Curitiba

Guaratuba sedia edição primavera do Festival da Cerveja do Litoral

Evento quer difundir cultura e turismo cervejeiro no litoral; em paralelo, haverá exposição de carros antigos

Microcervejarias e um truck de cerveja comercial integrarão o evento (Foto: Divulgação/Evidência Comunicação Integrada)

Para celebrar a vida em encontro de descontração e alegria, nada melhor que reunir amigos e familiares para degustar uma das principais bebidas do mundo, a cerveja nos seus mais criativos estilos e aromas. E para difundir a cultura e o turismo cervejeiro no Litoral Paranaense, será realizado em Guaratuba, no Feriado de Finados, entre os dias 2 e 5 de novembro, o Festival da Cerveja do Litoral - Edição Primavera. O cenário será a Baia de Guaratuba, no Santo Canto, ao lado do antigo Mercado Municipal, próximo a estação do Ferry Boat. Além das bebidas, os visitantes poderão apreciar a parte gastronômica com opções como pizza, hambúrguer, batata belga e pratos regionais. Ainda terá o caldo de cana, que servirá de base para bebidas criativas.

Para a edição da Primavera, o período escolhido a convite da Secretaria Municipal de Turismo de Guaratuba, foi o Feriado de Finados. O evento tem como objetivo oferecer aos moradores da região do Litoral e seus visitantes sabores e diversidade de estilos e graduação de cervejas, sendo convidadas microcervejarias e um truck de cerveja comercial, para atender os paladares diversos dos moradores do litoral e seus visitantes.

Exposição de carros antigos

Paralelamente ao festival, nos dias 4 e 5 de outubro, (sábado e domingo), haverá exposição de carros antigos, vindos de todo o estado do Paraná e regiões de Santa Catarina. 

Festival da Cerveja do Litoral

A 1ª edição do Festival da Cerveja do Litoral - Edição de Inverno, aconteceu  entre os dias 28 e 30 de julho, em Morretes-PR, em frente à estação de trem. O evento reuniu, ao longo de três dias, cerca de 8 mil pessoas. Na ocasião, a cultura sobre estilos, aromas, paladares e graduações foi amplamente discutida e contemplada pelos estreantes na cultura cervejeira artesanal, sempre com dicas dos apreciadores habituais. Além dos espaços gastronômicos consagrados em Morretes, a estação de trem serviu de cenário para o acontecimento do evento.

O quê: Festival da Cerveja do Litoral - Edição Primavera

Quando: de 2/11 a 5/11; no dia 2, a partir das 15h; nos dias seguintes, a partir das 11h30

 

Onde: Santo Canto – Ao lado do antigo Mercado Municipal (próximo ao Ferry Boat) em Guaratuba (PR)

Entrada franca

Envie seu comentário

Comentários (0)

Cuidar das emoções é preservar a vida

Quando as emoções trazem impactos irreversíveis

20171025_031059_-_saude_mental.jpg

A saúde emocional no Brasil ainda é negligenciada, seja por vergonha de buscar um tratamento ou pela desinformação sobre necessidades e possibilidades de intervenções. O que vemos hoje é um grande número de pessoas que deveriam buscar um atendimento psicológico e que continuam sofrendo sem saber como lidar com a dor, mas “resolvendo” isso de forma caseira. A dor nem sempre se cura sozinha, o sofrimento não precisa ter motivo e fazer terapia não é coisa de louco. Para que possamos ter uma sociedade emocionalmente saudável precisamos quebrar barreiras que hoje nos limitam e impedem que algumas pessoas se sintam à vontade para buscar o tratamento adequado. Lidamos com a vergonha, com o preconceito e com a falta de suporte dos amigos e familiares para o tratamento que pode ser a base do bem viver. Um vigia ateou fogo em crianças de quatro anos em Minas Gerais, um adolescente atirou contra colegas de escola em Goiânia. O que falha aqui é o cuidado, a escuta e a garantia de assistência à saúde mental daquele que vive em sofrimento e precisa de ajuda. Todos sabemos que isso não irá resolver todos os problemas e, obviamente, não acaba com as crises, tragédias e criminalidade. Mas, em vários momentos, olhar para a saúde mental e dar suporte para quem precisa é a arma que precisamos ter. Tragédias anunciadas que poderiam ser evitadas, ou ter um impacto reduzido, se o tratamento correto fosse realizado. Chega da cultura de que depressão é frescura, que é só reagir que passa, que isso tudo é preguiça e falta de vontade. O sofrimento não precisa de justificativa para existir, o que precisamos é ter empatia e entender que o outro sofre mesmo que o motivo não faça sentido para nós. Ouvir, se colocar no lugar do outro e deixar a compaixão rolar. Ajudar e dar o suporte para que a pessoa busque o profissional qualificado para acompanhar seu caso. Sem receios, preconceitos ou críticas. Existem coisas que não conseguimos vencer sozinhos. Aceitar as limitações é o primeiro passo para se conscientizar da necessidade do acompanhamento. É importante poder dividir o peso, encontrar alternativas e buscar a orientação necessária para que a realidade mude, ou ao menos, para que as perspectivas melhorem.

Cuide da sua saúde emocional, acompanhe as pessoas próximas e incentive para que elas façam o mesmo. Esse é o movimento que precisamos fazer para mudar a história.

Simone Steilein Nosima - Psicóloga - CRP: 08/09475

Envie seu comentário

Comentários (0)

Como superar o peso emocional das dívidas

O saldo negativo no banco pode afetar mais do que seu poder de compra.

20170929_060957_-_peso_emmocional_das_dividas.jpg

Manter as contas em dia e um saldo positivo no banco é uma grande satisfação. Mas, infelizmente, nem todos conseguem. Especialmente em tempos de crise, o número de pessoas endividadas aumenta. Além das dificuldades de crédito, a pessoa precisará lidar com as questões emocionais que decorrem do endividamento. Sim, uma dívida pode tirar o sono e causar um grande estresse. As pessoas não deixam de pagar a contas ou entram no vermelho porque querem, mas por questões de necessidade ou dificuldade em gerir a entrada e saída de dinheiro. Encontrar maneiras de se relacionar bem com sua condição financeira envolve aprender a equilibrar o peso emocional das dívidas e trabalhar sua relação com o consumo. Sintomas como insônia, estresse e ansiedade são comuns em pessoas que não estão com as contas em dia. A angústia iminente de não conseguir arcar com as despesas da casa, de ter um crédito negado ou, ainda, de ter cobradores em sua procura, faz com que pessoas endividadas desenvolvam quadros de ansiedade e de estresse. E aquilo que já estava ruim, tende a piorar. Para resolver essa questão é preciso focar em dois pontos: sanar as dívidas e aprender a controlar as emoções.

Para eliminar as dívidas

Tenha consciência sobre a dívida,tire extrato, converse com os credores, com o gerente do banco. Algumas pessoas ficam com receio de saber “o tamanho” da dívida, sentem vergonha de pesquisar e se informar, e justamente por não fazerem isso acabam se endividando ainda mais. Quando você compreende a dimensão da dívida pode tomar atitudes para resolver o problema. Fique atento aos seus gastos, aos gatilhos de compra e principalmente aos gatilhos emocionais que te mantêm com as contas no vermelho. Como por exemplo: “Eu vivo trabalhando e nunca me dou nada, esse presente eu mereço e vou me dar”. “Mês que vem eu dou um jeito na conta, que diferença vai fazer gastar um pouco a mais”? Atenção irá te ajudar a deixar de lado alguns gastos, entender outros e resolver tudo o que pode ser resolvido. Adeque-se ao momento. Ajuste as contas, priorize e corte o que for supérfluo, terá que fazer ajustes para conseguir honrar as contas. Se possível, elimine os gargalos como o cartão de crédito e o cheque, de uma forma ou de outra são recursos que te permitem gastar sem perceber. Converse com sua família e busque apoio. Será necessário que todos façam cortes e entrem no novo esquema de gastos familiar. Quando apenas uma pessoa faz economias e ajustes o gasto não diminui o suficiente. Reconheça seu perfil consumidor. Mesmo que você tenha um perfil ousado e não se importe em assumir riscos, nesse momento uma postura conservadora pode ser mais adequada. Cuide com investimentos ou gastos que não se encaixam nesse perfil.

 Para controlar as emoções

Identifique os sintomas. Avalie como tem se sentido nos últimos tempos. Mudanças de humor, dificuldade para dormir ou aumento do sono, excesso de preocupação entre tantas outras coisas. Perceba o que mais te incomoda e busque mecanismos para tentar controlar. Encontre formas de reequilibrar suas emoções. Pratique esportes, leia e se permita momentos para relaxar, baixar a tensão e perceber as coisas boas que tem vivido. Sempre será possível encontrar algo bom na turbulência, acredite. Técnicas de respiração e relaxamento serão bem aproveitadas. O resultado é uma sensação de tranquilidade, juntamente com uma sensação física mais equilibrada. Com toda certeza vale a pena investir um tempo nisso. Pare por cinco minutos pela manhã, tarde e noite, coloque uma música tranquila, sente-se de forma confortável, respire e inspire, enquanto isso preste atenção no seu corpo e em como ele corresponde ao relaxamento. Busque leveza e bons pensamentos nesse momento. Por mais endividado que você esteja concentre sua energia em resolver o problema. Manter-se endividado a longo prazo pode trazer consequências emocionais bastante negativas para você e sua família. A sensação de deitar a cabeça no travesseiro e estar com as contas em dia trará satisfação, lhe garanto. Conheça seus pontos fracos e fortes, busque ajuda e mude essa realidade. Simone Steilein Nosima - Psicóloga e Coach - CRP: 08/09475

Envie seu comentário

Comentários (0)