Curitiba

Atlético-PR empata em 2 a 2 com o líder Corinthians; novo técnico comenta

O novo técnico do Atlético-PR, Fabiano Soares, não pôde ficar no banco de reservas e assistiu ao jogo de um camarote da Arena Corinthians; após a partida, ele analisou a atuação atleticana diante do líder do Campeonato Brasileiro

O empate contra o Corinthians teve um sabor especial para o volante Otávio: foi dele o segundo gol do Furacão, que fechou o placar, aos 36 minutos do segundo tempo (Foto: Marco Oliveira/Site Atlético-PR)

O Atlético Paranaense enfrentou o Corinthians, nesse sábado (15), e conseguiu um empate em 2 a 2, na casa do líder do Campeonato Brasileiro, a Arena Corinthians. Com um golaço, Jonathan colocou o Furacão na frente, Jô marcou duas vezes, virando para o alvinegro paulista, e Otávio fez o gol que definiu o placar.
 
Com o resultado, a equipe de Parque São Jorge chega aos 36 pontos e aumenta para 28 jogos sua série invicta na temporada. Pelo lado dos atleticanos, o ponto conquistado fora de casa foi muito comemorado, especialmente pelo momento de troca de comando no futebol da equipe.
 
O próximo duelo rubro-negro será na quinta-feira (20), às 21h, contra o Botafogo. Jogando no Caldeirão, o treinador conta com o apoio dos torcedores. “Necessitamos da torcida no próximo jogo contra o Botafogo. Peço que nos empurre, que vai ver um Atlético atrevido, atacando. Vamos mostrar que merecemos estar no Atlético”, finaliza Fabiano Soares.
 
Primeiro tempo
 
O Furacão começou o jogo tocando bem a bola e marcando no campo de defesa do adversário. A primeira chance atleticana surgiu aos 15 minutos, quando Eduardo Henrique foi derrubado por Fagner na entrada da área. Pablo bateu a falta, mas acertou a barreira corintiana.
 
O Rubro-Negro era eficiente na marcação e valorizava a posse de bola. Dessa forma, criou mais uma boa oportunidade aos 25’. Lucho González tabelou com Pablo e tocou para Douglas Coutinho, mas o goleiro Cássio saiu bem do gol e fez a defesa.
 
O Corinthians teve sua melhor chance aos 26’. Marquinho Gabriel acertou um belo chute de fora da área e Weverton fez grande defesa, tirando a bola do ângulo. O time da casa voltou a levar perigo aos 33 minutos, em mais um chute de longe. Gabriel bateu forte e Weverton espalmou.
 
Quando o adversário parecia crescer na partida, o Furacão abriu o placar com um gol de placa de Jonathan. Aos 37 minutos, o lateral atleticano recebeu na direita e partiu para cima da defesa corintiana. Driblou Moisés, Maycon, Gabriel e Pedro Henrique antes de bater cruzado, no cantinho, sem chances para Cássio. Foi o primeiro gol de Jonathan com a camisa rubro-negra.
 
Atrás do placar, o Corinthians partiu para cima e chegou ao empate aos 44’. Maycon recebeu pela esquerda e cruzou para Jô, que apareceu na segunda trave e desviou para o gol.
 
Segundo tempo
 
A segunda etapa começou com o time da casa pressionando e o gol da virada saiu aos 5 minutos. Jô tocou para Maycon, que foi à linha de fundo e devolveu rasteiro para Jô, que dominou na área e bateu no canto direito.
 
O auxiliar técnico Kelly fez a primeira mudança no time rubro-negros aos 13’. Nikão entrou no lugar de Cascardo. Logo em seguida, o time da casa teve uma boa chance com Fagner, que tabelou com Jô e bateu forte, para fora.
 
O Furacão deu a resposta aos 19 minutos. Após uma cobrança de escanteio, Wanderson desviou para Douglas Coutinho, que bateu forte, mas a bola subiu demais e saiu por cima do gol.
 
O Atlético teve mais uma boa chance aos 23’. Nikão tocou na direita para Otávio, que cruzou na cabeça de Douglas Coutinho. Cássio fez boa defesa.
 
O Rubro-Negro teve um pênalti não marcado, aos 29’. Moisés deu um pisão no tornozelo de Jonathan, dentro da área, mas o árbitro Sandro Meira Ricci mandou o jogo seguir.
 
Bem postado em campo, o Furacão chegou ao empate aos 36 minutos. Otávio bateu forte, de muito longe, a bola desviou na cabeça de Balbuena e entrou no cantinho, fora do alcance de Cássio.
 
Após o empate, o time atleticano continuou no ataque, em busca da virada. Aos 38’, foi a vez de Sidcley chutar de fora da área. Desta vez, Cássio conseguiu desviar.
 
Mesmo jogando em casa, era o Corinthians quem jogava no contra-ataque. Em um deles, aos 40’, Jô ficou na cara do gol, mas não conseguiu passar por Weverton. Nos minutos finais, o Furacão segurou a pressão corintiana e garantiu o ponto conquistado no campo do adversário.
 
 
Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Moisés; Gabriel e Maycon; Marquinhos Gabriel (Pedrinho, aos 30’ do 2º tempo), Jadson e Romero (Clayson, aos 41’ do 2º tempo); Jô.
Técnico: Fábio Carille
Gols: Jô, aos 44’ do 1º tempo e aos 5’ do 2º tempo.
 
Avaliação do novo técnico
 
O técnico Fabiano Soares não pôde ficar no banco de reservas do Atlético Paranaense. Ainda sem o registro junto à Confederação Brasileira de Futebol, o novo comandante assistiu ao jogo de um camarote da Arena Corinthians. O auxiliar técnico Kelly esteve novamente à beira do gramado.
 
Porém, ao final da partida, Fabiano analisou a atuação atleticana diante do líder do Campeonato Brasileiro e exaltou o resultado de 2 a 2 em São Paulo. “Enfrentamos uma equipe muito forte. Mas pressionamos muito o Corinthians no campo deles, roubamos bola e tivemos chances de fazer gols. Não ganhamos, mas tivemos um pênalti que o árbitro não marcou e poderia ser a nossa vitória”, destaca.
 
Para o treinador, a postura em São Paulo deve ser levada para todos os jogos da temporada. “Primeira coisa que falei a eles (jogadores) é que estão trabalhando em uma equipe grande. E, por isso, temos que jogar igual em casa e fora. Jogamos contra o líder, que fazia muito tempo que não sofria gols e marcamos duas vezes. A equipe está de parabéns”, disse.
 
Diante do Corinthians, o Furacão teve cinco mudanças em relação ao time que enfrentou o Cruzeiro. “Fiz algumas mudanças para sermos agressivos. São grandes jogadores e preparados para jogar. Queria uma equipe pressionando o adversário e optei por esses jogadores, que corresponderam. Temos que dar os parabéns ao grupo que jogou valente, com a cara do Atlético”, afirmou o técnico rubro-negro.
 
Fabiano Soares comentou também a sensação de não estar à beira do gramado. “E bastante horrível não poder falar diretamente com os jogadores. Também não podemos mandar informações. Então é ruim. Mas o Kelly está nos ajudando muito e jogamos bem. Estamos satisfeitos”.
 
Ficha técnica: Corinthians 2 x 2 Atlético Paranaense
Data: 15/07/2017 [sábado]
Horário: 19h
Local: Arena Corinthians, em São Paulo
Árbitro: Sandro Meira Ricci - SC [FIFA]
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho - SP [FIFA] e Marcelo Carvalho Van Gasse - SP [FIFA]
Quarto árbitro: Alex dos Santos - SC [CBF]
Público pagante: 41.201
Público total: 41.458
Renda: R$ 2.403.003,90
 
Atlético Paranaense: Weverton; Jonathan, Wanderson, Paulo André e Sidcley; Otávio e Eduardo Henrique; Cascardo (Nikão, aos 13’ do 2º tempo), Lucho González (Eduardo da Silva, aos 28’ do 2º tempo) e Douglas Coutinho; Pablo.
Técnico: Kelly
Gols: Jonathan, aos 37’ do 1º tempo, e Otávio, aos 36’ do 2º tempo.
 

Envie seu comentário

Comentários (0)

Atlético-PR aposta em motivação extra para surpreender o líder Corinthians

O time paranaense joga pela 14.ª rodada da Série A hoje, às 19h, no Itaquerão

Furacão tem neste sábado a difícil missão de se reabilitar diante do líder (Foto: Marco Oliveira, site oficial Atlético Paranaense)

Derrotado em casa na última quarta-feira pelo Cruzeiro por 2 a 0, o Atlético Paranaense tem neste sábado a difícil missão de se reabilitar diante do líder Corinthians, às 19 horas, no estádio Itaquerão, em São Paulo, pela 14.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Apenas na 14.ª posição, com 15 pontos, 20 a menos do que o Corinthians, o Atlético Paranaense encara o difícil jogo como uma grande chance de reação. Afinal, segundo garantiu o técnico Fabiano Soares, enfrentar o líder sempre traz um componente a mais de motivação.

"Jogar no Atlético é motivante. Jogar contra o Corinthians, em um estádio cheio, é motivante", comentou o novo treinador do Atlético Paranaense, que pela primeira vez comandará o time do banco de reservas. "O treinador só tem que motivar os jogadores a fazer o que ele quer, a colocar em prática as ideias que o treinador tem".

Outro fator que pode contribuir à reação atleticana é o retorno do zagueiro Paulo André, do meia argentino Lucho González e do atacante Douglas Coutinho, poupados na derrota para o Cruzeiro, e de Pablo, dispensado do jogo por problemas pessoais. Recuperado de contusão, Felipe Gedoz também pode ficar como opção no banco de reservas. Suspenso pelo terceiro cartão amarelo, Thiago Heleno é um dos poucos desfalques confirmados.

Leia também
Na série B, Londrina vence ABC em casa e chega mais perto do G4
Paraná Clube perde para o Vila Nova e estaciona em 17 pontos

Envie seu comentário

Comentários (0)

Suspeita de homofobia faz Paysandu ser denunciado pelo STJD

Uma torcida organizada do Paysandu aboliu o grito de 'bicha' e passou a estender a bandeira do orgulho gay na arquibancada; outra organizada do clube não gostou

Caso de homofobia ocorreu durante uma briga de torcida após jogo entre Paysandu e Luverdense. (Foto: Divulgação)

O futebol deu nesta sexta-feira um passo importante na luta contra o preconceito no esporte. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) julgará o Paysandu na próxima quarta-feira, às 15 horas, por desordem e discriminação após o empate por 1 a 1 com o Luverdense, pela 11ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Além do time, o árbitro Jean Pierre Gonçalves Lima pode ser afastado dos gramados por não relatar o fato na súmula da partida.

A Procuradoria precisou de imagens da TV Liberal, afiliada da Rede Globo no Pará, para abrir o processo. De acordo com a acusação, integrantes da torcida organizada do Paysandu Terror Bicolor agrediram membros de outra organizada, a Banda Alma Celeste, em forma de represália pelo recentemente posicionamento em prol dos movimentos igualitários. Em maio, a Banda Alma Celeste aboliu o grito de "bicha" e passou a estender a bandeira do Orgulho Gay na arquibancada.

O Paysandu foi enquadrado no artigo 213, inciso I, parágrafo 1º do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), por não garantir a prevenção ou repressão das desordens. Para a Procuradoria "restou evidente, que o tumulto, a desordem, a briga generalizada, trouxerem riscos a integridade física de torcedores em geral, inclusive verdadeiros torcedores e que nada tem a ver com as práticas delituosas constatadas". 

Pelas desordens, o clube pode ser multado entre R$ 100 e R$ 100 mil e punido com perda de até 10 mandos de campo. Ainda há o agravante do Artigo 243-G, que abrange ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência, o que soma a multa entre R$ 100 ou R$ 100 mil. 

INÉDITO - O Paysandu é o primeiro clube denunciado por discriminação homofóbica no Brasil. Em 2014 um inquérito foi aberto no STJD para investigar supostas ofensas cometidas entre Corinthians e São Paulo, mas o caso acabou arquivado. No clube paraense o departamento jurídico garante que tomou todas as providências durante a partida, mas a confusão aconteceu 15 minutos após o encerramento do jogo e que não tem como afirmar se houve um ato de homofobia.

Há uma semana, o então presidente do Paysandu, Sérgio Serra, entregou sua carta de renúncia ao conselho pois, de acordo com ele, foi agredido por dois homens armados e teve sua família ameaçada por membros de torcida organizada. Reflexo: nove jogos sem vencer, com apenas 14 pontos e brigando contra a zona de rebaixamento.

Leia mais
Laudo confirma que corpo queimado é de rapaz gay morto pela mãe

Envie seu comentário

Comentários (0)