Curitiba

Irmã e primo de Aécio são presos preventivamente pela PF

As prisões aconteceram após delação do dono da JBS com gravação em que Aécio Neves pede propina R$ 2 milhões. O valor foi rastreado e chegou ao senador Zezé Perrella (PMDB-MG)

Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), foi presa na manhã desta quinta-feira (18), em Belo Horizonte, acusada de pedir dinheiro para Joesley Batista em nome do irmão – que teria recebido R$ 2 milhões do empresário em entrega filmada e regist

Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), foi presa na manhã desta quinta-feira (18), em Belo Horizonte, acusada de pedir dinheiro para Joesley Batista, um dos donos da JBS , em nome do irmão - que recebeu R$ 2 milhões do empresário em entrega filmada e registrada. O dinheiro teria sido dado ao primo de Aécio, Frederico Pacheco de Medeiros, conhecido como Fred, que também foi preso preventivamente pela Polícia Federal

Além dos familiares de Aécio, Menderson Souza Lima, assessor do senador Zezé Perrela (PMDB-MG) também foi preso. Todos foram citados na delação de Joesley Batista. Em todos os casos os mandados são de prisão preventiva e foram autorizados pelo STF.

Denúncia contra Temer

No início da noite de quarta-feira (17), o jornal O Globo publicou reportagem, segundo a qual, além da delação sobre o esquema envolvendo Aécio Neves, uma gravação feita por Joesley Batista registrou um encontro entre Temer e o empresário. Temer teria sugerido que se mantivesse pagamento de mesada ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro para que esses ficassem em silêncio. Batista, conforme a reportagem, firmou delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) e entregou gravações sobre as denúncias. Segundo o jornal, ainda não há cionfirmação de que a delaçãodo empresário tenha sido homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A Presidência da República divulgou nota, na noite desta quarta-feira (17), na qual informa que o presidente Michel Temer "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha", que está preso no Complexo Médico Penal de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, na Operação Lava Jato. 

Leia também

Escândalo JBS: deputados da oposição fazem protestos contra Temer

Temer diz que 'jamais solicitou pagamentos para obter silêncio de Cunha'

Outro lado

Em nota, a assessoria de Aécio Neves disse que o senador "está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos. No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público. O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários".

O senador Zezé Perrella publicou uma mensagem em seu Twitter por volta das 22h50 de hoje em que diz que nunca conversou com Wesley Batista, não conhece ninguém do grupo Friboi (uma das marcas da JBS) e que nunca recebeu, “oficial ou extraoficial”, nenhuma doação da empresa. “Estou absolutamente tranquilo”, disse o senador, que acrescentou que espera que todos os citados na matéria de O Globo tenham a oportunidade de esclarecer sua participação. “O sigilo das minhas empresas citadas, dos meus filhos estão absolutamente à disposição da Justiça, onde ficará comprovado que eu não tenho nada a ver com essa história”, disse Perrella.

A assessoria do deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) informou que o deputado está em Nova York, onde proferiu palestra sobre a política brasileira a um grupo de investidores internacionais. Rocha Loures tem retorno programado para amanhã. Em seu retorno, o deputado deverá se inteirar e esclarecer os fatos divulgados. De acordo com o jornal O Globo, o deputado foi indicado por Temer como interlocutor para solucionar um problema da JBS. Posteriormente, Rocha Loures teria sido filmado recebendo R$ 500 mil.

 

Envie seu comentário

Comentários (0)

STF determina o afastamento de Aécio Neves e Rocha Loures

A irmão e um primo de Aécio Neves foram presos na manhã desta quarta-feira

Senador Aécio Neves durante discurso na tribuna do Senado em abril de 2017 (Foto: Lula Marques /Arquivo/AGPT)

*Com informações do R7

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou na manhã desta quinta-feira (18) o afastamento dos políticos Aécio Neves (PSDB-MG) do mandato de senador e Rocha Loures (PMDB-PR) do mandato de deputado federal. Ambos foram citados e gravados na delação da JBS.

Dono do maior grupo de produção de proteína animal do mundo, Joesley gravou o presidente Michel Temer dando aval para a compra do silêncio de Eduardo Cunha. Ele disse à Procuradoria-Geral da República (PGR) que fazia pagamentos para evitar que o ex-deputado falasse o que sabe a investigadores.

Andréa Neves, irmã de Aécio, e Frederico Pacheco de Medeiros, primo do político foram presos por agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, na manhã de hoje. O pedido de prisão de Aécio Neves requisitado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal foi recusado pelo relator da Lava Jato, ministro Edson Fachin.

Outro lado

Em nota, a assessoria de Aécio Neves disse que o senador "está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos. No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público. O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários".

A assessoria do deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) informou que o deputado está em Nova York, onde proferiu palestra sobre a política brasileira a um grupo de investidores internacionais. Rocha Loures tem retorno programado para amanhã. Em seu retorno, o deputado deverá se inteirar e esclarecer os fatos divulgados. De acordo com o jornal O Globo, o deputado foi indicado por Temer como interlocutor para solucionar um problema da JBS. Posteriormente, Rocha Loures teria sido filmado recebendo R$ 500 mil.

Leia também

Escândalo JBS: deputados da oposição fazem protestos contra Temer

Temer diz que 'jamais solicitou pagamentos para obter silêncio de Cunha'

Envie seu comentário

Comentários (0)

Agentes da PF fazem buscas no Congresso e em imóveis de Aécio Neves

Gravação feita pelo empresário Joesley Batista mostra Aécio pedindo R$ 2 milhões dinheiro. O valor teria sido entregue a um primo do senador, que teria levado as notas para o senador Zezé Perrella (PMDB-MG)

Apartamento do senador Aécio Neves é alvo de busca e apreensão durante operação da força-tarefa da Lava Jato, em Ipanema, no Rio de Janeiro (RJ), na manhã desta quinta-feira (18). (Foto: Alessandro Buzas/ Futura Press/Futura Press/ Estadão Conteúdo)

Agentes da Polícia Federal estão em imóveis do senador e presidente do PSDB, Aécio Neves (MG), no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, na manhã desta quinta-feira (18). O presidente do PSDB foi acusado pelo empresário Joesley Batista de lhe pedir dinheiro em meio às investigações da Operação Lava Jato. O valor de R$ 2 milhões foi rastreado e chegou ao senador Zezé Perrella (PMDB-MG).

Andreia Neves, irmã de Aécio, e Altair Alves, ligado ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) também são alvo da operação.

A Coluna do Estadão, do jornal O Estado de S. Paulo, apurou que a Polícia Federal cumpre mandado de busca e apreensão nos gabinetes de Aécio e Zezé Perrella no Senado. O presidente do PSDB foi acusado pelo empresário Joesley Batista de lhe pedir dinheiro em meio às investigações da Operação Lava Jato.

Dono do maior grupo de produção de proteína animal do mundo, Joesley gravou o presidente Michel Temer dando aval para a compra do silêncio de Eduardo Cunha. Ele disse à Procuradoria-Geral da República (PGR) que fazia pagamentos para evitar que o ex-deputado falasse o que sabe a investigadores.

A revelação foi feita pelo colunista Lauro Jardim, do jornal "O Globo". O empresário também teria gravado Aécio lhe pedindo R$ 2 milhões. O valor teria sido entregue a um primo do senador, em espécie, que teria levado as notas para uma empresa de Perrella.

A ação foi autorizada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo tribunal Federal). Os policiais estão no apartamento de Aécio na Avenida Vieira Souto, em Ipanema, no Rio. As buscas também acontecem na residência da irmã do senador, Andrea Neves.

Outro lado

Em nota, a assessoria de Aécio Neves disse que o senador "está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos. No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público. O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários".

A assessoria do deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) informou que o deputado está em Nova York, onde proferiu palestra sobre a política brasileira a um grupo de investidores internacionais. Rocha Loures tem retorno programado para amanhã. Em seu retorno, o deputado deverá se inteirar e esclarecer os fatos divulgados. De acordo com o jornal O Globo, o deputado foi indicado por Temer como interlocutor para solucionar um problema da JBS. Posteriormente, Rocha Loures teria sido filmado recebendo R$ 500 mil.

Leia também

Escândalo JBS: deputados da oposição fazem protestos contra Temer

Temer diz que 'jamais solicitou pagamentos para obter silêncio de Cunha'

Envie seu comentário

Comentários (0)