Curitiba

Fachin decide retirar sigilo de delação premiada da JBS

Existe a expectativa de parte do conteúdo da delação ser divulgada ainda nesta quinta-feira (18)

O ministro Edson Fachin durante sessão do STF na semana passada (Foto: Dida Sampaio, Estadão Conteúdo)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, decidiu levantar o sigilo da delação premiada da JBS. Os despachos do ministro já foram encaminhados à Secretaria Judiciária do STF.

Existe a expectativa de parte do conteúdo da delação ser divulgada ainda nesta quinta-feira, 18. Até a publicação deste texto, a reportagem não obteve informações se todo o sigilo da delação foi retirado ou se apenas uma parte dela será tornada pública.

Em sinal de deferência aos colegas da Corte, Fachin encaminhou aos demais ministros do STF suas decisões tomadas no âmbito da delação da JBS. A postura foi vista no tribunal como um gesto de "cortesia".

"A publicidade, de regra, é a tônica da administração pública, é o que viabiliza o acompanhamento por vocês da imprensa e o acompanhamento dos cidadãos em geral", disse o ministro Marco Aurélio Mello a jornalistas depois da sessão plenária desta tarde.

Leia também
Aécio diz que irá se licenciar da presidência do PSDB
Temer não renuncia e chama gravações da PF de clandestinas
Menção a Temer é destaque mundial no Twitter

Envie seu comentário

Comentários (0)

Menção a Michel Temer é destaque mundial no Twitter

O nome do presidente é um dos assuntos mais comentados na rede social, com quase 200 mil menções de internautas

O presidente está entre os trending topics no Twitter (Foto: Dida Sampaio, Estadão Conteúdo)

O nome do presidente Michel Temer é um dos assuntos mais comentados no Twitter mundial na tarde desta quinta-feira, 18, com 176 mil menções de internautas.

Com isso, a menção ao presidente da República estava em quarto lugar entre os assuntos mais comentados na rede social na tarde desta quinta, junto com a hashtag "BrasiliaofCards", um trocadilho com a série "House of Cards", focada no universo político americano.

Dentro dos assuntos mais comentados pelos internautas no Brasil, a frase "Temer vai renunciar" ainda ganha destaque, em parte vinda de mensagens escritas antes do pronunciamento do presidente no Palácio do Planalto.

PMDB usa hashtag em defesa do presidente

Após as denúncias de que o presidente Michel Temer teria agido para comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha ambos filiados ao PMDB, o partido lançou uma série de vídeos em suas redes sociais com a hashtag #OBrasilnaopodeparar, em apoio ao governo Temer.

A hashtag acompanha vídeos de personalidades como o senador e presidente nacional do PMDB, Romero Jucá, e o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco. Eles defendem que o Brasil prossiga com as reformas propostas pelo governo federal e que as denúncias sejam esclarecidas.

A menção foi utilizada em outras ocasiões por partidos como o PT como durante a campanha presidencial de Dilma Rousseff em 2010.

Leia também
Michel Temer não renuncia e chama gravações da PF de clandestinas
STF abre inquérito contra presidente Michel Temer

Protestos contra Temer são convocados para esta quinta-feira

Envie seu comentário

Comentários (0)

Michel Temer não renuncia e chama gravações da PF de 'clandestinas'

Presidente citou bons números da economia e disse governo vive seu 'melhor e pior momento'

A renúncia do presidente Michel Temer era especulada antes do pronunciamento (Foto: Reprodução/Record TV)

Em pronunciamento em rede de rádio e TV na tarde desta quinta-feira (18), o presidente Michel Temer (PMDB) voltou a negar que tenha dado aval para dono da JBS pagar pelo silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha, preso pela Operação Lava Jato em Curitiba. "Não renunciarei", disse ao final do discurso.

Visivelmente irritado, o presidente se referiu às gravações da Polícia Federal, citadas pelo jornalista Lauro Jardim, do Jornal O Globo, como "clandestinas".

Temer afirmou que não precisa de foro especial e que não tem nada a esconder. "Sempre honrei meu nome." O presidente negou ainda que tenha autorizado que o empresário da JBS, Joesley Batista, a comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. "Nunca autorizei que utilizassem meu nome indevidamente. Quero registrar enfaticamente que a investigação pedida pelo STF será peremptória onde surgirão todas explicações. Mostrarei que não tenho nenhum envolvimento com estes fatos", completou.

O presidente justificou a demora em se pronunciar. Disse que estava esperando os áudios do empresário que "até o momento não conseguiu". "Ressalto que só falo agora dos fatos de ontem porque tentei conhecer primeiramente o conteúdo de gravações que me citam. Solicitei oficialmente ao Supremo Tribunal Federal acesso a estes documentos. Até o presente momento, não consegui" disse.

Temer não citou o nome de Joesley nem de Cunha e justificou que ouviu de "um empresário" um relato de auxílio à família do parlamentar. "Não solicitei que isso acontecesse e somente tive conhecimento deste fato nesta conversa pedida pelo empresário", afirmou. "Em nenhum momento, autorizei que pagasse a quem quer que seja para ficar calado. Não comprei o silêncio de ninguém. Por uma razão singelíssima, exata e precisamente por que não temo nenhuma delação", afirmou.

O presidente disse ainda que exige investigação "plena e muito rápida para esclarecimentos ao povo brasileiro". "Não podem tardar as investigações". "Esta situação não pode persistir por muito tempo. Não podem tardar as investigações. Tanto esforço e dificuldades superadas. Meu único compromisso é com o Brasil. Só este compromisso que me guiará", finalizou.

Saiba mais:

Temer diz que 'jamais solicitou pagamentos para obter silêncio de Cunha'

STF abre inquérito contra presidente Michel Temer

Menção a Michel Temer é destaque mundial no Twitter

 

 

Envie seu comentário

Comentários (0)