Curitiba

Empresa japonesa lança joia para usar balançando entre as pernas

O design apresenta uma corrente que entra dentro do fundo do biquíni, com cristais que pendem nas correntes entre as pernas

A novidade foi batizada de Beachtail ("rabo de praia") (Foto: Divulgação)

*Do R7

Uma empresa japonesa está vendendo o que pode ser uma das mais incômodas e impraticáveis peças de jóias já inventadas. Lançada pela BoDivas, a novidade foi batizada de Beachtail ("rabo de praia"), e deve ser utilizada na calcinha do biquíni, de modo que o adereço dance entre as pernas. "O colar pode ser charmoso, mas incomoda", avalia o site Design You Trust.

A BoDivas, com sede em Tóquio, está oferecendo este item estranho, que eles descrevem como "encantos sexy para bifurcação de biquini". O design apresenta uma corrente que entra dentro do fundo do biquíni, com cristais que pendem nas correntes entre as pernas. Feitos no Japão, estão sendo vendidos por cerca de US$ 20 cada.

A empresa chama estranhamente a jóia "classy" e "muito original", acrescentando que, além do fundo de biquíni, também podem ser usados com calcinha, tanga, tangas e shorts. Cada peça apresenta um grupo de correntes de metal com direito a pedrarias. Há também duas correntes soltas que se equilibram entre as pernas, com aproximadamente 7,5 centimetros e são feitas de bronze ou prata com rhodium.

Alguém se arrisca?

 

Envie seu comentário

Comentários (0)

Chega de ansiedade

A temida ansiedade pode ser controlada, e é mais simples do que parece.

20170807_120800_-_ansiedade.jpg

Ouvimos muito sobre ansiedade e temos sempre a sensação de que ela representa algo ruim e incontrolável. Hoje ela é um dos principais motivos de procura por terapeutas e psiquiatras. Mas entender como ela funciona e saber que ela pode ser controlada pode ajudar a enfrentar esta vilã. Existem várias definições sobre ansiedade, mas de uma forma objetiva podemos dizer que ela é um medo ou apreensão, com algo que vai acontecer no futuro, ou ainda algo que não seja percebido pela pessoa. Ou seja, é possível ficar ansioso por medo de sofrer um assalto em casa ou ficar ansioso aparentemente sem motivo algum. Os sintomas físicos mais comuns de ansiedade são taquicardia, boca seca, sudorese, tremor nas mãos e pernas, sensação de falta de ar e tontura. Com o passar do tempo e a ausência de tratamento adequado outros sintomas começam a aparecer, como a queda de cabelo, alteração de sono e apetite, alergias e problemas no estômago. Junto com estes sintomas físicos existem alguns sentimentos que podem vir associados como um grande pessimismo e uma dificuldade em encontrar uma saída, sensação de alerta constante, grande medo de morrer. Todos estes sentimentos e sintomas geram um grande desconforto e podem comprometer a rotina e qualidade de vida. Imagine-se com um grande medo de ficar em casa sozinho associado ao pensamento de que a qualquer momento o ladrão pode entrar, e ainda acompanhado de sintomas físicos como taquicardia e sudorese. É possível que depois de algum tempo você mal consiga ficar em casa sozinho, ou acabe se mudando para um lugar que considerar mais seguro. Mas calma, existe solução para isso. Imagine seguindo um “roteiro anti ansiedade”: Avalie se seu medo faz sentido, se ele é real. Se for tome providências para garantir sua segurança, se não for avalie o motivo de vivenciar isso com tal intensidade. Respire e inspire por alguns minutos, para assim conseguir acalmar-se momentaneamente e diminuir o impacto dos sintomas físicos. Ter a percepção física de tranquilidade vai te ajudar a reequilibrar seu estado emocional. A longo prazo, use recursos para te ajudar a manter a calma, como músicas, leituras etc. Pratique atividades de laser, faça algo que te dê prazer e traga tranquilidade. Relaxar a mente é fundamental para mandar a ansiedade embora. Pratique o autoconhecimento, fazendo terapia. Entender causas e consequências ajuda a enfrentar a ansiedade com todas as suas armas. Simone Steilein Nosima - Psicóloga e Coach - CRP: 08/09475

Envie seu comentário

Comentários (0)

Quem define os rumos da sua carreira?

20170803_070800_-_plano_de_carreira.jpg

Quando você aceitou sua última promoção na empresa, era realmente aquela tarefa que você tinha interesse em desenvolver? Em algum momento você já sentiu que sua carreira estava tomando um rumo diferente do que você tinha imaginado, por orientação da empresa ou de gestores? Avaliar o rumo que sua carreira está tomando e sua força de decisão nisso é necessário para que você consiga se realizar profissionalmente. Algumas vezes, por uma questão de perfil pessoal, de necessidade da empresa ou por uma equivalência entre os dois, a empresa acaba tomando a decisão de sugerir uma mudança de área e de atividades. A primeira reação é pensar em aceitar e ainda ficar grato pelo sugerido, mas é importante que você considere seu interesse nessa vaga. O que você faz hoje deve te colocar no caminho do que você deseja para sua carreira nos próximos anos. E caso ainda não tenha pensado nisso, não perca tempo e reflita sobre o que deseja profissionalmente nos próximos 10 ou 20 anos. Considere salário, rotina de trabalho e atividades a serem desenvolvidas. Isto te realiza? Isto te interessa? Caso a vaga ofertada não esteja nesse perfil, considere recusar a proposta. Posso recusar mesmo quando envolver um aumento de salário? Pode, sim! Isso mesmo. O salário vai te realizar por pouco tempo e sua satisfação pessoal e profissional terão um peso maior ao longo dos anos. A sensação de fazer grandes sacrifícios pelo trabalho pode ocasionar ansiedade e estresse. Quando você sente prazer fazendo o que te realiza, o dinheiro passa a ser consequência de um outro nível de satisfação. Processos como Avaliação de Desempenho e Feedbacks te ajudam a refletir se o que a empresa tem para te oferecer é aquilo que você busca. Conversas francas e baseadas em situações reais colocam você e os gestores em sintonia. Além de avaliar seu desempenho e deixar claro o que você precisa desenvolver para assumir novos cargos, você deve buscar saber quais são as possibilidades para sua carreira nos próximos anos. Caso não estejam de acordo com o que busca, seja sincero em colocar o que pretende e, junto com os gestores, defina possibilidades de chegar lá. Você é um membro da equipe, mas isso não precisa ser eterno. A zona de conforto é sempre o lugar mais agradável de ficar, mas ocupar uma vaga jamais deve ser sinônimo de acomodação, seja em questões técnicas ou comportamentais. Você deve sempre manter o foco nos seus objetivos e se desenvolver no caminho que pretende conquistar. Caso não consiga isso dentro da empresa que está, seu crescimento pode estar fora dela. Isso ficará evidente se você pensar constantemente nos pontos que são importantes e assumir a responsabilidade pelo seu desempenho, carreira e motivação. Simone Steilein Nosima - Psicóloga e Coach - CRP: 08/09475

Envie seu comentário

Comentários (0)