Curitiba

Calendário da reforma trabalhista é suspenso no Senado

Relator da reforma defende que é necessário priorizar uma solução para a crise, para só depois debater temas como a reforma trabalhista

Prioridade é a crise no Governo Federal, diz relator da reforma (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O relator da reforma trabalhista em duas comissões do Senado, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), não irá mais entregar parecer do projeto conforme calendário previsto. O senador argumenta que a crise institucional é tão grave, que a reforma se tornou "secundária".

"Na condição de relator do projeto, anuncio que o calendário de discussões anunciado está suspenso. Não há como desconhecer um tema complexo como o trazido pela crise institucional. Todo o resto agora é secundário", afirmou.

O senador divulgou nota, por meio de assessoria, em que defende que é necessário priorizar uma solução para a crise, para só depois debater temas como a reforma trabalhista.

Além das denúncias de compra de silêncio por parte do presidente Michel Temer, o PSDB também enfrenta a divulgação de pedido de propina do presidente do partido, senador Aécio Neves (PSDB-MG).

A bancada se reuniu nesta quinta-feira (18) para tomar decisões sobre o posicionamento junto ao governo e a possibilidade de afastamento de Aécio da presidência do PSDB.

Leia também: Agentes da PF fazem buscas no Congresso e em imóveis de Aécio Neves

Ainda na quarta, Ferraço havia informado que entregaria o relatório na próxima terça-feira, 23, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e que a votação aconteceria até 30 de maio. No dia seguinte, ele apresentaria o relatório na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), com previsão de votação em 7 de junho. A votação em plenário aconteceria entre 12 e 15 de junho.

A partir de agora, todo esse calendário está suspenso e as novas datas ainda não foram previstas.

Envie seu comentário

Comentários (0)

Protestos contra Temer são convocados para esta quinta-feira

Os atos foram agendados nas redes sociais e têm como bandeira a saída de Temer e a criação de eleições diretas para presidente

Manifestantes fecharam a avenida Paulista, em São Paulo, na noite dessa quinta-feira (17), pedindo eleições diretas depois das divulgações de corrupção envolvendo o presidente Michel Temer. (Foto: Paulo Pinto/AGPT)

Pelo menos duas manifestações contra o presidente Michel Temer (PMDB) estão agendadas para acontecer nesta quarta-feira (17) em Curitiba. Os atos foram convocados poucas horas após vir a público a existência da gravação, feita por um dos donos da JBS, de uma conversa em que Temer teria autorizado a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB). 

Uma dos protestos está marcado para às 18h30, na Praça do Homem Nu e da Mulher Nua, no Centro Cívico. Outra manifestação foi marcada para a mesma data e horário, mas com concentração na Praça Santos Andrade, em Curitiba. Os manifestantes pedem a saída de Temer e a criação de eleições diretas para presidente. 

A Presidência da República divulgou nota, na noite desta quarta-feira (17), na qual informa que o presidente Michel Temer "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha", que está preso no Complexo Médico Penal de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, na Operação Lava Jato. "O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar. Veja a íntegra da nota aqui.

Leia também

Escândalo JBS: deputados da oposição fazem protestos contra Temer

STF determina o afastamento de Aécio Neves e Rocha Loures

Envie seu comentário

Comentários (0)

Vice-prefeito de Jataizinho morre em grave acidente

Fábio de Morais Polônia estava voltando de Assaí quando capotou o carro, as causas do acidente ainda são desconhecidas

"Fabinho" foi encaminhado ao hospital, mas os funcionários confirmaram que ele chegou ao local sem vida (Foto: Reprodução/Facebook)

"Fabinho" foi encaminhado ao hospital, mas os funcionários confirmaram que ele chegou ao local sem vida (Foto: Reprodução/Facebook)

"Fabinho" foi encaminhado ao hospital, mas os funcionários confirmaram que ele chegou ao local sem vida (Foto: Reprodução/Facebook)
Ele já tinha sido vereador de Jataizinho e assumiu em janeiro deste ano como vice-prefeito (Foto: Reprodução/Facebook)

Fábio de Morais Polônia, 33 anos, vice-prefeito de Jataizinho, no norte do Paraná, morreu na noite desta quarta-feira (17). O carro em que ele estava capotou na rodovia PR-090.

As primeiras informações dão conta que ele estaria voltando da cidade de Assaí, e a causa do acidente ainda é desconhecida. O ocupante do carro, conhecido como “Rivaldo do espetinho”, foi encaminhado ao Hospital Cristo Rei de Ibiporã com ferimentos graves.

“Fabinho” foi encaminhado ao hospital, mas os funcionários confirmaram que ele chegou ao local sem vida. Ele já tinha sido vereador de Jataizinho e assumiu em janeiro deste ano como vice-prefeito.

Veja mais:

Acidente na PR-340 mata adolescente de 17 anos

Cinco pessoas e um bebê ficam feridos em forte batida em Cambé

 

 

 

Envie seu comentário

Comentários (0)