Curitiba

Atlético estreia no Brasileirão perdendo de goleada para o Bahia

O Furacão teve um verdadeiro apagão e sofreu cinco gols já no primeiro tempo

Bahia marcou quatro gols em sete minutos (Foto: Romildo De Jesus/Futura Press/Futura Press/Estadão Conteúdo)

O Atlético Paranaense estreou no Campeonato Brasileiro 2017 neste domingo (14) perdendo de goleada para o Bahia. O jogo, na Arena Fonte Nova, em Salvador, terminou com o placar de 6 a 2 para o time baiano.

O time rubro-negro abriu o placar da partida aos 14 minutos com gol de Guilherme, mas o Bahia empatou aos 33 com Tiago. Quatro minutos depois, o Atlético conseguiu passar o time da casa com Marcão, mas o Bahia empatou novamente o jogo e virou o placar ainda no primeiro tempo, com quatro gols em apenas sete minutos. Zé Rafael marcou aos 39 minutos, Régis aos 41, Edigar Junio aos 43 e Regis novamente aos 46. No segundo tempo, Edson fechou o placar para o Bahia com o sexto gol do time, aos 26 minutos.

O jogo

O time visitante entrou em campo com uma série de desfalques, entre eles o zagueiro Thiago Heleno, o volante Deivid, o meia Carlos Alberto, o meia-atacante Felipe Gedoz e o atacante Pablo, todos machucados. O Bahia não contava com Hernane e Wellington Silva, também lesionados.

E foi o Atlético Paranaense que saiu na frente do marcador com o meia Guilherme, ex-Corinthians. Aos 14 minutos, ele recebeu na área, dominou e bateu colocado de perna direita. O Bahia respondeu com gol de Tiago, aos 33. Após cobrança de escanteio, ele subiu mais do que os zagueiros adversários e desviou para as redes.

Os visitantes voltaram a ficar na frente com Marcão, quatro minutos depois. Guilherme cobrou falta na segunda trave e Marcão precisou chutar duas vezes para superar o goleiro Jean. O Bahia então foi ao ataque e massacrou o adversário em sete minutos.

Zé Rafael deixou tudo igual, aos 39 minutos. Régis fez o da virada, dois minutos mais tarde. Ainda atordoado, o Atlético Paranaense viu o time tricolor marcar o quarto, aos 43. E não parou por aí. Aos 46, Régis fez o segundo dele na partida: 5 a 2.

A partida esfriou no segundo tempo. Mas o Bahia embalado ainda sacramentou a vitória com o sexto gol aos 26 minutos. Após cruzamento rasteiro, a defesa do Atlético Paranaense falhou e Edson decretou a inesperada goleada na estreia. O time de Curitiba ainda ficou com um a menos após a expulsão de Marcão aos 28.

O Atlético Paranaense agora volta as suas atenções para a Copa Libertadores. Nesta quarta-feira visitará a Universidad Católica no Chile, pela última rodada da fase de grupos. O time rubro-negro está na terceira colocação do Grupo 4, com os mesmos sete pontos do San Lorenzo, o vice-líder. No mesmo dia, o time argentino enfrentará o Flamengo, que está na ponta com nove.

O Bahia também vai a campo nesta quarta-feira, quando visitará o Sport, no estádio da Ilha do Retiro, no Recife, no primeiro duelo da decisão da Copa do Nordeste. A volta está marcada para o próximo dia 24, na Arena Fonte Nova.

FICHA TÉCNICA

BAHIA 6 x 2 ATLÉTICO-PR

BAHIA - Jean; Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca e Matheus Reis; Edson, Juninho, Régis (Diego Rosa), Allione e Zé Rafael (Gustavo); Edigar Junio (Maikon Leite). Técnico: Guto Ferreira.

ATLÉTICO-PR - Weverton; Zé Ivaldo, Cleberson e Marcão; Jonathan (João Pedro); Eduardo Henrique, Bruno Mota (Matheus Rossetto) e Sidcley; Guilherme, Eduardo da Silva e Douglas Coutinho (Nikão). Técnico: Paulo Autuori.

GOLS - Guilherme, aos 14, Tiago, aos 33, Marcão, aos 37, Zé Rafael, aos 39, Régis, aos 41 e aos 46, e Edigar Junio, aos 43 minutos do primeiro tempo; Edson, aos 26 minutos do segundo tempo.

CARTÃO AMARELO - Não houve.

CARTÃO VERMELHO - Marcão (Atlético-PR).

ÁRBITRO - Flávio Rodrigues de Souza (SP).

RENDA - R$ 134.152,50.

PÚBLICO - 8.127 pagantes (8.314 no total).

LOCAL - Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

Saiba mais: STJD pune federação, árbitro e clubes pelo Atletiba que foi suspenso

Envie seu comentário

Comentários (0)

STJD pune federação, árbitro e clubes pelo Atletiba que foi suspenso

Clubes foram multados em R$ 10 mil cada, e federação em R$ 20 mil; árbitro Paulo Roberto foi suspenso por 30 dias

Atlético e Coritiba serão multados em R$ 10 mil pelo STJD (Foto: Guilherme Artigas, Fotoarena, Estadão Conteúdo)

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) definiu nesta quinta-feira as sanções pelos incidentes ocorridos no clássico Atlético-PR x Coritiba que seria disputado no dia 19 de fevereiro, mas acabou suspenso. O órgão considerou que todos os envolvidos foram responsáveis pela não realização do confronto naquele momento e, por isso, puniu os clubes, a Federação Paranaense de Futebol (FPF) e o árbitro Paulo Roberto Alves Júnior.

Em primeira instância, o Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD/PR) decidiu punir apenas a FPF. Após um recurso, o Pleno do órgão optou por absolver os envolvidos. O caso, então, chegou ao STJD, que reinstaurou a multa de R$ 20 mil à federação mas multou também os clubes, em R$ 10 mil cada, e suspendeu Paulo Roberto por 30 dias.

No dia 19 de fevereiro, o Atlético-PR receberia o Coritiba na Arena da Baixada pela primeira fase do Campeonato Paranaense. Sem acordo com a TV Globo, os clubes inovaram e acertaram com o YouTube a transmissão do clássico, que não foi disputado naquele dia, por ordem da FPF.

A justificativa era de que havia profissionais não cadastrados no gramado, que trabalhariam na transmissão do jogo pelo site. A federação, então, ordenou que o árbitro não iniciasse o confronto enquanto a questão não fosse resolvida. Por outro lado os clubes mantiveram o acordo com o YouTube e se negaram a disputar o jogo sem a transmissão.

O duelo, então, só foi disputado no dia 1.º de março, com vitória do Atlético-PR por 2 a 0 sobre o Coritiba. E os clubes venceram a queda de braço, uma vez que a partida, assim como os duelos da finais, justamente entre eles, foram todos transmitidos apenas pelo YouTube.

Leia também 
Após título, Coritiba confirma Pachequinho como técnico no Brasileirão

Envie seu comentário

Comentários (0)

Após título, Coritiba confirma Pachequinho como técnico no Brasileirão

Desde a demissão de Carpegiani, após a eliminação na Copa do Brasil, Pachequinho trabalhava como interino

Técnico Pachequinho, que ficou 13 jogos como interino, foi efetivado (Foto: Assessoria de Imprensa, Coritiba)

Pachequinho será o treinador do Coritiba no Campeonato Brasileiro. Nesta quinta-feira, após reunião realizada entre a diretoria do clube e o técnico, o presidente Rogério Portugal Bacellar anunciou a efetivação do até então treinador, que conduziu o time ao título do Campeonato Paranaense, assegurado no último fim de semana.

No fim de fevereiro, a diretoria do Coritiba demitiu Paulo César Carpegiani após o time ser eliminado na Copa do Brasil. Enquanto não contratava um substituto, a direção vinha apostando em Pachequinho, que dirigiu a equipe em 13 jogos, com oito vitórias, dois empates e três derrotas.

Agora, logo depois da conquista do título paranaense, ele foi efetivado. E de acordo com o presidente do Coritiba, isso já havia sido definido há algum tempo, restando apenas a adoção de uma resolução financeira, sobre o salário de Pachequinho, agora resolvido.

"A conversa já estava sendo feita faz tempo e nós já estávamos pessoalmente acertados e faltava definir o aspecto financeiro. Hoje nós chegamos num acordo e num denominador comum. Pacheco foi uma aposta que o Coritiba fez que deu certo e vem dando certo. O Pachequinho é o treinador do Coritiba e dará uma sequência de muitas vitórias e conquistas que é o que precisamos se Deus quiser”, destacou o presidente Rogério Portugal Bacellar.

Pachequinho destacou que o foco nas últimas semanas estava na conquista do título estadual, por isso, não houve conversas detalhadas com a diretoria sobre a sua efetivação. Agora, com a meta alcançada, foi possível conversar com os dirigentes para acertar um novo contrato.

“As conversas sempre foram tranquilas e o presidente e o Alex Brasil me deixaram claro que eu seria o técnico do Coritiba, o que faltavam eras as questões financeiras. Anteriormente, nós conversamos que era preciso dar foco no Paranaense. Agora fomos rápidos e objetivos para resolvermos os detalhes. Antes eu não queria que essas questões atrapalhassem no dia a dia e queria focar no título. Minha missão era levar a equipe ao título”, afirmou Pachequinho, que como jogador é o maior artilheiro da história do Couto Pereira.

Será exatamente no estádio onde o agora treinador fez história que o Coritiba vai estrear no Campeonato Brasileiro, na próxima segunda-feira, quando vai receber o Atlético Goianiense.

Reforço

Outra novidade do clube é a vinda do atacante Alecsandro, que deixa o Palmeiras em negociação que vai abater uma parte do valor pendente pela vinda do meia Raphael Veiga ao clube paulista. O jogador de 21 anos deixou a equipe paranaense no começo do ano em negociação de R$ 4,5 milhões, montante que será quitado em parte com a operação alinhada pela transferência efetivada nesta semana.

Como as duas diretorias têm boa relação, definiram que Alecsandro assinará contrato com o Coritibaaté o fim de 2018. Na primeira parte do vínculo, entre maio e dezembro deste ano, o atacante fica no clube paranaense por empréstimo, com o salário pago pelo Palmeiras. Ao fim desse período, o jogador de 36 anos vai assinar novo contrato com o time, desta vez efetivado como atleta da equipe curitibana.

Alecsandro chegou ao Palmeiras em 2015, após deixar o Flamengo, e disputou 62 jogos, com 14 gols marcados. Por ter feito apenas sete partidas oficiais neste ano, todas pelo Campeonato Paulista ele preferiu procurar um time em que teria mais oportunidades para atuar. No Coritiba, o atacante vai defender o clube em que o pai, o ex-atacante Lela, foi ídolo e campeão brasileiro em 1985.

Leia também 
Torcedor é baleado no Batel após jogo entre Atlético e Coritiba

Envie seu comentário

Comentários (0)