Curitiba

Universidade oferece bolsas de estudo para alunos de escolas públicas

As inscrições para o processo seletivo são gratuitas e devem ser realizadas pela internet até o dia 22 de novembro

Bolsas são de 50% e candidatos podem tentar o Fies para financiar o restante (Foto: Divulgação/UP)

As inscrições para o Programa de Bolsas de Estudos da Universidade Positivo (ProPositivo), projeto de responsabilidade social da instituição, está com inscrições abertas até o dia 22 de novembro. O programa oferece descontos de até 50% para cursos de graduação de Bacharelado, Licenciatura e cursos Superiores de Tecnologia (Tecnólogos), presenciais e semipresenciais, em Curitiba.

O projeto tem o objetivo de contribuir para o desenvolvimento das comunidades onde o Positivo está presente e é dirigido a estudantes que concluíram o Ensino Médio em 2016 ou vão concluir em 2017 em instituições de ensino públicas.

Ao todo, são ofertadas 169 vagas em 26 cursos de seis unidades da Universidade Positivo (UP) e do Centro Tecnológico Positivo (CT): Ângelo Sampaio, CIC, Hauer, Praça Osório, Santos Andrade e câmpus sede - Ecoville.

As inscrições para o processo seletivo são gratuitas e devem ser realizadas pela internet (www.up.edu.br/propositivo).

O candidato pode escolher até dois cursos para se candidatar à bolsa de estudos, sendo um em primeira opção e outro em segunda opção, com o respectivo turno e unidade.

O estudante contemplado com a bolsa pode, ainda, solicitar o benefício do FIES (Programa de Financiamento Estudantil, do Governo Federal) ou do PRAVALER para financiar o valor remanescente do curso.

O processo seletivo, composto de duas provas (uma de redação e uma de múltipla escolha), será realizado no sábado, dia 25 de novembro, das 15h às 18h, na unidade Praça Osório.

Serviço:

  • Inscrições: até quarta-feira, 22 de novembro de 2017
  • Data da prova: sábado, 25 de novembro de 2017
  • Horário: 15h às 18h (fechamento dos portões às 14h45)
  • Local: Unidade Praça Osório (Praça Osório, 125 - Centro)
  • Informações e inscrições: www.up.edu.br/propositivo

Envie seu comentário

Comentários (0)

Enem 2017: segundo dia tem 32% de abstenção e 580 candidatos eliminados

Neste ano, um total de 853 candidatos foram eliminados do Enem nos dois dias de prova, sendo 273 no primeiro dia e 580 no segundo dia

O ministro da Educação, Mendonça Filho, classificou esta edição como a mais tranquila aplicação do Enem nos últimos anos (Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil)

O índice de candidatos que faltaram à segunda prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2017, realizada neste domingo (12), foi de 32%. Cerca de 2,15 milhões de inscritos não compareceram às provas aplicadas neste domingo. Nesta segunda etapa, os candidatos responderam questões de matemática e ciências da natureza (química, física e biologia). No domingo passado (5), foram aplicadas as provas de redação, linguagens e ciências humanas.

No primeiro dia de prova, foi registrada uma abstenção de 29,8%, com cerca de 2 milhões de candidatos faltosos. No ano passado, a abstenção média nos dois dias de Enem foi de 29,19%.

Neste ano, um total de 853 candidatos foram eliminados do Enem nos dois dias de prova, sendo 273 no primeiro dia e 580 no segundo dia. A maioria foi eliminada por descumprimento de regras do edital (842), nove por terem sido identificadas irregularidades nos detectores de metais e dois por recusa do dado biométrico.

O ministro da Educação, Mendonça Filho, classificou esta edição como a mais tranquila aplicação do Enem nos últimos anos, com pouquíssimas ocorrências. Na avaliação dele, o índice de abstenção está dentro da média.

“Historicamente, o primeiro dia tem menos abstenção do que o segundo dia. É um dado que repete um comportamento padrão em exames anteriores. Não vejo isso como uma grande novidade”, disse. Ele lembrou que, a partir deste ano, o participante isento do pagamento da taxa de inscrição do Enem que não compareceu às provas e não justificar a ausência perderá o direito a nova isenção no ano que vem.

O ministro anunciou ainda que, em 2018, a inscrição no Enem será gratuita para todos os candidatos que forem aprovados no Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), que será aplicado no próximo domingo (19).

Segunda aplicação

Nos dias 12 e 13 de dezembro, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) fará a segunda aplicação anual do Enem 2017 para alunos que foram prejudicados na primeira aplicação e para as pessoas privadas de liberdade (PPL). De acordo com o instituto, um total de 3.581 alunos vão refazer as provas em dezembro por problemas na aplicação regular, como por exemplo em locais de prova em que houve corte no abastecimento de energia.

Resultados

O gabarito oficial do Enem será divulgado até a próxima quinta-feira(16), no Portal do Inep e no aplicativo do Enem. Os cadernos de questões de cada dia serão disponibilizados também no site do Inep e no aplicativo. Já o Boletim de Desempenho, que traz as notas idividuais dos participantes, deverá ser disponibilizado só  em 19 de janeiro de 2018.

O resultado do Enem pode ser usado em processos seletivos para vagas no ensino público superior, pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para bolsas de estudo em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Leia mais:

Envie seu comentário

Comentários (0)

Prova de exatas do Enem 2017 foi mais conteudista, avaliam professores

Por tradição, mesmo na prova de exatas, o exame costumava incluir muitas questões interpretativas e com relação direta com o cotidiano

Na avaliação dos professores, provas exigiram mais conteúdo (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

As provas de matemática e ciências da natureza do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017, realizadas neste domingo (12), foram consideradas menos interpretativas e com mais cobrança de conteúdo. Por tradição, mesmo na prova de exatas, o exame costumava incluir muitas questões interpretativas e com relação direta com o cotidiano. Na avaliação do professor de biologia Rubens Oda, do curso online Descomplica, a maior dificuldade que os candidatos enfrentaram na prova de hoje foi a presença de conteúdos esperados, mas cobrados com maior nível de detalhamento.

Ele cita como exemplo uma questão de genética que abordou um detalhe específico sobre o processo de espiralização do cromossomo X. Segundo o professor, isso é algo pouco conhecido dos estudantes do ensino médio. “Era esperado que cair alguma coisa de genética, mas não no grau de profundidade e detalhamento que foi cobrado”, diz.

Na avaliação do professor, um bom desempenho na prova dependeu muito mais da preparação do que da concentração do estudante. “O que acontece é que o Enem, historicamente, é uma prova que pesava bastante na interpretação, na busca de avaliar competências e habilidades. O que ocorreu neste ano, com os conteúdos que foram cobrados em ciências da natureza, parece que volta a cobrar conteúdos que eram mais pertinentes ao antigo modelo de vestibulares. Ou seja, a prova está deixando de ser um teste que busca a cobrança de competências e habilidades e está voltando a ser mais conteudista”, avaliou.

Segundo ele, houve questões interpretativas, como as que tratam de análise de gráficos. Mas o peso dado aos itens com mais foco no próprio conteúdo foi maior do que em edições anteriores. Para ele, essa mudança é considerada um retrocesso na avaliação. “Acho um retrocesso. Principalmente no momento em que se discute o novo ensino médio, a nova Base Nacional Comum Curricular, a gente voltar a pensar em uma avaliação de conteúdos e não de habilidades e competências é um retrocesso. Ainda mais se levarmos em conta um país continental como o Brasil, que tem realidades educacionais muito diferentes nos seus estados”, disse.

O diretor de Ensino do Anglo, Paulo Moraes, considerou que o nível do Enem 2017 subiu em relação ao ano passado e que, apesar de exigir mais conhecimento do conteúdo, a prova não chega a ser “conteudista”.

“Prova boa, bem feita. Bem técnica, em biologia e ciêncas da natureza. O candidato, assim como na  semana passada, tem que saber conteúdo. Não é uma prova conteudista, mas precisa saber o conteúdo para responder. Não é conteúdo de rodapé de livro, sem importância, com decorebas”, disse.

Para Moraes, não houve “ruptura” em relação ao padrão da prova da semana passada. “Assim como no domingo anterior eles exigiram conteúdo, mas também as habilidades e não o conteúdo pelo conteúdo”.

Matemática

O professor de matemática Gabriel Miranda também considerou a prova mais conteudista e "matematicamente mais pesada". “Lógico que sempre foi a cara do Enem as questões de interpretação, mas este ano foi um pouco menos do que em anos anteriores. Essa foi uma mudança que achei interessante, em geral a prova estava mais direta e mais bem escrita”, avaliou.

Entre os assuntos abordados na prova de matemática caíram razão e proporção, logaritmo, análise combinatória e probabilidade. “Eles talvez perceberam que precisavam de uma prova mais robusta, e foi o que aconteceu neste ano. A prova continuou numa crescente de conteúdo, de dificuldade em relação aos anos anteriores”, apontou Miranda.

Leia mais:

Envie seu comentário

Comentários (0)