para esclarecer alguns detalhes sobre o assassinato do jogador. Já que Edison não quis revelar  como tudo ocorreu depois que eles saíram da casa. 

Segundo versão dada pelos dois jovens, eles ajudaram nas agressões feitas ao jogador na residência dos Brittes e foram intimados por Edison a entrar no carro e seguir com ele depois que a vítima já estava no porta-malas. Já na estrada rural, teriam sido proibidos de descer do veículo pelo assassino confesso e, por isso, não viram o exato momento da execução. “Eles ficaram com medo porque o Edison disse que se eles descessem ou vissem alguma coisa teriam o mesmo fim”, afirmou Trevisan à imprensa. Apenas Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, de 19 anos, primo de Cristiana, que foi detido em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, na quarta-feira (7), teria auxiliado Edison. Ele deverá ser ouvido, no máximo, na segunda-feira (12).

Ygor, Deivid e Eduardo estão presos pela morte do jogador Daniel. (Foto: Montagem/RIC Mais)

Deivid e Ygor também declararam que o jogador foi morto atrás do carro e ainda estava vivo quando foi retirado do porta-malas. “Daniel murmurava algumas palavras, tentava dizer alguma coisa e depois eles só ouviram um som de como se estivesse sendo estrangulado”.

A versão dos dois será comparada com a perícia realizada na estrada rural e na plantação de pinus onde o jogador foi morto e teve o corpo abandonado. “Essa perícia que vai nos dizer o que realmente aconteceu, além desses depoimentos. [...] Na casa nós já sabemos tudo o que aconteceu”. 

Edison Brittes trocou de roupas após matar Daniel

A informação dada por Cristiana durante seu depoimento e negada por Edison, de que o assassino confesso teria trocado de roupa antes de voltar para casa, foi reafirmada pelos testemunhos desta sexta. “Quando ele estrangula e mata o Daniel, ele fica com as roupas sujas de sangue. Então, ele para em uma determinada loja e dá dinheiro para o Daivid comprar roupas novas” explicou o delegado.  

Edison Brittes explica onde o jogador foi morto. (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Cruz deixada onde jogador Daniel foi encontrado

“Ela apareceu bem no Dia de Finados, alguém colocou com uma mensagem e uma passagem bíblica que fala sobre o corpo ser destruído”, conta Gabriel, jovem de 18 anos que achou o corpo do jogador Daniel em meio à plantação de eucaliptos.

Depois de 13 dias, a RICTV | Record TV esteve no local onde o jogador Daniel Correa foi encontrado. Gabriel refez todo o caminho do dia que achou o jogador ao lado do repórter Daniel Santos.

“Vi uma poça de sangue na beira da estrada, o que não é comum, muito sangue. Parei pra ver o que se tratava”, explica.  De acordo com o jovem, ele ficou curioso com a cena e resolveu verificar. “Parei o carro, desci pra ver o que se tratava. Fui entrando, tinha rastro de sangue apagado. Quando cheguei lá, vi que era o corpo do Daniel”, conta em detalhes sobre o momento que nunca vai sair da cabeça, segundo ele.

Gabriel diz que tomou um choque, pegou o carro e foi pra casa onde acionou a Polícia Militar. Depois, retornou ao local e indicou o local exato onde estava o corpo.

Segundo o morador da região, ele só soube que se tratava do jogador Daniel na segunda-feira a partir do noticiário. “É um choque, né? No local que é tranquilo acontecer isso”, lamenta o jovem que foi o primeiro a estar na cena do crime.

Reprodução/RICTV
Veja três matérias completas sobre o caso

O primeiro vídeo mostra que Edison Brittes mudou explicações sobre o crime durante o depoimento prestado à polícia. Ele disse que entrou pela janela do quarto e que o celular da vítima não foi levado da casa até o local onde aconteceu o assassinato.

A segunda matéria é exclusiva, e mostra o repórter Daniel Santos em conversa com o rapaz que encontrou o corpo do jogador de futebol. Veja!

Por último, conheça mais sobre algumas testemunhas chaves para o esclarecimento do crime.

 

O que achou desta matéria

  1. Péssima
  2. Ruim
  3. Regular
  4. Boa
  5. Excelente

Média dos leitores 4,4

  • Comentário via facebook