Curitiba

Homem ingere veneno de rato após atirar contra a mulher

Roberto Vasconcelos atirou duas vezes contra ex-mulher, e este não é o primeiro caso de violência doméstica

Roberto Vasconcelos atirou duas vezes contra ex-mulher, e este não é o primeiro caso de violência doméstica (Foto: Reprodução/RECORDTV)

Uma mulher foi baleada pelo ex-marido, que tentou se matar após cometer o crime, na noite desta quarta-feira (19). Segundo a polícia, o acusado tomou veneno de rato. O caso aconteceu em Camaçari, Região Metropolitana de Salvador (BA).

Roberto Vasconcelos atirou duas vezes contra a ex-companheira Eliane das Neves, 38 anos. Após ingerir veneno para ratos, o suspeito foi socorrido e logo em seguida encaminhado para Delegacia Especial de Atendimento a Mulher (Deam).

Vasconcelos já possui histórico de violência doméstica, ele teria agredido outra ex-companheira há cinco anos. Eliane foi atingida na cabeça, encaminhada ao Hospital Geral da Cidade e não corre risco de morte.

Saiba mais: 

Vítima assassinada dentro de casa tinha passagens pela polícia

Acusado de violência doméstica, Victor pede afastamento do The Voice Kids

Aumento de pena para violação da intimidade da mulher passa na Câmara

 

 

Envie seu comentário

Comentários (0)

Justiça manda soltar PMs acusados de matar homens caídos

Um dos policiais também fez, momentos antes, pelo menos um dos disparos que mataram a estudante Maria Eduarda, de 13 anos

O caso aconteceu no dia 30 de março; pouco antes, houve troca de tiros e uma estudante de uma escola próxima morreu (Foto: YouTube, Reprodução)

A Justiça do Rio mandou soltar nesta quarta-feira, 19, o cabo Fábio de Barros Dias e o sargento David Gomes Centeno. Eles estavam presos pela morte de dois suspeitos em Acari, na zona norte do Rio, em 30 de março. A decisão do juiz Alexandre Abrahão Dias Teixeira, da 3ª Vara Criminal do Rio, veio no mesmo despacho em que o magistrado transformou os dois policiais em réus por homicídio doloso (intencional). Assim, os PMs aguardarão o julgamento em liberdade.

O juiz acatou pedido do Ministério Público (MP) que, na segunda-feira, 17, denunciou os policiais por homicídio doloso. Eles foram filmados perto da Escola Jornalista e Escritor Daniel Piza atirando em dois suspeitos que já estavam no chão, baleados e feridos. Na denúncia, contudo, o MP considera que os policiais trabalham em "situação de guerra".

Um dos policiais, o cabo Dias, foi identificado como autor de pelo menos um dos disparos que atingiram a estudante Maria Eduarda Alves, de 13 anos. Durante uma aula de educação física, a menina foi atingida por vários tiros e morreu. Uma perícia constatou que um dos projéteis no corpo da vítima saiu de uma arma que estava com o policial. O caso ainda está sob investigação.

Os PMs alegaram que dispararam por se sentirem ameaçados pelos dois homens que estavam no chão. Ao lado dos corpos, segundo a Polícia, foram achadas armas. Não é possível, porém, ver nas imagens nada que sugira uma reação dos suspeitos baleados.

Decisão

O magistrado, contudo, impôs restrições aos dois policiais. "Entendo necessária a presença mensal dos acusados em Juízo para controlar suas atividades e condutas durante a fase instrutória. Há, também, imperiosa necessidade, neste período, dos acusados manterem-se afastados de locais públicos, festas, bares e outras atividades sociais aonde venha ocorrer aglomeração de pessoas", determinou Teixeira.

Dias e Centeno também não poderão manter contato com testemunhas e parentes das vítimas, tampouco se afastar da cidade do Rio. Eles voltarão ao trabalho, mas não poderão realizar policiamento nas ruas, tampouco atuar na área do 41º BPM, onde estavam lotados. Além disso, devem estar em casa antes das 22h.

Envie seu comentário

Comentários (0)

Baleia Azul: Curitiba cria força-tarefa para investigar o jogo

Dois casos relacionados ao jogo foram confirmados no Paraná, e outros seis estão sob suspeita

O jogo propõe desafios grotescos e está preocupando pais e responsáveis (Foto: YouTube, Reprodução)

O jogo Baleia Azul, que está causando polêmica e preocupando pais e responsáveis por todo o Brasil, começou a ser combatido de maneira incisiva, pelo menos em Curitiba. Uma força-tarefa acaba de ser criada e envolverá várias delegacias, a Secretaria de Juventude e órgãos de educação para investigar o caso. O anúncio foi realizado em uma coletiva na tarde desta quarta (19) na Secretaria de Segurança do Paraná (Sesp).

Disseminado através das redes sociais e, principalmente, em grupos de mensagens compartilhadas, o jogo possui, como objetivo, oferecer desafios a adolescentes, com o intuito final de induzi-los a cometer suicídio. A força-tarefa anunciada pela Sesp quer identificar quem são os administradores dos grupos do jogo, em Curitiba e no Brasil. A investigação foi deflagrada após serem realizados contatos com familiares de jovens suspeitos de terem participado do desafio.

Eles podem ter sido contactados por pessoas de fora do país. Se isso for confirmado, a Interpol poderá ser acionada.

Segundo dados oficiais da Secretaria, foram confirmados dois casos no Paraná - um menino teria atentado contra a própria vida em Curitiba, e o outro, em Pato Branco. Outros seis casos suspeitos estão sendo investigados, pois apresentam características e padrões de quem participava do jogo. Porém, ainda não há confirmações oficiais a respeito.

Leia mais
Jogo Baleia Azul é suspeito de fazer vítimas em Curitiba
Baleia Azul: boatos se espalham na internet e criam pânico na população

Envie seu comentário

Comentários (0)