Curitiba

Uber passa a cobrar R$ 0,75 a cada viagem por 'taxa de segurança'

Com pagamento em dinheiro, permitido desde o final de julho, assaltos aumentaram de 7 para 88 por mês

Foto: uber.com, reprodução

O Uber passou a cobrar uma taxa de R$ 0,75 para cada viagem feita em todo o Brasil. A nova tarifa, que começou a valer anteontem, tem como objetivo “apoiar iniciativas de segurança” para motoristas e usuários e outros custos operacionais, segundo a empresa.

O Uber não informou quais são as iniciativas de segurança e também não quis comentar se a nova tarifa seria cobrada para implementar ações para coibir assaltos aos motoristas.

Em novembro, levantamento feito pelo Estado mostrou que ao menos três motoristas do Uber são assaltados por dia em São Paulo. De janeiro a outubro, os motoristas e passageiros do aplicativo sofreram pelo menos 271 roubos. Desses, 50 aconteceram até 29 de julho, data em que o aplicativo passou a aceitar dinheiro como pagamento - média de 7 casos por mês. De 30 de julho a 16 de outubro, a polícia contou 221 crimes, média de 88,4 por mês, ou 1 caso a cada 8 horas - um aumento de 1.162% em relação ao período anterior.

Leia mais
Motorista do Iber é executado com mais de 10 tiros em Curitiba
Protesto de taxistas contra motoristas do Uber é marcado por confusão em Curitiba

Como comparação, é possível verificar que o crescimento dos casos envolvendo o Uber é bem maior do que o de roubos no Estado. De janeiro a julho de 2016, a média mensal de roubos paulista foi de 26.666. Em agosto e em setembro, esse número ficou em 28.041 - aumento de 5,1% em relação à média anterior registrada.

A empresa informou apenas que os investimentos na plataforma ajudam a melhorar a confiabilidade e sustentabilidade. “Ao longo do último ano, cada vez mais pessoas utilizaram o Uber para conseguir transporte confiável e rápido nas cidades. Para manter o crescimento saudável da plataforma no Brasil, vamos implementar uma cobrança fixa de R$ 0,75 a cada viagem”, disse.

Além da nova tarifa, em São Paulo há também uma cobrança de R$ 0,10 por quilômetro rodado, recolhida pela Prefeitura.

Envie seu comentário

Comentários (0)

Atirador de aeroporto nos EUA esteve em serviço militar no Iraque

Ataque em Fort Lauderdale, na Flórida, deixou 5 mortos e 8 feridos

ricmais.com.br

O ataque a tiros ocorrido no aeroporto de Fort Lauderdale, na Flórida, deixou cinco mortos e oito feridos. O atirador foi identificado como Esteban Santiago, um veterano da guerra no Iraque. Todos os voos do aeroporto internacional estão suspensos temporariamente.

Santiago chegou em um voo da Delta, com origem de Minnesota, segundo o xerife do condado de Broward, Scott Israel. Ele pegou suas malas, tirou a arma e começou a atirar indiscriminadamente na área de bagagens do Terminal 2. Santiago se rendeu pacificamente quando abordado pela polícia do aeroporto.

Por volta das 2h30 da madrugada, no horário local, a administração de segurança de transportes postou no Twitter sobre um novo tiroteio no aeroporto, mas Israel informou que não havia um segundo tiroteio.

O suspeito usou uma arma semiautomática e não fez nenhum comunicado antes de iniciar os tiros, mas agentes da Agência Nacional de Investigação (FBI, na sigla em inglês) não descartam terrorismo como principal motivo.

'Não se sentia bem'

Em novembro, Santiago compareceu ao escritório do FBI em Anchorage, no Alaska. Ele estava agitado, segundo os agentes, e sugeriu que agentes da inteligência o forçavam a assistir propaganda terrorista, mencionando o grupo Estado Islâmico. Naquela ocasião, Santiago ficou retido para uma avaliação psicológica e foi liberado.

A família do atirador informou às autoridades que ele tinha um histórico de doenças mentais surgidas após seu serviço militar no Iraque. Segundo parentes, ele recebia tratamento psicológico no Alaska. "A única coisa que eu posso dizer é que desde quando voltou do Iraque, ele não se sentia bem", disse o tio do atirador, Hernan Rivera.

Esteban Santiago, 26 anos, serviu em 2010 como parte da Guarda Nacional de Porto Rico, passando um ano no batalhão de engenharia. Ele nasceu em Nova Jersey, mas passou a morar em Porto Rico quando tinha dois anos. Nos últimos anos ele morava em Anchorage, Alaska, com seu irmão, Bryan Santiago.

Envie seu comentário

Comentários (0)

Ataque em aeroporto da Flórida mata ao menos quatro pessoas

Nove pessoas ficaram feridas; suspeito dos disparos foi detido

ricmais.com.br

O ataque a tiros ocorrido no aeroporto de Fort Lauderdale, na Flórida, deixou pelo menos quatro mortos e nove feridos, segundo uma autoridade do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos. Já uma autoridade do setor de segurança, não nomeada, confirmou à rede CNN que há cinco mortes confirmadas e oito feridos. A rede ABC também diz que autoridades citaram cinco mortes, citando o escritório do xerife do condado de Broward.

Um suspeito de ser o autor dos disparos foi detido, segundo autoridades.

Em sua conta no Twitter, o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, diz estar monitorando a "terrível situação" na Flórida e que falou há pouco com o governador Rick Scott. "Pensamentos e orações para todos. Fiquem em segurança!", escreveu Trump.

Envie seu comentário

Comentários (0)