Curitiba

Parque das Artes, condomínio da VCG Empreendimentos, será relançado

Após dois anos de paralisação, incorporadora curitibana vence disputa judicial por unanimidade e retoma o planejamento para execução das obras

Vista aérea do Parque das Artes (Foto: Divulgação)

O Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR), por meio da 4ª Câmara Cível, acolheu, nessa terça-feira (23), o pedido da VCG Empreendimentos buscando a suspensão da medida liminar concedida pela 2ª Vara da Fazenda Pública que determinava a paralisação das obras no empreendimento Parque das Artes, próximo ao Parque Barigui, em Curitiba.

A decisão unânime dos desembargadores, ou seja, três votos a zero, reafirmou que todas as licenças e alvarás referentes ao empreendimento, emitidos pela Prefeitura Municipal de Curitiba, estão de acordo com a legislação e as normas legais. O Tribunal deixou claro que inexiste qualquer ilegalidade no licenciamento realizado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, uma vez que foram observados todos os critérios legais estabelecidos na legislação.

Para o sócio fundador da VCG Empreendimentos, Guilherme Vialle, a decisão encerra um impasse que vinha se arrastando há dois anos. “A partir de agora, a obra será retomada e adequada ao novo planejamento e daremos continuidade à comercialização das unidades restantes do empreendimento. Nas próximas semanas, teremos informações mais detalhadas sobre a retomada do cronograma de execução das obras do condomínio”, afirma. A decisão foi encaminhada para publicação no Diário Oficial.

Apesar da paralisação, Vialle informa que o empreendimento detém 30% das unidades vendidas, imóveis que foram comercializados no período de dois meses após o lançamento, no começo de 2015. “Apesar da restrição à comercialização das unidades do empreendimento, mantivemos o plantão de vendas ativo para continuar recebendo os clientes. Logo, diante da impossibilidade de venda, criamos uma lista de espera para atender as pessoas interessadas em adquirir as unidades restantes. Muitos estavam aguardando essa suspensão para assinar o contrato de compra e venda, atividade que vamos retomar”, ressalta.

Empreendimento 

O Parque das Artes tem a proposta de aliar arte e natureza e será construído em um terreno de 66.734,70 m², próximo ao Parque Barigui, o mais frequentado de Curitiba, abrigando uma área natural preservada de 41 mil m². Ao todo, o condomínio terá 196 unidades entre Gardens (unidades térreas com terraço privativo) simples e duplex, unidades duplex e coberturas duplex, distribuídas em dois subcondomínios.

O primeiro, Escultores, conta com duas torres, e o segundo, Pintores, com cinco. As torres têm quatro andares e apresentam unidades de 1, 2, 3 e 4 quartos, entre apartamentos tipo, garden, duplex, coberturas e garden duplex. Cada uma das torres recebe o nome de importantes artistas que nasceram ou viveram no Paraná, com obras de arte decorando as áreas comuns.

Os moradores do Parque das Artes também terão à disposição um casarão antigo que foi transformado em Unidade de Interesse de Preservação (UIP). A Casa das Artes terá ênfase na valorização da cultura e vai abrigar obras de artistas paranaenses, além de servir como área de uso comum, compreendendo espaços como galeria de arte, biblioteca e sala de estudos.

O empreendimento garantiu à VCG Empreendimento o prêmio Top de Marketing 2015, promovido pela Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB-PR), na categoria Mercado Imobiliário. Realizado desde 1972, é um dos mais importantes selos de qualidade empresarial do Brasil e reverencia as empresas que apresentam as melhores estratégias, práticas e resultados em seus segmentos.

Veja também:

Imóveis Curitiba: saiba como comprar a casa própria em um leilão

Vai comprar apartamento pela primeira vez? Confira dicas!

Envie seu comentário

Comentários (0)

Conta de água fica mais cara no Paraná a partir de junho

Reajuste é parte de um índice de reposicionamento tarifário, de 25,63%, que deve ser aplicado durante oito anos

Reajuste foi autorizado pela Agepar (Foto: Karen Arnold/Public Domain)

O paranaenses vão pagar mais caro pela água a partir do dia 1° de junho. A Agência Reguladora do Paraná (Agepar) autorizou a Sanepar a reajustar a conta de água. O aumento será de 8,53%.

Segundo a Sanepar, o reajuste é parte de um índice de reposicionamento tarifário, de 25,63%, que deve ser aplicado durante oito anos. Esse aumento é a primeira parcela do reajuste total. Nas demais faturas, sempre anuais, o consumidor terá acréscimo de 2,11% mais correção monetária com base na taxa Selic.

A cobrança da tarifa mínima também está sendo modificada pela Sanepar. A partir de agora, todos os domicílios consumidores devem pagar um valor mínimo de 5 metros cúbicos, independente de terem consumido ou não essa quantidade. A mudança deve beneficiar consumidores que já gastavam até 5 metros cúbicos. Antes a tarifa mínima era de 10 metros cúbicos de água.

Leia também:

ANS autoriza reajuste nos planos de saúde em até 13,55%

Envie seu comentário

Comentários (0)

Câmara aprova MP do FGTS na primeira votação após início da crise

Após votação simbólica, texto agora segue para análise do Senado Federal

Dinheiro do FGTS pode valer o dobro se for bem utilizado (Foto: Pixabay)

Após mais de seis horas de embates entre a base aliada e a oposição, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou hoje (23) a Medida Provisória (MP) 763/16 que permite o saque de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A votação foi possível após um acordo com partidos de oposição, que mesmo obstruindo a votação, disseram que iriam votar favoravelmente.

A MP é o primeiro projeto a ser aprovado no plenário da Casa após a divulgação das denúncias envolvendo o presidente Michel Temer. Os deputados rejeitaram o destaque do PT que pretendia retirar do texto a proibição para utilizar a remuneração extra derivada dos financiamento com recursos do FGTS da base de cálculo da multa recisória de 40% do fundo, devida pela empresa em caso de demissão sem justa causa.

Em seguida, após uma pedido do líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), o líder do SD, Aureo (RJ) retirou o destaque da bancada que tratava da estabelecer alterações na correção oficial das contas do FGTS. Com a retirada do destaque, o presidente da Casa, concluiu a votação. O texto agora segue para o Senado, que precisa votar a proposta até a quinta-feira (1º) da semana que vem ou a MP perderá a validade.

Veja também: Saque de contas inativas do FGTS pode parar sem aprovação no Congresso

A proposta dá a todo trabalhador que pediu demissão ou teve o contrato de trabalho encerrado com justa causa até 31 de dezembro de 2015 o direito ao saque das contas inativas de FGTS. Na última rodada, realizada neste mês, a Caixa Econômica Federal pagou R$ 24,4 bilhões aos beneficiários, na terceira rodada de saques de contas inativas do Fundo de Garantia, até o dia 16. Tiveram direito ao saque os nascidos nos meses de junho, julho e agosto. Até o momento, o valor pago nas três primeiras fases equivale a 84,3% do total previsto (R$ 29 bilhões) para as etapas já liberadas.

Durante toda a sessão, a oposição obstruiu os trabalhos e ocupou a tribuna para criticar o governo e pedir a saída do presidente Michel Temer em razão da crise deflagrada na última semana, após a divulgação das delações de executivos da JBS e que envolvem Temer e aliados. 

Os partidos da oposição, incluindo PT, PCdoB, PDT, PSOL, Rede e PMB, tentaram impedir a votação da MP com a apresentação de vários requerimentos protelatórios. Pouco antes da votação, os deputados abriram uma faixa no plenário com os dizeres: “#ForaTemer!" “Ao Brasil não interesse ficar a deriva com um presidente da República que foi gravado cometendo delito”, disse o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ).

O líder da minoria, José Guimarães (PT-CE), disse que a obstrução serviu para a oposição passar um recado para a sociedade, mas que, no mérito da medida provisória, o voto seria favorável. “Fizemos a obstrução pela necessidade de mobilizarmos o país para as diretas já. Quanto ao mérito da matéria, votamos a favor dos trabalhadores”, disse Guimarães.

O deputado João Rodrigues (PSD-SC) criticou a oposição. De acordo com o deputado, antes de pedir a saída do presidente, é necessário um “momento de reflexão” e dar um “voto de confiança” em Temer. “Nós vamos dar oportunidade ao presidente Temer para que se defenda na Justiça. Os tribunais existem para isso”, disse.

Mesmo com a intenção do presidente da Casa, Rodrigo Maia, de continuar com a pauta para votar a MP 765/16, ele acabou aceitando pedido para encerramento da ordem do dia. A MP reajusta a remuneração de carreiras do Executivo federal. O texto beneficia médicos peritos e supervisores médicos previdenciários, auditores fiscais e analistas tributários, auditores fiscais do trabalho e os policiais civis dos extintos territórios federais do Acre, Amapá, de Rondônia e Roraima, além dos cargos do Ministério de Relações Exteriores e de analista de infraestrutura e especialista de infraestrutura sênior.

Envie seu comentário

Comentários (0)