Curitiba

Após cinco meses desaparecido, 'menino do Acre' volta para casa

O jovem deixou 14 livros criptografados, e o primeiro a ser editado está na lista dos mais vendidos do Brasil.

O estudante de psicologia, que deixou 14 livros criptografados, retornou após cinco meses desaparecido. (Foto: Reprodução)

Após cinco meses, o "menino desaparecido do Acre", o estudante de Psicologia Bruno Borges, voltou nesta sexta-feira (11), para casa. Ele deixou 14 livros criptografados. O primeiro a ser editado está na lista dos mais vendidos do Brasil. Trata de uma suposta Teoria da Absorção do Conhecimento.

Assim que as informações do retorno circularam nas redes sociais a casa do jovem começou a ser visitada por amigos. A família informou, por meio de redes sociais que não vai se pronunciar formalmente ainda sobre o retorno. Não se sabe ainda as condições de saúde do estudante.

A mãe de Bruno Borges, a empresária Denise Borges, viajou para o Santuário de Aparecida, no interior de São Paulo. "Ontem, eu fiquei o dia inteiro de joelho no chão pedindo pelo retorno dele e ele voltou", disse a mãe, visivelmente emocionada.

"Eu não tenho muitos detalhes só sei o que me disseram: que ele está muito magro e que estava em retiro", disse, tentando sufocar o choro. Denise disse que Bruno se nega a dizer onde estava localizado o "retiro". Denise tenta embarcar em um avião para retornar ao Acre, mas só deve conseguir isso no sábado (12).

Leia mais:

Desaparecimento de Luiz Felipe completa 30 dias e família faz apelo

Pais protestam contra desaparecimento de filhos em Curitiba

Envie seu comentário

Comentários (0)

Colisão auto x moto no trevo de saída para Cambira em Jandaia do Sul

Brasileiros preferem importar sêmen de doadores de olhos azuis

A constatação é de um relatório da Anvisa a partir de 1.011 amostras importadas entre 2014 e 2016

Cor dos olhos azuis foi a predominante (52%) na escolha da aparência do doador (Foto: Pixabay)

Um relatório da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mostra que os brasileiros preferem importar sêmen de doadores de olhos azuis. O estudo, que fez um raio-X das amostras seminais, destaca ainda que as importações aumentaram 2.625% de 2011 a 2016 - e São Paulo foi o Estado que importou a maioria das amostras.

De acordo com a pesquisa, divulgada nesta quinta-feira, 10, as características fenotípicas - aparência do doador - interferem nas importações. Das 1.011 amostras seminais importadas de 2014 a 2016, a cor dos olhos azuis foi a predominante (52%). Em seguida, ficaram os doadores de olhos castanhos (24%) e verdes (13%).

As amostras de sêmen foram trazidas de três bancos norte-americanos e obtidas de 362 doadores diferentes - 95% das que chegaram ao Brasil tiveram doadores de origem caucasiana e apenas duas de negros.

A cor de cabelo castanho dos doadores também foi a preferida pelos importadores: 64% das amostras de sêmen foram provenientes de doadores com essa cor de cabelo, seguidos dos louros (27%).

Segundo representantes dos bancos de sêmen norte-americanos, os pacientes escolhem o doador com características físicas semelhantes às deles e de seus familiares.

São Paulo foi o Estado que importou a maioria das amostras solicitadas à Anvisa. De 2014 a 2016, foram trazidas 657 - o que representa 65% do total. O índice é bastante superior ao do segundo colocado, o Rio (12%).

O relatório mostra que os pedidos são feitos, em sua maioria, por casais heterossexuais, em que os homens têm problemas de infertilidade. Em segundo lugar, estão as mulheres solteiras que querem ter uma gestação independente e, em terceiro, os casais homoafetivos de mulheres.

Os dados indicam ainda que as importações têm crescido nos três grupos. Entre casais homoafetivos, por exemplo, os pedidos saltaram de 24 em 2014 para 91 em 2016, uma alta de 279%. Segundo a Anvisa, o objetivo do relatório é levantar elementos para discuti o aperfeiçoamento de modelos regulatórios e políticas de reprodução humana no País. 

Envie seu comentário

Comentários (0)