Olá {{nome}}
Logout
Ao vivo:
Próximo

Drama

Garota chilena de 14 anos pede autorização da presidente para morrer

Valentina Maureira diz que está cansada de viver com a doença e pede autorização para receber injeção letal. Governo rejeitou o pedido

Autor: Redação RIC Mais
garota-chilena-eutanasia-fibrose-cistica-valentina-maureira.jpg
garota-chilena-eutanasia-fibrose-cistica-valentina-maureira.jpg

Uma garota chilena de 14 anos divulgou um vídeo dramático na internet onde faz um pedido público a presidente para morrer. Valentina Maureira sofre de fibrose cística, uma doença hereditária e que já matou um de seus irmãos, de seis anos.

Na gravação, divulgada no último domingo (22) e feita pelo seu smartphone, direto do Hospital Clínico da Universidade Católica do Chile, onde está internada, Valentina afirma que está cansada de viver com a doença e pede para a presidente do país, Michelle Bachelet, autorização para receber a injeção que a faria “dormir para sempre”.

O vídeo, que já teve mais de 200 mil visualizações e quase 3 mil compartilhamentos no Facebook, recebeu centenas de mensagens de apoio à garota. “Creio que ela já tem idade para tomar essa decisão”, afirmava uma usuária. “Força, siga adiante”, diz outro comentário.

Confira abaixo o pedido dramático de Valentina:

Governo rejeita pedido

Nesta quinta-feira (26) o porta voz do governo chileno, Alvaro Elizalde, afirmou que o pedido foi negado pois, segundo as leis do país, a prática de eutanásia, assim como o aborto, são proibidos. “A lei em vigor não permite que o governo atenta a um pedido dessa natureza”, diz o comunicado, que garante ainda apoio psicológico do governo chileno à garota.

Fibrose cística

A fibrose cística é uma doença genética, autossômica recessiva. Para que um bebê nasça com a doença, é preciso que tanto o pai quanto a mãe carreguem o gene da fibrose cística, mesmo que nunca tenham manifestado a doença.

LEIA MAIS: Médico especialista de Curitiba fala sobre a fibrose cística.

Ela é causada por um gene defeituoso que faz com que o corpo produza secreções densas e muco, que se acumula nos pulmões, trato digestivo e outras áreas do corpo. É popularmente conhecido como “doença do beijo salgado”.

De acordo com Associação Brasileira de Assistência a Mucoviscidose (ABRAM), a enfermidade atinge cerca de 70 mil pessoas em todo o mundo e é a doença genética grave mais comum na infância. No Brasil, o problema acomete 1,5 mil pessoas. A incidência estimada da doença é de 1 para cada 3.000 nascidos entre brancos caucasianos, caindo para 1 a cada 17.000 nascimentos entre negros e de 1 a cada 90.000 nascimentos entre asiáticos.

O diagnóstico precoce da fibrose cística, seguido do tratamento indicado, é de grande importância para que o paciente tenha melhor qualidade de vida e bem estar, mesmo convivendo com a doença. Ele é realizado por meio do teste do suor, teste do pezinho ou teste genético. Diagnosticada a tempo, a criança pode ter uma vida mais longa e saudável.

Atualmente existem tratamentos que trazem maior qualidade de vida aos pacientes, a base de medicamentos, inalação, fisioterapia e atividade física. O tratamento existe e na maioria dos estados já é disponibilizado pelo SUS. Ele consegue retardar o avanço da doença e garante uma expectativa de vida mais longa aos pacientes. De acordo com o médico pneumologista, o caso da chilena Valentina não é diferente.

Unidos pela Vida

Criada em 2011 em Curitiba, a ONG Unidos pela Vida – Instituto de Divulgação da Fibrose Cística conta com 146 voluntários e milhares de pessoas atendidas em todo o país. A organização trabalha com a orientação de portadores da doença por meio de palestras e campanhas de informação sobre a doença e suas formas de tratamento. Mais informações podem ser encontradas no site da ONG: https://unidospelavida.org.br/.

Confira abaixo a matéria exibida pelo programa Balanço Geral Curitiba:

O que achou desta matéria

  1. Péssima
  2. Ruim
  3. Regular
  4. Boa
  5. Excelente

Média dos leitores 0,0

  • Comentário via facebook
Leia também:

Por Marcela Carvalho

Até 27 de julho

Custo-benefício