Curitiba

SC: Após briga, rapaz joga carro de penhasco de 100 m com dois filhos

Jovem de 27 anos teria discutido com a mulher antes da tragédia

O Ford Escort ficou completamente destruído. Pai e os dois filhos morreram na queda (Foto: Divulgação)

*Com informações do R7 e do jornal Notícias do Dia, da RICTV Santa Catarina

Um homem e seus dois filhos morreram após o carro onde estavam despencar na região conhecida como Cascata do Avencal, em Urubici, na Serra Catarinense. O acidente aconteceu por volta das 19h de sábado (9).

Segundo informações da Polícia Militar, que ainda investiga o caso, a região onde ocorreu o acidente tem uma queda livre de mais de 100 metros, o que dificultou o resgate das vítimas.

De acordo com a PM, o homem teria discutido com a mulher pela manhã, em Orleans, cidade 120 km distante de Urubici, e levado os filhos pequenos. 

Os filhos estariam no banco de trás. O homem teria aberto o portão do terreno de um desconhecido, entrado no local e jogado o veículo. 

Pai e os dois filhos então morreram na queda. O Ford Escort ficou completamente destruído. 

Leia também:

 

Envie seu comentário

Comentários (0)

Renato Russo estudou com Geddel e o considerava insuportável

Ex-ministro era chamado de porquinho pelos colegas

Renato Russo: Geddel era desafeto do cantor. (Foto: Divulgação/Reprodução/NBR)

#Do R7

Preso preventivamente na manhã de sexta-feira (8) após a PF encontrar R$ 51 milhões em malas de dinheiro em um apartamento na capital baiana, o ex-ministro Geddel Vieira Lima estudou com Renato Russo e foi um desafeto do cantor.

Na década de 1970, os dois foram colegas de escola, no Colégio Marista, em Brasília.

No livro Renato Russo: O filho da Revolução, do jornalista Carlos Marcelo, o biógrafo conta que Renato considerava Geddel “in-su-por-tá-vel!”.

Apelidado à época de Suíno, Geddel ia para escola em um Opala verde e era conhecido por não se dedicar aos estudos. Renato não gostava da postura do aluno e se distanciava do futuro ministro, que já naquela época profetizava que seria político, como pode ser visto nesse trecho da publicação.

"Rigoroso na hora de selecionar os colegas de grupo, ele (Renato) convida Maria Inês Serra e mais dois ou três felizardos que se mostraram dispostos a executar a tarefa como ele planejaria. Tinha gostado de trabalhar com Inês em uma pesquisa sobre cantigas de roda – esforço alheio representava fator decisivo para a escolha. Deixa claro (a ponto de despertar antipatia e criar fama de chato) que não carregaria ninguém nas costas. Apesar dos pedidos de colegas como Geddel Quadros Vieira Lima para entrar no seu grupo pela garantia de notas altas na avaliação final. Filho do político baiano Afrísio Vieira Lima, o gordinho Geddel era um dos palhaços da turma. Chegava no colégio dirigindo um Opala verde, o que despertava a atenção das meninas e a inveja dos meninos – que davam o troco chamando-o de “Suíno”. Tinha sempre uma piada na ponta da língua; as matérias, nem sempre.

— Eu vou ser político!

O jeitão expansivo garantia popularidade entre os colegas, mas não unanimidade. “Ele é in-su-por-tá-vel!”, justifica Renato para Maria Inês, dividindo as sílabas de forma enfática, ao sentenciar a proibição da entrada de Geddel em seu grupo."

Histórico

Geddel Vieira Lima foi ministro da Secretaria de Governo de Temer até ser acusado, pelo ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, de pressioná-lo para liberar um empreendimento imobiliário na Bahia, onde Geddel tem um imóvel e que havia sido barrado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico Nacional), subordinado ao Ministério da Cultura. A área onde está o imóvel é tombada. Após o caso ser revelado, Geddel pediu demissão, ainda em novembro do ano passado.

Poucas semanas depois, Geddel se tornou um dos investigados na Operação Cui Bono, deflagrada no dia 13 de janeiro, que apura irregularidades cometidas na vice-presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, durante o período em que foi comandada pelo político baiano.

A investigação teve origem na análise de conversas registradas em um aparelho de telefone celular apreendido na casa do então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O teor das mensagens indicam que Cunha e Geddel atuavam para garantir a liberação de recursos por vários setores da Caixa Econômica a empresas que, após o recebimento, pagavam vantagens indevidas aos dois e a outros integrantes do esquema, entre eles Fábio Cleto.

Cleto, que ocupou por indicação de Eduardo Cunha a vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias, foi quem forneceu as primeiras informações aos investigadores. Em meados do ano passado, ele fechou acordo de colaboração premiada com a Procuradoria Geral da República.

Em 4 de julho, Geddel foi preso sob acusação do MPF (Ministério Público Federal) de estar tentando obstruir as investigações. Nove dias depois, o TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) decretou prisão domiciliar a Geddel, mesmo sem a tornozeleira elotrônica

Além de Geddel, há outros quatro presos preventivos no âmbito das investigações da Operação Sépsis Cui Bono. Já estão detidos os ex-presidentes da Câmara, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, o doleiro Lúcio Funaro e André Luiz de Souza, todos apontados como integrantes da organização criminosa que agiu dentro da Caixa Econômica Federal.

No caso de Cunha, Alves e Funaro, já existe uma ação penal em andamento. Os três são réus no processo que apurou o pagamento de propina em decorrência da liberação de recursos do FI-FGTS para a construção do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro. Além deles, respondem à ação, Alexandre Margoto e Fábio Cleto.

Leia também:

Envie seu comentário

Comentários (0)

Pesquisa mostra que um em cada cinco brasileiros não quer imigrantes

A maioria dos brasileiros defende restrições à entrada de estrangeiros que estejam fugindo de uma situação de guerra, fome ou tensão religiosa

Estados no Norte do País viraram entrada para venezuelanos. (Foto: William Urdaneta/Reuters)

*Do R7

Não aos imigrantes Pesquisa de opinião feita a pedido da coluna pelo Instituto Paraná Pesquisas indica uma guinada relevante na imagem de que o País é uma terra hospitaleira para os que vem de fora. A grande maioria dos brasileiros defende restrições à entrada de estrangeiros que estejam fugindo de uma situação de guerra, fome ou tensão religiosa. A maioria, ou 56,1%, apoia a chegada deles, mas com restrições. E, para 19,6%, ou seja, um em cada cinco brasileiros, não tem conversa: nenhum estrangeiro nessas condições poderia entrar no Brasil. Outros 13,9% são contrários apenas à entrada de muçulmanos. Os que defendem a entrada sem restrições são apenas 7,1% e 3,2% não sabem ou não opinaram.

Norte: A região Norte, porta de entrada de venezuelanos, bolivianos e haitianos pelas fronteiras, lidera entre os que defendem a entrada com restrições (65,%) e também tem o menor registro da total abertura das fronteiras. Apenas 2% dos entrevistados defendem entrada de estrangeiros sem qualquer restrição.

Ensino superior: Chama a atenção na pesquisa o percentual entre os entrevistados de ensino superior completo dos que são contra a entrada apenas de muçulmanos, de 15%, maior do entre os entrevistados de ensino fundamental 12% e muito próximo dos de ensino médio (14,9%). Por outro lado, também são os entrevistados do superior completo os mais tolerantes quando questionados se concordam com a entrada sem nenhuma restrição: 10,8%, ante 6% dos entrevistados dos ensinos fundamental e médio

Em todo o País: O Paraná Pesquisas ouviu 2.640 brasileiros de todas as regiões entre os dias 21 e 24 de agosto. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o grau de confiança de 95%.

Leia também:

 

Envie seu comentário

Comentários (0)