Curitiba

Lula diz que vai se dedicar para provar que o país pode ser diferente

Segundo Lula, se as pessoas não tiverem autoestima, não tiverem esperança nas pessoas que governam o país, nada vai acontecer

Em vídeo divulgado nas redes sociais, Lula afirmou que teve o prazer de viver no país o momento de maior autoestima do povo (Foto: Reprodução)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, neste domingo (16), que vai dedicar o tempo de vida que lhe resta para provar que o Brasil pode ser diferente e que a situação socioeconômica atual dos brasileiros pode mudar. A opinião foi expressa em vídeo postado em sua conta no Facebook, em que criticou o atual governo e o Congresso Nacional que, de acordo com ele, está desmontando as conquistas dos trabalhadores.

"As pessoas no Brasil hoje estão com a autoestima baixa porque a economia está muito ruim, há uma desagregação do ânimo da sociedade por conta do desemprego", disse o ex-presidente. "Nós temos um governo que não representa absolutamente nada. Temos um Congresso desacreditado, que está desmontando conquistas dos trabalhadores nos últimos anos", continuou.

Segundo o petista, se as pessoas não tiverem autoestima, não tiverem esperança nas pessoas que governam o país, nada vai acontecer. "Todo mundo acorda azedo, todo mundo vai dormir azedo xingando os vizinhos. Ao invés de olhar para seus próprios defeitos, começam a culpar", observou.



Lula afirmou no vídeo que teve o prazer de viver no país o momento de maior autoestima do povo. "As pessoas acreditavam, sonhavam, tinham emprego, queriam estudar. Tudo isso foi possível criar e agora nada parece ser possível. Nós precisamos voltar a ter autoestima, acreditar no país, acreditar no potencial do Brasil, acreditar que é possível um Brasil ser diferente", afirmou.

"Tenho consciência de que o Brasil, se governado por alguém que goste do povo, que conviva com o povo, que ouça o povo, pode melhorar. É nisso que eu acredito e quero dedicar o resto de tempo que tenho na minha vida para provar que estas coisas podem acontecer e que o Brasil poderá ser diferente." Lula disse ainda que o Brasil precisa de menos ódio e mais amor, de menos ódio mais paz, de menos ódio e mais tolerância, de menos preconceito e mais compreensão.

"A gente tem que entender que há pessoas mais competentes do que a gente, que crescem mais do que a gente, que podem trocar de carro e a gente não pode ter preconceito com as pessoas que progridem e nem ter inveja. A gente tem que torcer para que as pessoas possam vencer na vida porque se elas podem nós também podemos", aconselhou o ex-presidente. Ele disse que essa é a sociedade com que sonha e quer ajudar a construir no resto de vida que ainda tem. 

"Para a natureza parece que é pouco porque eu já tenho 71 anos, mas como eu acho que vou viver até os 100 anos, eu vou ter muito tempo pela frente para ajudar a construir o Brasil que todo mundo deseja", concluiu.

Leia também
Enquanto MP não provar nada, vou continuar andando por esse país, diz Lula

Saiba quais as cinco ações penais em que o ex-presidente Lula é réu
Lula: 'Só quem tem direito de decretar o meu fim é o povo direito'

Envie seu comentário

Comentários (0)

Enquanto MP não provar nada, vou continuar andando por esse país, diz Lula

Em evento neste sábado, o ex-presidente voltou a contestar a sentença do juiz Sergio Moro

Lula participa de ato em solidariedade à sua condenação na sede do PT de Diadema, na grande São Paulo, neste sábado (15) (Foto: Marcelo Gonçalves, Sigmapress, Estadão Conteúdo)

O ex-presidente Lula voltou a contestar a sentença do juiz Sergio Moro, que determinou sua condenação no caso do tríplex do Guarujá, e a se apresentar como candidato à presidência em 2018, durante evento neste sábado (15). Lula foi condenado a 9 anos e 6 meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Em evento de posse da direção do Partido dos Trabalhadores (PT) de Diadema, em São Paulo, Lula reafirmou que a única prova que existe no processo é de sua inocência. "Se o MP Ministério Público provar algum contrato, alguma assinatura, algum cheiro meu naquele apartamento, eu peço desculpas a vocês. Enquanto isso, vou continuar andando por esse país. Se vou ser candidato ou não, é outra história."

Segundo o petista, nas quase 280 páginas da sentença não há menção aos benefícios que ele teria recebido. "Reconhece que o apartamento pelo qual estou sendo julgado não é meu." Ele ainda voltou a dizer que o julgamento é político e que Moro aceitou uma "mentira". "Eles não estão me julgando, mas as coisas que fizemos pelo País". E completou depois: "Tenho consciência tranquila de que ninguém que me processa é mais honesto do que eu."

Lula disse à militância' para contar com ele para "consertar" o Brasil. "Se vocês quiserem que esse País volte a crescer e a ser respeitado, eu sei como fazer. Se vocês (governo) não sabem, deixem de destruir esse País", afirmou o petista.

Durante todo o discurso, o ex-presidente fez críticas ao governo Michel Temer, lembrando o elevado número de desempregados do País e criticando mudanças, como as na lei do pré-sal. Além disso, ele exaltou as conquistas sociais e econômicas da gestão do PT. "Sou presidente de todos, mas todos sabem que tenho lado e para quem vou governar", disse, referindo-se às classes econômicas mais baixas.

Leia também
Saiba quais as cinco ações penais em que o ex-presidente Lula é réu

Lula: 'Só quem tem direito de decretar o meu fim é o povo direito'

Envie seu comentário

Comentários (0)

Reforma trabalhista: saiba o que muda com a nova lei

Entenda, em 17 tópicos explicados de forma bem clara e direta, o que mudará a partir de novembro

Reforma foi sancionada pelo presidente Michel Temer e ainda sucita dúvidas para os trabalhadores. (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Sancionada na tarde de hoje pelo presidente Michel Temer, a reforma trabalhista passa a valer dentro de quatro meses, conforme previsto na legislação. O projeto, aprovado pelo Senado em uma conturbada sessão na noite de terça-feira (11), altera mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), permitindo que o acordado entre patrões e empregados sobre o previsto em lei nas negociações trabalhistas.

Parte do texto, no entanto, pode sofrer alterações. Durante a tramitação, o governo negociou com os parlamentares a votação rápida das mudanças em troca da garantia da revisão de alguns pontos polêmicos por meio de Medida Provisória ou novos projetos de lei do Executivo. A minuta da MP foi enviada nesta manhã ao Congresso.

O documento toca em dez pontos da reforma, entre eles temas polêmicos que foram discutidos durante a tramitação, como o trabalho intermitente, a jornada de 12 horas por 36 horas e o trabalho em condições insalubres das gestantes e lactantes.

Veja como era a legislação trabalhista e como ficará com a lei sancionada hoje:

Leia também
Temer elogia reforma e diz que desemprego 'cairá muito mais'

Envie seu comentário

Comentários (0)