Curitiba

Ataque de pit bull deixa mulher gravemente ferida em Nova Esperança

O cachorro da raça pit bull só soltou a mulher depois que um idoso pegou um pedaço de pau e bateu na cabeça do animal

A vítima de aproximadamente 50 anos ficou gravemente ferida com o ataque do pit bull (Foto: Reprodução/Whatsapp)

A vítima de aproximadamente 50 anos ficou gravemente ferida com o ataque do pit bull (Foto: Reprodução/Whatsapp)

A vítima de aproximadamente 50 anos ficou gravemente ferida com o ataque do pit bull (Foto: Reprodução/Whatsapp)
O pit bull só soltou a mulher depois que um idoso pegou um pedaço de pau e bateu na cabeça do animal (Foto: Reprodução/Whatsapp)

*Com informações do repórter Fábio Guillen, da RICTV Maringá

Uma mulher de aproximadamente 50 anos ficou gravemente ferida ao ser atacada por um cão da raça pit bull, na tarde dessa segunda-feira (8), em Nova Esperança, cidade próxima a Maringá, no noroeste do Paraná.

Segundo testemunhas, o cachorro escapou da residência e atacou a vítima, que estava passando na rua. A mulher foi rapidamente dominada pelo animal, que mordeu o pescoço dela.

Moradores fizeram várias tentativas de separar o pit bull da vítima, inclusive com uma mangueira de água. Mas o cão só soltou a mulher quando um idoso o atingiu com um pedaço de pau. Segundo relatos, foram dadas pelo menos 30 pauladas no animal.

O Corpo de Bombeiros foi acionado para atender a mulher, que teve várias perfurações pelo corpo, além de um grande corte na cabeça e uma laceração no maxilar.

O Siate necessitou de apoio de um helicóptero do serviço aeromédico de Maringá. A vítima foi encaminhada ao Hospital Universitário de Maringá. Ela permanece internada, nesta terça-feira (9), em estado grave.

O dono do cachorro foi encontrado e disse que vai prestar todo o apoio necessário à vítima. Segundo apuração da RICTV Maringá, o animal foi doado a uma organização não-governamental.  

Veja também
Vídeo mostra mulher e cachorro sendo atacados por rottweilers em Curitiba
Criança é atacada por pitbull em Maringá

Envie seu comentário

Comentários (0)

Movimento Sem-Terra (MST) faz manifestação na BR-277

Os manifestantes realizam um ato simbólico em frente a um monumento em homenagem a um agricultor morto em uma operação policial em 2010

Os manifestantes estão no local com mais de dez ônibus vindos do interior do PR (Foto: Divulgação/PRF)

Os manifestantes estão no local com mais de dez ônibus vindos do interior do PR (Foto: Tiago Silva/RICTV)

Os manifestantes estão no local com mais de dez ônibus vindos do interior do PR (Foto: Tiago Silva/RICTV)
Os manifestantes estão no local com mais de dez ônibus vindos do interior do PR (Foto: Tiago Silva/RICTV)
Os manifestantes estão no local com mais de dez ônibus vindos do interior do PR (Foto: Tiago Silva/RICTV)
Os manifestantes estão no local com mais de dez ônibus vindos do interior do PR (Foto: Tiago Silva/RICTV)
Os manifestantes estão no local com mais de dez ônibus vindos do interior do PR (Foto: Divulgação/PRF)
Os manifestantes estão no local com mais de dez ônibus vindos do interior do PR (Foto: Divulgação/PRF)

Integrantes do Movimento Sem-Terra (MST) fazem uma manifestação na BR-277, em Campo Largo, Região Metropolitana de Curitiba, desde o início na manhã desta terça-feira (9), véspera do dia em que o ex-presidente Lula deve prestar depoimento ao juiz Sérgio Moro no âmbito da operação Lava Jato.

Pelo menos 12 ônibus vindos do interior do Paraná estacionaram nas margens da rododovia, onde os manifestantes estão concentrados. Eles realizam um ato simbólico em frente a um monumento em homenagem ao agricultor Antônio Tavares Pereira, morto em uma operação policial no ano 2000.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) acompanha o protesto, que transcorre sem nenhum bloqueio na rodovia. Nessa segunga-feira (8), o juiz Eneias Ferreira, do Fórum de Campo Largo, fixou uma multa de R$ 500 mil em caso de bloqueio da rodovia,  atendendo a uma açãoproposta pela concessionária Rodonorte. A previsão é de que o ato seja finalizado até o fim da manhã.

De acordo com a PRF, os ônibus devem seguir até a Rodoferroviária, em Curitiba, onde estão instalados outros manifestantes que acompanharão o depoimento de Lula, que acontecerá nesta quarta-feira (10), na Justiça Federal, no bairro Ahú.

Veja mais

Defesa de Lula pede suspensão da ação do tríplex

Gripe: a 19 dias do fim da campanha, 27,5% do público-alvo recebeu vacina

Envie seu comentário

Comentários (0)

Depoimento de Lula faz URBS alterar trajetos de ônibus

A alteração ocorrerá na região do prédio da Justiça Federal, nesta quarta (10); acampamentos e circulação na área estão proibidos

Mapa mostra as ruas bloqueadas durante o período do depoimento de Lula a Moro em Curitiba. (Foto: Divulgação/Polícia Militar)

Devido ao depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta (10), a Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), responsável pelo transporte coletivo das linhas urbanas da capital, montou UM esquema especial para desviar ônibus na região da Justiça Federal, no bairro Ahú. Em função do bloqueio de segurança, dez linhas de ônibus serão desviadas.
 
Os desvios afetam as linhas dos ligeirinhos Barreirinha-Guadalupe e Cabral Osório, Bom Retiro-Cabral, Barreirinha, Paineira, Santa Gema, Fernando de Noronha, Laranjeira, Ahú-Los Angeles e Reforço Anita.
 
Dez fiscais da Urbs farão orientação aos motoristas dos ônibus e também aos passageiros. As dez linhas serão desviadas de dentro do perímetro das ruas Alberto Folloni, Francisco de Paula Guimarães, Emílio Cornelsen, São Luís, Coronel Amazonas Marcondes, Pedro Fabri, Vereador Garcia Rodrigues e Belém.
 
Confira as linhas e os desvios:
 
1 - Barreirinha-Guadalupe: O desvio não afetará embarques e desembarques.
 
2 - Bom Retiro-Cabral: Mudança apenas no sentido Terminal Cabral. Desvia das ruas Eça de Queiros e Dos Funcionários para as ruas Alberto Folloni, Tomazina, Cel. Amazonas Marcondes, Pedro Fabri, Vereador Garcia Rodrigues e Av. Paraná.
 
3 - Barreirinha: Sentido bairro desvia da Av. Anita Garibaldi e passa pela José Pedroso, Vereador Garcia Rodrigues, Pedro Fabri e Amazonas Marcondes. Sentido Centro deixa as ruas Washington Mansur, Benjamin Zilli e Anita Garibaldi e entra passa pela Tomazina, Alberto Folloni e Constantino Marochi
 
4 - Paineiras: Nos dois sentidos deixa as ruas Washington Mansur, Benjamin Zilli e Anita Garibaldi e passa pelas ruas Tomazina e Alberto Folloni.
 
5 - Fernando de Noronha: Nos dois sentidos deixa as ruas Washington Mansur, Benjamin Zilli e Anita Garibaldi e passa pelas ruas Tomazina e Alberto Folloni.
 
6 - Laranjeira: Nos dois sentidos deixa as ruas Washington Mansur, Benjamin Zilli e Anita Garibaldi e passa pelas ruas Tomazina e Alberto Folloni.
 
7 - Ahú-Los Angeles: Nos dois sentidos deixa as ruas Washington Mansur, Benjamin Zilli e Anita Garibaldi e passa pelas ruas Tomazina e Alberto Folloni.
 
8 - Cabral-Osório: O desvio não afetará embarques e desembarques.
 
9 - Reforço Anita: Nos dois sentidos desvia da Av. Anita Garibaldi e passa pela José Pedroso, Vereador Garcia Rodrigues, Pedro Fabri e Amazonas Marcondes.
 
10 - Santa Gema: Sentido bairro desvia da Av. Anita Garibaldi e passa pela José Pedroso, Vereador Garcia Rodrigues, Pedro Fabri e Amazonas Marcondes. Sentido Centro deixa as ruas Washington Mansur, Benjamin Zilli e Anita Garibaldi e entra passa pela Tomazina, Alberto Folloni e Constantino Marochi.
 
Barracas proibidas

Outras alterações causadas pela vinda do ex-presidente a Curitiba são as proibições, pela Justiça do Paraná, de circulação e de acampamentos no entorno da sede da Justiça Federal. A prefeitura ajuizou uma ação na 5ª Vara da Fazenda Pública contra o "Movimento dos Sem Terra (MST), demais movimentos e indivíduos" que possam acampar em praças e vias públicas da capital. O pedido liminar foi deferido contra "a passagem de pedestres e veículos" em área delimitada, com multa prevista de até R$ 100 mil.

Pedestres e veículos também estão proibidos de circular em áreas próximas ao fórum da Justiça Federal desde esta segunda-feira (8), até a noite de quarta (10). Um dos argumentos do município é que há notícias de que o MST requereu local para montar estrutura e acampamento, sob pena de ocupar as ruas e praças da capital paranaense. Segundo escreveu a juíza Diele Denardin Zydek em sua decisão liminar de sexta-feira (5), "o direito de manifestação não se confunde com a possibilidade de ocupação de bens públicos ou particulares."
 
A decisão de Diele determina multa de R$ 100 mil para os pedestres e veículos que ultrapassarem uma região delimitada previamente, e R$ 50 mil para veículos não cadastrados que ultrapassarem outra delimitação. A montagem de estruturas ou acampamentos em ruas e praças da cidade também será penalizada com multa diária de R$ 50 mil.

Leia também
 

Envie seu comentário

Comentários (0)