Curitiba

Brasileiros devem exigir 'renúncia imediata de Temer', diz Joaquim Barbosa

O ex-ministro do Supremo chama de "estarrecedoras" as delações do empresário Joesley Batista, da JBS, envolvendo o presidente Michel Temer

O ex-ministro do STF Joaquim Barbosa utilizou sua conta no Twitter para se manifestar sobre as denúncias contra o presidente Michel Temer (Foto: Arquivo/ Nelson Jr./ SCO/ STF)

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa disse nesta sexta-feira (19) que os brasileiros devem se mobilizar para pedir a renúncia imediata do presidente Michel Temer.

"Não há outra saída: os brasileiros devem se mobilizar, ir para as ruas e reivindicar com força: a renúncia imediata de Michel Temer", escreveu Barbosa em seu Twitter.

"Isoladamente, a notícia extraída de um inquérito criminal e veiculada há poucas semanas, de que o sr. Michel Temer usou o Palácio do Jaburu para pedir propina a um empresário seria um motivo forte o bastante para se desencadear um clamor pela sua renúncia", continuou.

O ex-ministro do Supremo chama de "estarrecedoras" as delações do empresário Joesley Batista, da JBS, envolvendo o presidente. "São fatos gravíssimos", avaliou Barbosa.

Saiba mais:

STF abre inquérito contra presidente Michel Temer

Pronunciamento: Temer não renuncia e chama gravações da PF de 'clandestinas'

Envie seu comentário

Comentários (0)

Rocha Loures é vaiado por manifestantes ao desembarcar no Brasil

O paranaense foi afastado do cargo de deputado federal na quinta-feira (19) após uma gravação mostrá-lo recebendo uma mala com R$ 500 mil

Rocha Loures estava em Nova York para encontro com investidores e desembaracou no aeroporto de Guarulhos na manhã desta sexta-feira (Foto: Reprodução/RICTV)

O deputado afastado Rodrigo da Rocha Loures (PMDB-PR), citado na delação do empresário Joesley Batista por supostamente ter atuado no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em troca de propina, retornou ao Brasil na manhã desta sexta-feira (19) e foi recebido por vaias.

O voo dele pousou no Aeroporto de Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, no começo da manhã. Ele estava em Nova York para encontro com investidores.

O parlamentar foi vaiado e alguns manifestantes pediram a prisão dele, conforme imagens exibidas pela RICTV. Cercado por repórteres, Loures não comentou as denúncias sobre propina e entrou em um táxi sem informar seu destino. Assista:

Rocha Loures foi afastado do cargo pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na manhã dessa quinta-feira (18), depois das revelações de que ele teria sido filmado pela Polícia Federal recebendo cerca de R$ 500 mil em propina do Grupo JBS. Também na manhã de ontem, dois endereços ligados a ele foram alvos de mandados de busca e apreensão em Curitiba, um imóvel no bairro Vista Alegre e outro no Alto da Glória. Além disso, o gabinete do parlamentar, em Brasília, também recebeu a visita de agentes da Polícia Federal

Homem de confiança do presidente Michel Temer, o paranaense era suplente e assumiu a vaga de deputado federal em março deste ano, quando Osmar Serraglio (PMDB-PR) virou ministro da Justiça de Temer.

O deputado federal afastado se filiou ao PMDB em 2005. No ano seguinte, se elegeu deputado federal. A aproximação com Temer, de quem foi assessor especial, aconteceu a partir de 2011.

Saiba mais:

STF abre inquérito contra presidente Michel Temer

Menção a Michel Temer é destaque mundial no Twitter

Pronunciamento: Temer não renuncia e chama gravações da PF de 'clandestinas' 

Envie seu comentário

Comentários (0)

Joesley Batista pede desculpas em carta aberta

Ele diz que não se orgulha do que fez no Brasil, mas garante que expandiu suas atividades para outros países 'sem transgredir valores éticos'

O empresário Joesley Batista (Foto Jonne Roriz, Estadão Conteúdo)

O empresário Joesley Batista enviou nesta quinta-feira, 18, à imprensa uma carta aberta admitindo que errou e pedindo desculpas. Na carta, ele diz que não se orgulha do que fez no Brasil, mas garante que expandiu suas atividades para outros países sem transgredir valores éticos. O empresário diz que assume a partir de hoje um compromisso público de a companhia ser intolerante com a corrupção e de que o grupo vai se submeter a um dos "mais incisivos mecanismos de investigação existentes".

Leia a íntegra:

"Erramos e pedimos desculpas

Não honramos nossos valores quando tivemos que interagir, em diversos momentos, com o Poder Público brasileiro. E não nos orgulhamos disso.

Nosso espírito empreendedor e a imensa vontade de realizar, quando deparados com um sistema brasileiro que muitas vezes cria dificuldades para vender facilidades, nos levaram a optar por pagamentos indevidos a agentes públicos.

Ainda que nós possamos ter explicações para o que fizemos, não temos justificativas.

Em outros países fora do Brasil, fomos capazes de expandir nossos negócios sem transgredir valores éticos.

Assim construímos um grupo empresarial gerador de mais de 270 mil empregos diretos, com times extraordinários e competentes, que operam 300 fábricas em cinco continentes e oferecem mundialmente produtos de qualidade.

O Brasil mudou, e nós mudamos com ele. Por isso estamos indo além do pedido de desculpas. Assumimos aqui um Compromisso Público de sermos intolerantes e intransigentes com a corrupção.

Assinamos acordos com o Ministério Público. Concordamos em participar de alguns dos mais incisivos mecanismos de investigação existentes e nos colocamos à disposição da Justiça para expor, com clareza, a corrupção das estruturas do Estado brasileiro.

Pedimos desculpas a todos os brasileiros e a todos que decepcionamos, que acreditam e torcem por nós.

Enfrentaremos esse difícil momento com humildade e o superaremos acordando cedo e trabalhando muito.

Joesley Batista, J&F Investimentos"

Envie seu comentário

Comentários (0)