Curitiba

Site curitibano de caridade vem ganhando simpatia do mercado brasileiro

glauco-alta-resolucao-sturtups.jpg

*Por Glauco Furstenberger, co-fundador do Grupo Startup Paraná.

O CaridadX (www.caridadx.com.br) está online há 8 meses e já apresenta dados  significativos. O site é voltado para a ajuda coletiva, com a intenção de criar um meio em que as pessoas possam pedir e receber ajuda de pessoas de todo o Brasil.

A ideia de criar o site surgiu do fenômeno que vem repercutindo no mundo inteiro, o conceito de crowdfunding, ou seja, financiamento pelas multidões, já bastante desenvolvido nos EUA. No Brasil esse conceito é ainda novidade, onde é possível contar nos dedos o número de sites semelhantes com essa finalidade.

O site visa causas que possam ajudar pessoas que estão passando por alguma necessidade financeira ou possuam alguma limitação devido a um acidente ou doença, e que sozinhas não podem bancar o tratamento necessário.

O site, criado por alunos, ex-alunos e professor da PUCPR, já obteve mais de 80.000 visualizações únicas, possui mais de 2.000 usuários cadastrados, aproximadamente 100 causas abertas e conta atualmente com cerca de 40 causas em andamento.

Envie seu comentário

Comentários (0)

O marco civil da internet aplicado às startups

*Por Alan Lopes, advogado.

O mercado de Startups, cujos investimentos recebem milhões, teve seu modelo de negócio impactado pela entrada em vigor do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14). Se considerarmos que todas possuem por base a tecnologia e trabalham elementos de inovação constataremos que as que mais atraíram investidores foram aquelas voltadas para o segmento de internet e mobile.

À medida que a nova lei oferece desafios, também estabelece oportunidades e garantias para o empreendedor. Portanto, conhecer o Marco Civil apontará estratégias para os diferentes players de mercado de startups.

Superada a polêmica acerca da regulamentação da Internet, verificaremos no cerne do Marco Civil artigos que produzem repercussões financeiras, que permitem às startups aumentar a capilaridade e investir em conteúdo e aplicações, que previnem a inviabilidade dos negócios na plataforma Web, que protegem os mantenedores de aplicações e que tratam da responsabilidade civil no ciberespaço.

Os conceitos de neutralidade da Rede, privacidade digital e a liberdade de expressão serão abordados através de cases, visando aproximar o empreendedor digital da chamada Constituição da Internet Brasileira.

Apresentar o que uma Startup deve fazer frente à nova norma e analisar o que os projetos buscam alterar na lei que sequer completou aniversário, serão os objetivos do tema no evento do Google Businnes Group.

 

 

Envie seu comentário

Comentários (0)

Símbolo de Curitiba, sistema de ônibus expresso completa 40 anos

00153221.jpg

Implantado em 22 de setembro de 1974, o sistema de ônibus expresso foi copiado mundo afora ganhando o nome de Bus Rapid Transit (BRT). As duas primeiras linhas entraram em operação com uma frota de 20 ônibus, fazendo a ligação Santa Cândida/Praça Rui Barbosa (eixo Norte); e Capão Raso/Praça Dezenove de Dezembro (eixo Sul). As duas linhas passavam pela Estação Central onde, já nessa época era possível fazer integração. Hoje são seis eixos com 81 quilômetros de canaletas – outros dez estão em construção, na Linha Verde Norte.

O sistema Expresso conta atualmente 193 ônibus biarticulados. São oito linhas, duas delas do Expresso Ligeirão, que transportam, por dia, em torno de 600 mil passageiros. O Expresso é a base da Rede Integrada de Transporte que registra, por dia, 2,3 milhões de passageiros. A estrutura atual do sistema de transporte conta com 81 quilômetros de canaletas, 30 terminais de transporte (nove deles metropolitanos), 357 estações tubo, 9.050 pontos de parada e uma frota operante de 1.945 ônibus. Por dia, os ônibus fazem 21 mil viagens percorrendo, diariamente, em torno de 480 mil quilômetros.

Na década de 1970, a implantação seguia a premissa do planejamento feito a partir do tripé Uso do Solo, Sistema Viário e Transporte Coletivo. Nesse contexto, o ônibus foi um indutor de crescimento com a liberação de alvarás para os prédios mais altos da cidade justamente ao longo dos eixos.

Três anos depois, em 1977, entrou em operação a linha Boqueirão, agora com sistema de bilhetagem automática, feita com ajuda de cartões de papelão magnetizados, adquiridos antecipadamente e perfurados em máquinas instaladas no interior dos expressos.

Os primeiros ônibus Expressos tinham capacidade para 90 usuários. Eram do tipo Padron, com chassis baixos. Na década seguinte entraram em operação os ônibus articulados, desenvolvidos especialmente para Curitiba, com capacidade para 150 passageiros; e no início dos anos 1990, os biarticulados, primeiro para 230, depois para 250 passageiros.

Nos anos 1990 surgiram as estações tubo e o sistema Linha Direta – os Ligeirinhos – com trajetos paralelos às canaletas e paradas distantes, uma a cada três quilômetros.

Em 1996 a Rede Integrada de Transporte, viabilizada a partir da criação do Expresso, foi ampliada para a Região Metropolitana, através de convênio entre a Prefeitura de Curitiba e o Governo do Paraná, beneficiando, atualmente, 13 municípios vizinhos.

O Expresso também inaugurou o tempo de ônibus projetados para esse fim, encerrando uma época de carrocerias de ônibus montadas sobre chassis de caminhões. Os chassis baixos foram dimensionados para embarques praticamente em nível e, internamente, abriu-se mais espaço para os passageiros, com redimensionamento dos bancos. Ao mesmo tempo, as portas ficaram mais largas agilizando embarques (pela porta da frente) e desembarques (pelas portas do meio e traseira).

Curitiba foi a primeira cidade brasileira a usar ônibus com porta instalada no meio da carroceria. Na década de 1970 entraram em operação os primeiros ônibus articulados. Na década seguinte chegam os biarticulados, a Rede Integrada de Transporte, com integração físico-tarifária permitindo a utilização de quantos ônibus forem necessários com o pagamento de uma só tarifa e a construção de terminais de transporte, começando pelo Pinheirinho.

Em 1986, o gerenciamento do transporte coletivo, até então feito pelo Ippuc, passa a ser de responsabilidade da Urbs, criada em 1963 como empresa responsável por obras de infra-estrutura e saneamento. Atualmente, a Urbs gerencia o transporte coletivo e comercial e o uso comercial de equipamentos urbanos.

Envie seu comentário

Comentários (0)