Olá {{nome}}
Logout
Ao vivo:
Próximo

10 meses

Bebê torturado em Ponta Grossa: pai e madrasta são presos como suspeitos

O crime poderá ser agravado caso a vítima perca a vida; o bebê que foi torturado em Ponta Grossa está internado em estado gravíssimo

Autor: Redação RIC Mais
O bebê torturado em Ponta Grossa tem apenas 10 meses. (Foto: Ilustrativa/Pixabay)
O bebê torturado em Ponta Grossa tem apenas 10 meses. (Foto: Ilustrativa/Pixabay)

O pai e a madrasta de um bebê que foi torturado em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, foram presos neste sábado (21). A menina de 10 meses permanece internada em estado gravíssimo no Hospital Infantil Waldemar Monastier, em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba.  

Como o bebê foi torturado

De acordo com a delegada Ana Paula Cunha, do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), a criança tem hematomas espalhados por todo o corpo, queimaduras nos pés e uma fratura no crânio. A qual causou diversas convulsões e um sangramento interno que é tão grave que impede a realização de um exame de imagem.

Ana Paula ainda reforça o fato de que o casal não demonstrou preocupação quanto ao estado de saúde da menina e que nenhum deles teria ido visitá-la no hospital no dia em que o mandado de prisão foi expedido. Do mesmo modo, nenhum parente foi até o local motivados, segundo os familiares, pelo suspeito que teria dito que as visitas estavam restritas aos pais, o que foi desmentido pela instituição. Todos esses fatores reforçaram a desconfiança da delegacia sobre a participação de ambos no crime.

Leia também: Bebê de nove meses que teve 80% do corpo queimado morre em Curitiba

Investigações

A denúncia contra o casal foi recebida pelo Ministério Público, na quinta-feira (19), após um médico que atendeu a criança ter relatado os sinais de possíveis maus tratos.

Durante as investigações, o Nucria descobriu que o bebê estava internado há uma semana com grande risco de óbito. E havia sido transferida com urgência para Campo Largo porque necessitava de uma internação em uma Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) infantil.

O mandado de prisão preventiva foi expedido na sexta-feira (20) e cumprido no dia seguinte. Os dois foram encaminhado à Cadeia Pública Hildebrando de Souza, em Ponta Grossa.

Em primeiro momento, o caso foi tratado como maus tratos. Porém, após a verificação dos fatos e da gravidade da ocorrência, o crime foi registrado como tortura e poderá ser agravado caso a vítima perca a vida.

Caso o ambos sejam condenados e o bebê consiga sobreviver, a pena será de 4 a 10 anos por lesão gravíssima. No entanto, a situação de saúde do bebê se agravar e ele morrer, a condenação passará para 8 a 16 anos de prisão.  

*Com informações de A Rede

Gostou da matéria? Avalie abaixo!

O que achou desta matéria

  1. Péssima
  2. Ruim
  3. Regular
  4. Boa
  5. Excelente

Média dos leitores 3,9

  • Comentário via facebook
Leia também:

Na capital

noroeste do estado

RMC