Curitiba

Bradesco e Caixa Econômica abrem programas de demissão voluntária

Caixa espera que adesão ao PDV chegue a 5.480 empregados; Bradesco calcula que demissão voluntária alcance entre 5 mil e 10 mil colaboradores

Na iniciativa anterior, a Caixa teve a adesão de 4.645 funcionários; PDV no Bradesco é inédito (Foto: Sindicato dos Bancários)

A Caixa Econômica Federal reabriu um programa de demissão voluntária extraordinário (PDVE) e espera que a adesão alcance 5.480 empregados. Na iniciativa anterior, encerrada em março último, o banco teve a adesão de 4.645 funcionários em um contingente de 30 mil pessoas elegíveis. Na semana passada, o Bradesco também anunciou um plano de demissão voluntária, o primeiro de sua história.

A expectativa da Caixa, em seu PDV anterior, era alcançar 10 mil empregados. Como não chegou ao número, o banco optou por reabrir o programa. Ao final de março, a Caixa contava com 101.505 funcionários, considerando estagiários e aprendizes. Somente empregados diretos do banco eram 91.128. 

Desta vez, o período de adesão ao programa de demissão voluntária começa nesta segunda-feira e vai até o dia 14 de agosto. Com isso, o desligamento dos funcionários que aderirem ao PDV deve ocorrer de 24 de julho a 25 de agosto, conforme informações de documento enviado aos gestores do banco e obtido pelo Estadão/Broadcast. “O PDVE tem por objetivo dar suporte financeiro aos empregados que queiram se desligar voluntariamente da empresa e que se enquadrem nas regras”, explica a Caixa, na carta.

Poderão aderir ao programa de demissão voluntária do banco público os funcionários com no mínimo 15 anos de casa; aposentados pelo INSS até a data de desligamento, exceto quando for por invalidez; funcionários aptos a se aposentarem até 31 de dezembro de 2017 ou com adicional de função de confiança/cargo em comissão gratificada até a data de desligamento.

Em troca, a Caixa está oferecendo apoio financeiro, em caráter indenizatório e a ser pago em parcela única, de dez remunerações base do empregado, limitado a R$ 500 mil. Os funcionários que aderirem, conforme explica o banco, permanecerão com o plano de saúde da instituição desde que atendam os requisitos estabelecidos pela instituição. Para os que não se enquadrarem, o banco oferece a permanência no plano por 24 meses, sem prorrogação.

Procurada, a Caixa confirmou a reabertura do programa de demissão voluntária extraordinário. 

Bradesco

No caso do banco Bradesco, o PDV inédito em sua história está relacionado à incorporação do HSBC e pretende alcançar uma adesão de entre 5 mil e 10 mil colaboradores. O prazo de adesão é parecido com o da Caixa. Começa também nesta segunda-feira e vai até 31 de agosto. O público-alvo inclui todo o conglomerado Bradesco, mas apenas para funcionários com mais de dez anos de casa, e não está disponível para todos os departamentos, de acordo com fontes.

O Bradesco contava com 106.644 funcionários em março último, número 16,68% maior do que o visto um ano antes, ou seja, antes da integração do HSBC, que começou a ser considerado nos demonstrativos financeiros da instituição em julho de 2016 e adicionou cerca de 20 mil funcionários aos quadros do banco.

Já o Banco do Brasil fez, no ano passado, um plano de incentivo à aposentadoria. Na ocasião, a instituição conseguiu a adesão de 9,4 mil funcionários num horizonte possível de 18 mil servidores. O banco tem dito que não deve fazer outro movimento nesta direção.

As iniciativas dos bancos, seja do lado de demissões voluntárias ou incentivo à aposentadoria, ocorrem em meio à um movimento de reestruturação das redes físicas, com a maior relevância dos canais digitais, que já representam a maioria das transações bancárias, e ainda do internet banking. Além de fechar algumas unidades, as grandes instituições de varejo no País estão readequando as agências, transformando-as em espaços de negócios já que, cada vez mais, os correntistas fazem transações pelos seus celulares e tablets.

Ao final de março último, os cinco maiores bancos do País reuniam 19.220 agências, conforme dados disponíveis nos balanços de Bradesco, Itaú Unibanco, Banco do Brasil, Santander Brasil e Caixa. O número indica a redução de apenas 142 unidades em um ano (seriam cerca de mil, se aos números do Bradesco não tivessem subido por conta da integração, no período, das 851 agências do HSBC). 

Já em termos de funcionários no Brasil, os cincos maiores bancos somavam quase 426 mil no primeiro trimestre, um enxugamento de cerca de 3,8 mil pessoas em um ano. Aqui, também, se descontado o contingente do HSBC, a redução seria bem maior.

Veja também:

Brasil fecha trimestre com 13,3% de taxa de desemprego

 Agência de emprego registra aumento de vagas

Envie seu comentário

Comentários (0)

AquaPet Truck dá banho e tosa no seu pet na porta de casa

20170628_110637_-_aquapettruck_tendenciasetecnologia.jpg

Depois de ter uma loja fixa por cinco anos, o empresário Gustavo Brant, hoje proprietário do AquaPet Truck, decidiu inovar e dar um novo formato ao seu negócio. Há, aproximadamente dois meses, transformou a loja em um Truck e segue pelos bairros de Belo Horizonte fazendo banho e tosa em cães e gatos. Brant já havia visto a ideia funcionando nos EUA e em São Paulo, mas em Belo Horizonte, ainda não. Foi, então, que vislumbrou uma boa oportunidade para investir. “O que me fez querer investir no pet truck foi a possibilidade de atender a vários bairros e regiões diferentes e, principalmente, sair do aluguel”, comenta. Antes de trabalhar no Truck, o empresário era proprietário de uma loja que vendia apenas aquários que, depois, passou a ser um Pet Shop incluindo o setor de serviços, banho e tosa de cães e gatos. “Eu não tenho sociedade, sou o único proprietário, mas conto com a ajuda do Luiz, um excelente profissional, que foi quem me ensinou a dar banho e tosar, quando fiz o curso. Hoje ele trabalha comigo. Nós dois dividimos as tarefas de banho, já a tosa eu deixo por conta dele”, enfatiza. Para iniciar o novo empreendimento ele investiu aproximadamente R$30 mil na expectativa de ter o retorno do valor investido ainda neste ano, apostando nos diferenciais do Aquapet Truck, que, em sua opinião, estão na qualidade do serviço, na comodidade de o cliente poder ter o banho ou tosa do seu animal na porta de casa sem o pet ter que passar pelo estresse de entrar em uma caixinha de transporte, ir para um pet shop, tomar seu banho ou ter o pelo tosado e ainda ficar esperando a rota para poder ser devolvido. “Além do fato de, por ser na porta de casa, o dono poder assistir ao banho ou a tosa do seu bichinho de estimação’, acrescenta. Gustavo ressalta ainda que para ser conhecido na cidade e ganhar a confiança dos novos clientes é ele mesmo quem sai pelos bairros distribuindo os panfletos de porta em porta, em paralelo à gestão diária das redes sociais. “ Eu sempre dou a atenção necessária a cada cliente, sabendo conversar, ouvir e sem medo ou vergonha de abordar uma pessoa com um cachorro na rua e falar sobre o meu trabalho. O resto, graças a Deus e aos clientes que ficam satisfeitos, tem acontecido por causa do boca a boca”, evidencia. O AquaPet Truck funciona de segunda à sábado, a partir de 8 horas até, normalmente, às 17 horas, horário em que iniciam o último cliente. Dentre os serviços prestados estão o de banho, tosa, tosa na máquina, tosa na tesoura, tosa específica da raça, tosa higiênica, corte de unha, entre outros  tantos para cães de porte pequeno, médio, grande ou gigante e, também, gatos. Hoje, a área de atuação compreende Belo Horizonte e região metropolitana. No entanto, a perspectiva é que, futuramente, o AquaPet Truck se torne uma Rede de Franquia com operando em grande parte do Brasil. Fica, então, mais uma nova modalidade de negócio!

Envie seu comentário

Comentários (0)

Seu dia é tomado pela sensação de urgência?

20170625_110601_-_sensodeurgencia_tendenciasetecnologia1.jpg

Em artigo anterior, citei algumas características mais comuns do mundo empresarial atual, que resultam em algumas doenças do trabalho. Para alguns a ideia é que esses problemas só ocorrem em grandes empresas. No entanto, tais doenças já são vistas em grande número entre os pequenos empreendedores pelo acúmulo de funções. Prometi comentar cada uma das características que pontuei no artigo anterior. Vamos começar pela sensação de urgência, afinal, se é urgente não podemos perder tempo, não é mesmo? Nem sempre. Em algumas situações há de se observar se essa urgência é real ou se é apenas uma sensação de urgência originada pela falta de organização e planejamento do tempo, seja do profissional em si ou gerada pelos processos de gestão da empresa. Este é o fator mais importante. Identificar onde está o erro e encontrar alternativas para eliminá-lo, caso contrário, o estresse tomará conta do dia a dia do indivíduo ou da equipe, que perderão o ânimo para o trabalho, consequentemente para o lazer em seus dias de folga, e, certamente irão adoecer por completo. Para que a circunstância não chegue a este ponto crítico, é importante cortar o mal pela raiz. Veja algumas dicas que podem ajudar as empresas a reverter esta situação. • Reavaliar os processos administrativos, assim como os métodos e ações de gestão de pessoas. Pode ser que não estejam sendo eficazes e eficientes, gerando retrabalho e estresse aos que executam; • Identificar se há meios de torná-los mais eficazes e eficientes a ponto de reduzir prazos sem comprometer a qualidade do produto e/ou serviço, e a qualidade de vida dos funcionários; • Refletir se as metas e respectivos prazos são plausíveis com todas as tarefas a serem realizadas. Quando as metas são inalcançáveis nos prazos estipulados, é garantida a sensação de urgência pelo funcionário. É como nadar, nadar e morrer na praia. Prazos e metas devem, além de andar em paralelo, ser estipulados com bom senso dos gestores; • Observar o comportamento das pessoas que trabalham na empresa. Elas demonstram alegria e satisfação, ou estresse, cansaço e irritabilidade por realizar aquelas tarefas? Por que será que num mesmo grupo identificamos perfis tão parecidos ou tão diferentes? • Agora, observe o perfil dos gestores dessas pessoas. O comportamento da equipe reflete a conduta do gestor? • Trace novas estratégias motivacionais para os profissionais. Reconheça os esforços e desempenho de todos eles; • Ouça a sua equipe, pergunte o que os faz gostar de trabalhar na sua empresa, assim como suas queixas, críticas e sugestões para melhorar; • Mensure os resultados e a produtividade da equipe antes e depois de ter adotado alguma mudança no ambiente de trabalho; • Esteja próximo dos seus funcionários. Não esqueça, são eles que fazem sua empresa funcionar. Sozinhos, não vamos a lugar algum. Boa sorte e boa semana!

Envie seu comentário

Comentários (0)