Curitiba

Mulher estuprada pelo namorado o procura 9 anos depois para escrever livro

O estuprador disse à vítima que se sentiu culpado pelo abuso. Hoje, eles realizam palestras juntos

Thordis fez contato com Stranger em 2005, nove anos depois do estupro (Foto: Reprodução/BBC Brasil)

Thordis Elva surpreendeu o mundo por decidir entrar em contato com o jovem que há violentou nove anos antes para contar a história do abuso, que virou livro e palestra.

Em 1996, com 16 anos, Thordis foi violentada por Tom Stranger que tinha 18 anos na época. O incidente aconteceu após uma festa natalina em Reykjavik, capital da Islândia. Os dois namoravam apenas há um mês e Stranger levou a jovem para casa após ela passar mal por causa da bebida.

A moça, que não denunciou o estupro, afirmou estar apaixonada na época. “Fiquei machucada e chorei muito por semanas, mas tudo era muito confuso para mim. Tom era meu namorado, não um lunático e o estupro ocorreu na minha cama, não em uma viela. Quando finalmente concluí que havia sido estuprada, Tom já tinha voltado para a Austrália, ao final de seu programa de intercâmbio", conta.

Perdão e culpa

Nove anos depois, a vítima decidiu procurar seu estuprador através de uma carta. Para a surpresa de Thordis, o australiano respondeu com uma confissão e uma oferta de fazer “o que fosse necessário” para minimizar os danos causados. Para a legislação islandesa o crime já tinha prescrito, então os dois resolveram escrever um livro juntos para relatar o ocorrido.

A obra chamou atenção dos organizadores das conferências TED, que os convidaram para uma palestra no evento em outubro do ano passado. O vídeo da dupla já foi assistido por mais de 2,7 milhões de pessoas.

A palestra chamou atenção pela franqueza do diálogo entre o eles. Stranger contou que sufocou as memórias do estupro e que dias depois tinha noção que havia feito algo muito errado, porém admitiu que contou para ele mesmo uma mentira: a de que havia sido sexo e não estupro. “Negligenciei o imenso trauma que causei a Thordis. E a mentira me deixou com uma culpa atroz", diz.

Leia também

Suspeito de acorrentar e matar ativista social diz que a 'amava'

Projeto propõe reduzir pena por estupro de vulnerável

Parceria criticada

Desde então Thordis e Stranger participam de eventos ao redor do mundo. Em Londres, porém, enfrentaram a ira de quem viu na aparição da dupla algo que poderia despertar traumas em vítimas de estupro.

Uma petição online, endereçada ao Southbank Centre, argumentou que o evento poderia encorajar a normalização da violência sexual em vez de discutir responsabilidades e causas. Stranger foi acusado de se beneficiar do sucesso do livro. A questão monetária foi levantada em vários países e houve organizações exigindo que a dupla revelasse a divisão de direitos autorais.

De acordo com eles, o australiano fica com uma parte minoritária do dinheiro das vendas, mas prometeu repassá-lo a ONGs envolvidas com vítimas de violência sexual. A ativista, artista e vítima de estupro Liv Wynter argumenta que estupradores não devem receber aplausos por admitirem o crime. "Mesmo que ele não receba dinheiro, ele está se beneficiando de sua posição para ser protegido", afirma Liv.

 

Envie seu comentário

Comentários (0)

Outono começa com tempo instável e temperaturas amenas

Durante toda a estação, o céu permanece encoberto na Capital. Oeste, parte do Sudoeste e Centro do Estado terão chuvas volumosas recorrentes

As temperaturas permanecem dentro da média mesclando dias frios e quentes nas diferentes regiões do Paraná. (Foto: Reprodução)

O outono começou nesta segunda-feira (20), oficialmente às 7h29, e segue até o dia 21 de junho. A estação das folhas secas traz temperaturas amenas em todo o Estado.

Segundo o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), durante toda a estação, os dias devem ter predominância de céu encoberto na Capital. Chuvas com volume acima do normal para o período serão recorrentes no Oeste, em parte do Sudoeste e do Centro.

As temperaturas permanecem dentro da média mesclando dias frios e quentes nas diferentes regiões do Paraná. A probabilidade para o  fenômeno El Niño acontecer até a entrada do inverno é de 75%, alterando drasticamente as temperaturas em todo o planeta.

Agricultura

"É esperado que as culturas do milho safrinha e do trigo se desenvolvam normalmente durante o outono no Paraná, pois a previsão climática é de chuvas e temperaturas dentro da normal climatológica para todas as regiões do estado", afirma Heverly Morais, pesquisadora do Iapar (Instituto Agronômico do Paraná).

O Simepare oIapar mantêm o serviço Alerta Geada, especialmente desenvolvido para orientar agricultores durante o outono e o inverno. Boletins diários serão publicados nas páginas dos órgãos. Quando há risco, os agricultores cadastrados recebem mensagens de alerta em seus celulares.

Leia mais

Série de reportagens mostra potencial do agronegócio paranaense

Cratera interdita pistas em trecho da PR-464, no noroeste do Paraná

Envie seu comentário

Comentários (0)

Sexto dia de greve de ônibus segue com frota mínima na Grande Curitiba

Uma nova reunião entre os sindicatos de empresas de transporte coletivo e funcionários está marcada para esta terça-feira (21)

A multa para o descumprimento da determinação judicial é de R$ 100 mil por hora (Foto: Cesar Brustolin/SMCS)

O sexto dia da greve do transporte coletivo começou nesta segunda-feira (20) com 45% da frota funcionando, segundo a Urbanização de Curitiba S/A (URBS). O número está abaixo da determinação judicial, que determinou que 50% dos ônibus estejam nas ruas nos horários de maior demanda da população (5h às 9h e das 17h às 20h) e 40% no período de menor movimento.

Já na região Metropolitana, o número de coletivos no horário de pico da manhã foi de 50% dos ônibus circulando, segundo a Coordenação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba. A multa para o descumprimento da determinação judicial é de R$ 100 mil por hora.

Ainda segundo a URBS, 17 estações-tubo ficaram sem cobradores no início desta segunda. Mas, por volta das 7h30, todos os trabalhadores estavam em seus locais. Na última sexta-feira (17),  a audiência no Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR) terminou sem acordo.

Uma nova reunião entre as partes - o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e RMC (Sindimoc) e o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) - está marcada para esta terça-feira (21).

Os trabalhadores pedem reajuste salarial de 15% e aumento do vale refeição de R$ 500 para R$ 977. Já o sindicato Patronal oferece 5,43% de aumento nos salários com pagamento retroativo desde 1° de fevereiro, data-base da categoria.

Clique aqui para ver a tabela da Urbs com as linhas, horários e a quantidade de ônibus que o Sindimoc deve colocar em circulação.

Transporte alternativo

Mesmo com a circulação da frota mínima garantida judicialmente, a Urbs mantém os 870 veículos cadastrados para o transporte alternativo na Capital e vai continuar fazendo o transporte de passageiros fora das canaletas dos ônibus. Por enquanto, a Urbs informa que não serão feitos novos cadastramentos.

As lotações credenciadas darão suporte para a população durante a greve e ficam automaticamente descredenciadas a partir da volta total dos ônibus. O preço máximo que pode ser cobrado pelos veículos do transporte alternativo é R$ 6 por passageiro.

Linhas especiais

Durante a greve de ônibus, a Urbs suspendeu o funcionamento da Linha Turismo e do Sistema Integrado do Transporte Especial (SITES), que atende exclusivamente alunos com algum comprometimento mental, físico, auditivo, visual, condutas típicas e múltiplas deficiências. A medida foi tomada para evitar risco no atendimento dos passageiros.

Saiba mais:

Greve dos professores é suspensa e aulas devem ser retomadas na segunda-feira

Envie seu comentário

Comentários (0)