Curitiba

Casa da Leitura volta a funcionar no Barigui

Casa-da-Leitura-Manoel-Carlos-Karam-reabre-as-portas-no-Barigui.jpg

A Casa da Leitura Manoel Carlos Karam, unidade da Fundação Cultural de Curitiba localizada no Parque Barigui, reabriu suas portas nesta quinta-feira (27), depois de reforma patrocinada pela Companhia de Cimento Itambé, por meio de Edital de Chamamento Público para Patrocínio.

O espaço – o primeiro do gênero, em Curitiba, inaugurado em 2006, quando contou igualmente com o apoio da Companhia de Cimento Itambé – recebeu em 2008 a atual denominação e abriga a maior parte do acervo bibliográfico de 3 mil volumes, doado à FCC pela família do escritor e jornalista Manoel Carlos Karam, falecido em 2007.

A recuperação do endereço, que esteve fechado por 80 dias e consumiu dois meses de trabalho, teve um investimento total de R$ 50 mil, sendo R$ 40 mil provenientes da Companhia Itambé e R$ 10 mil decorrentes de investimentos da própria Fundação Cultural de Curitiba.

Entre as principais benfeitorias realizadas no espaço estão a reforma, impermeabilização e pintura das paredes internas, pintura das fachadas, muros e cercas, revisão das instalações hidrossanitárias, troca das calhas recuperação estrutural e impermeabilização das marquises, manutenção das grades, revisão elétrica, troca de portas, revisão do telhado e jardinagem.

Atualmente, a Casa da Leitura Manoel Carlos Karam conta com aproximadamente 4,5 mil volumes para empréstimo, além de fornecer cadeiras e espreguiçadeiras para quem deseja emprestar um livro para ler no parque. A Casa integra a rede de 16 bibliotecas mantidas pela Fundação Cultural de Curitiba, que investe em ações como o programa Curitiba Lê para deixar o livro mais próximo do leitor, englobando a Estação da Leitura no Terminal do Pinheirinho, o Bondinho da Leitura (Rua das Flores) e as Tubotecas (bibliotecas instaladas nas estações-tubo), espaços que abrem novos horizontes para a formação das pessoas por meio da literatura. O objetivo é derrubar as barreiras que, no Brasil, deixam índices muito baixos de leitura.

 

Envie seu comentário

Comentários (0)

Confirmadas onze mortes por gripe no mês de junho

vacina1.jpg

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta sexta-feira (28) novo boletim sobre a situação da gripe no Estado. De acordo com o relatório, mais 11 mortes pela doença foram registradas neste mês, oito de pacientes com doenças crônicas graves. Das 19 mortes confirmadas neste ano, 14 pacientes tinham alguma doença, como problemas cardíacos, respiratórios ou cerebrais, diabetes mellitus e obesidade grave.

Segundo a médica Miriam Woiski, da Secretaria da Saúde, doentes crônicos, seus familiares e profissionais de saúde devem redobrar a atenção. “A gripe tem alguns sintomas característicos que se manifestam na maioria dos casos. Os principais são febre alta e repentina, tosse, dor de garganta e mal-estar geral”, explica a médica.

A dificuldade de respirar é outro sintoma comum, sobretudo quando o quadro clínico do paciente se agrava. “Nesta situação, a pessoa deve ser encaminhada imediatamente a um serviço de saúde para iniciar o tratamento”, alerta Miriam.

Demora

Outra observação frequente nas mortes por gripe foi a busca tardia por atendimento. Em média, as pessoas procuraram o serviço de saúde apenas três dias após o início dos sintomas. “Isso prejudica o tratamento, pois percebemos que a maioria dos óbitos está ocorrendo já na primeira semana após o início dos sintomas”, explica Miriam.

Os médicos da rede pública e particular de saúde do Paraná estão orientados a prescrever oseltamivir a todos os casos suspeito de gripe, mesmo sem a confirmação laboratorial. A medida consta no protocolo de atendimento paranaense, pois o antiviral é mais eficaz nas primeiras 48 horas após o início dos sintomas.

A Secretaria da Saúde também enviou comunicado às entidades médicas e secretarias municipais de saúde, detalhando algumas características das mortes por gripe que ocorreram no Paraná. O objetivo é mostrar aos médicos como a doença está se comportando no Estado, além de reforçar a orientação do uso do antiviral oseltamivir.

Vacina

Do total de mortes registradas no Paraná, 15 pessoas tinham direito à vacina durante a campanha de vacinação contra a gripe, mas apenas três foram imunizadas. Para o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz, o dado mostra que os grupos prioritários da campanha realmente são os que correm maior risco.

“O período de vacinação foi antecipado justamente para que em junho esses grupos de risco já estivessem protegidos. Agora o momento é de focar na prevenção e no tratamento precoce, lembrando sempre da higienização das mãos e dos sinais de alerta da doença”, afirmou o superintendente.

Números

De acordo com o monitoramento realizado pela Secretaria da Saúde, 514 amostras foram confirmadas para o vírus Influenza neste ano, sendo que 235 delas se referem ao subtipo A (H1N1), 105 ao subtipo A (H3N2), 170 do subtipo B e quatro do subtipo A (sem distinção).

Os números não representam o total de casos existentes no Paraná, visto que a gripe não é uma doença de notificação obrigatória. Eles fazem parte do monitoramento realizado pelo Governo do Estado para avaliar o comportamento de 26 vírus respiratórios circulantes no Paraná.

As 11 mortes confirmadas neste boletim foram registradas nos municípios de Cascavel (3), Dois Vizinhos (2), Maringá, Itaperuçu, Ponta Grossa, Londrina, Umuarama e Itambé. Até agora, 17 óbitos foram causados pelo vírus Influenza A (H1N1), dois pelo vírus Influenza A (H3N2) e um por Influenza B. Em uma das mortes o paciente estava infectado pelos dois subtipos virais (H1N1 e H3N2) ao mesmo tempo.

Veja os principais sintomas da gripe:

Febre repentina
Tosse
Dor de garganta
Dor de cabeça
Dores musculares
Dores nas articulações
Dores nas costas
Falta de ar
Cansaço
Calafrio

Conheça as principais medidas de prevenção da gripe:

Lavar bem as mãos frequentemente com água e sabão
Evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies
Não compartilhar objetos de uso pessoal
Cobrir a boca e o nariz com o antebraço ou lenço descartável ao tossir ou espirrar
Manter os ambientes arejados, com portas e janelas abertas

Envie seu comentário

Comentários (0)

Professores aprendem a usar tablet em sala de aula

Professores da rede estadual de ensino são capacitados para usar tablets em salas de aula. As orientações acontecem em várias regiões de Estado e contam com apoio das Coordenações Regionais de Tecnologia na Educação (CRTE). O Governo do Paraná distribuiu 32 mil tablets e já negocia a liberação de mais aparelhos.

Em Cascavel, cerca de 350 professores fazem o curso até agosto. Novas turmas serão abertas e, até setembro, cerca de mil profissionais devem ser capacitados com noções básicas, uso de aplicativos disponíveis e orientações técnicas além de termo de uso e guarda.

A professora Mônica Virgínia Missau, do Colégio Estadual Wilson Joffre, de Cascavel, está participando da capacitação. “Acredito que, em função de estarmos num processo de inclusão constante, o tablet é uma boa ferramenta em qualquer atividade. Antes, precisávamos levar equipamentos particulares, que muitas vezes não eram compatíveis com os da escola. Perdíamos muito tempo para fazer com que as coisas funcionassem”, contou.

EQUIPAMENTOS: O Núcleo de Cascavel recebeu 1.080 tablets. Nesta primeira etapa os aparelhos foram entregues a professores do Quadro Próprio do Magistério que trabalham em sala de aula no Ensino Médio, nas modalidades Ensino Regular, Educação para Jovens e Adultos e Educação Profissional.

Os dispositivos foram comprados com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação e fazem parte do esforço do Governo do Paraná na modernização do sistema educacional paranaense. Eles integram o programa Sala de Aula Conectada, no qual serão investidos cerca de R$ 62 milhões. A maior parte se destina à adequação da infraestrutura das escolas para instalação da internet sem fio, além da capacitação dos profissionais da educação para uso das novas tecnologias.

Com os tablets, os professores poderão, por exemplo, planejar o trabalho, utilizar ferramentas e aplicativos, organizar arquivos, ter livros digitais, facilitar o registro de classe e acessar a internet. Além disso, estarão disponíveis conteúdos para aulas de disciplinas como Física, Matemática, Biologia e Química.

Envie seu comentário

Comentários (0)