Olá {{nome}}
Logout
Ao vivo:
Próximo

Roupa ‘semelhante a de segurança’ impede advogado de entrar em bar no Batel

Autor: Redação RIC Mais
"Me sinto humilhado, olhei mil vezes minha roupa, até entender que o problema não é minha roupa, não é meu estilo, não sou eu”, disse o advogado que foi impedido de entrar no James Bar (Foto: Reprodução/Facebook)

"Imaginem a seguinte situação: Um homem é informado que não poderá entrar em uma casa noturna, por que não esta com roupas adequadas...". Assim começa a carta aberta de um advogado que foi barrado em um bar de Curitiba na última quinta-feira (13). A roupa escolhida por ele? Calça, camisa e gravata pretas.

De acordo com Juliano Trevisan, 27 anos, poucos minutos após chegar à fila do James Bar, ele foi abordado por seguranças do local. Em seguida, um funcionário da casa o informou que ele não poderia entrar com a roupa que estava vestindo.

"Roupa preta, gravata e tal, você vai ser confundido com segurança lá dentro, assim não pode entrar", teria dito o funcionário. Em choque, Juliano preferiu evitar a discussão e foi embora.

Discriminação

Na carta aberta que direcionou ao bar em sua página no Facebook, o advogado disse acreditar ter sido vítima de preconceito e discriminação.

"Me sinto humilhado, olhei mil vezes minha roupa, até entender que o problema não é minha roupa, não é meu estilo, não sou eu. E preciso sim, expor esta situação a vocês e demonstrar quão grave ela é e o que ela representa, socialmente falando, nos dias de hoje", desabafou o jovem.

"Conheço várias pessoas que vão lá de camisa e gravata e nem por isso foram barradas. A verdade mesmo é que, por mais que estivesse parecendo com segurança da casa, isto não justifica barrar entrar no local. Roupa social não é uniforme exclusivo de empresas de segurança, o que dizer de formaturas onde os seguranças estão vestidos igual aos convidados?", completou.

Retratação do bar

Em resposta ao ocorrido, o James Bar demitiu o funcionário que impediu a entrada de Juliano e também utilizou o Facebook para realizar uma retratação pública ao advogado e àqueles que se solidarizaram com o caso.

"Infelizmente, ocorreu um episódio do qual devemos nos retratar e esclarecer o que aconteceu. Estamos muito chateados e envergonhados. Na noite de quinta-feira (13), o Juliano foi equivocadamente informado que não poderia entrar no bar por conta do que estava vestindo. Essa foi uma atitude errada e que não condiz com o que acreditamos. Por mais que tentemos nos colocar no lugar do Juliano, não vamos conseguir entender a sensação de humilhação que ele sentiu no momento. Mas imaginamos algo muito triste e distante do que sempre queremos para todos", diz a nota do estabelecimento que foi duramente atacado nas redes sociais.

Veja também:

Mulher é agredida em balada do Batel por negar 'investida' de homem

Estudante acusa seguranças de casa noturna de agressão

O que achou desta matéria

  1. Péssima
  2. Ruim
  3. Regular
  4. Boa
  5. Excelente

Média dos leitores 0,0

Política de
comentários

comentários

Leia também:

ATÉ 12 DE JULHO

PREPARATÓRIO

VÍDEO IMPRESSIONA

Carregando