Curitiba

Curitiba recebe o primeiro Festival de Ventríloquos do Brasil

hogo-moraes.jpg

Falando por Dois é um festival que reúne grandes nomes da ventriloquia brasileira. Os artistas se apresentam com seus bonecos no final de semana dos dias 08 e 09 de março no palco do teatro Regina Vogue, na capital.

O evento é organizado pelo ilusionista e ventríloquo Hugo Moraes, que aproxima as duas atividades. “A ventriloquia é irmã do ilusionismo, pois o ventríloquo faz uma ilusão que o som sai de outro lugar”, diz.

A ideia do festival surgiu após a constatação de que os ventríloquos estavam se tornando cada vez mais raros. “Mestres como os professores Sander e Bordenovski (ambos falecidos) não estão sendo substituídos na continuação da ventriloquia”, conta.

Cerca de 20 ventríloquos de todo o país já confirmaram presença no evento do final de semana. Nomes como Warley Santana e Yakko Sideratos são atrações confirmadas no festival.

Além das apresentações, a programação prevê palestras sobre técnicas de manipulação dos bonecos.

Para realizar inscrições e adquirir ingressos, os interessados devem acessar o link a seguir: Festival Falando Por Dois.

Envie seu comentário

Comentários (0)

Mostra Baiana promove oficinas gratuitas no Fringe 2013

teatro4.jpg

Sete espetáculos, duas oficinas e um bate-papo compõem a Mostra Baiana, que acontece no Fringe do Festival de Curitiba 2013. Com entrada franca, os cursos serão ministrados pelas companhias A RODA e Território Sirius Teatro, e o encontro para conversar sobre teatro estará aos cuidados do Grupo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas. As atividades acontecem no dia 2 de abril e as inscrições para as oficinas, que têm vagas limitadas, já podem ser feitas através do email oficinas@festivaldecuritiba.com.br. Já o bate-papo tem entrada livre e não exige inscrição prévia.

A iniciativa integra o Programa de Difusão do Teatro da Bahia e é realizada pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), entidade vinculada à Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia (SecultBA), com o objetivo de promover a recente produção teatral baiana, estimular o seu intercâmbio e apresentar um panorama deste cenário com encenações de qualidade técnica e artística.

O bate-papo “Nata Eniá Egbé – A Ancestralidade na Cena”, que significa “o povo, a comunidade” em Yorubá, será com a diretora Fernanda Júlia, o diretor de arte Tiago Romero e o ator Marcelo Oliveira, que conversam sobre o Candomblé, herança cultural afrobrasileira, e questões de ritualidade, racismo e intolerância religiosa. A busca é de refletir sobre a identidade cultural brasileira e suas contribuições na cena e na construção de um discurso artístico e político que valorize e preserve a cultura negra. “É importante compreender a necessidade do fortalecimento e da geração de referenciais identitários negros na busca de uma verdadeira democratização social, cultural, econômica e política da nação brasileira”, pontua Fernanda, que apresenta no Fringe, com o Grupo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas, a montagem “Siré Obá – A Festa do Rei”.

Na oficina “Introdução ao Teatro de Sombras”, a companhia A RODA propõe uma aproximação a este gênero teatral milenar. Os participantes terão a chance de experimentar os diferentes focos luminosos, anteparos e silhuetas cortadas em couro e articuladas do acervo da companhia. Na Mostra Baiana, o grupo apresenta o espetáculo infanto-juvenil “O Pássaro do Sol”.

Fábio Vidal, diretor e intérprete de “Seu Bomfim”, é quem ministra a oficina “Teatro Físico – Corpo como Meio Expressivo”. “O tema é que me encontrou”, diz o diretor. “O que vou mostrar na oficina é resultado do meu processo de preparação-treinamento como ator-performer, técnicas que uso também na construção dos espetáculos do grupo”, completa Vidal. Serão abordados temas como o centro do corpo, impulso e equilíbrio, isolamentos físicos e metonímias, respiração, alongamento, improvisação, hipertensão e relaxamento.

Com curadoria do ator global Wagner Moura e Vadinha Moura, os sete espetáculos que ocuparão o palco do Teatro José Maria Santos, de 27 de março a 7 de abril, são: “Áfricas” (Bando de Teatro Olodum, direção de Chica Carelli), “Luz Negra” (direção de Rino Carvalho), “Pólvora e Poesia” (direção de Fernando Guerreiro), “Sargento Getúlio” (Teatro NU, direção de Gil Vicente Tavares), além dos já citados “O Pássaro do Sol” (Grupo A RODA, direção de Olga Gómez), “Seu Bomfim” (Grupo O Território Sirius Teatro, direção de Fábio Vidal e Meran Vargens) e “Siré Obá – A Festa do Rei” (Grupo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas, direção de Fernanda Júlia).

Serviço das oficinas:
Introdução ao Teatro de Sombras, com Grupo A RODA
Data e Hora: 02/04 – 09h às 13h
Ministrante: Olga Gómez (diretora)
Valor: Gratuito
Vagas: 20
Local: SESC Paço da Liberdade (Praça Generoso Marques, 189 – (41) 3234-4200)
Inscrições: oficinas@festivaldecuritiba.com.br

Teatro Físico – Corpo como Meio Expressivo
Data e Hora: 02/04 – 14h às 18h
Ministrante: Fábio Vidal (diretor e intérprete de “Seu Bomfim”)
Valor: Gratuito
Vagas: 20
Local: SESC Paço da Liberdade (Praça Generoso Marques, 189 – (41) 3234-4200)
Inscrições: oficinas@festivaldecuritiba.com.br

Bate-papo Nata Eniá Egbé – A Ancestralidade na Cena
Data e Hora: 02/04 – 14h às 18h
Participantes: Fernanda Júlia (diretora), Tiago Romero (diretor de arte) e Marcelo Oliveira (ator)
Valor: Gratuito
Vagas: Lotação do espaço. Não é necessário inscrição prévia.
Local: SESC Paço da Liberdade (Praça Generoso Marques, 189 – (41) 3234-4200)

Envie seu comentário

Comentários (0)

Roda de Choro volta a animar as quintas-feiras no Conservatório de MPB

choro.jpg

Depois de uma pausa nos meses de janeiro e fevereiro, a Roda de Choro volta a animar as tardes de quinta-feira no Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba. A série de encontros começa nesta quinta (7), às 17 horas, sob o comando dos músicos Lucas Melo (violão de sete cordas) e Julião Boêmio (cavaquinho), com entrada franca.

O repertório da Roda de Choro inclui clássicos assinados por nomes como Pixinguinha, Jacob do Bandolim e Ernesto Nazareth, ao lado de composições de outros chorões da cidade, entre eles Walter Scheibel, Sérgio Albach, Cláudio Menandro e do próprio Julião Boêmio. O encontro também abre espaço para alunos e músicos que queiram dar uma canja.

Serviço:

Roda de Choro com Lucas Melo e Julião Boêmio.
Data e horário: Toda quinta-feira, sempre às 17 horas
Local: Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba (Rua Mateus Leme, 66 – Setor Histórico).
Entrada franca

Envie seu comentário

Comentários (0)