Curitiba

Catadora de lixo encontra mala e descobre que dono foi assassinado

Contatada, a mulher do morto pediu para a catadora 'deixar a história pra lá'

Ele morreu brutalmente, com a cabeça degolada, em Sertanópolis (Foto: Reprodução/RIC TV)

Ele morreu brutalmente, com a cabeça degolada, em Sertanópolis (Foto: Reprodução/RIC TV)
Ele morreu brutalmente, com a cabeça degolada, em Sertanópolis (Foto: Reprodução/RIC TV)
Ele morreu brutalmente, com a cabeça degolada, em Sertanópolis (Foto: Reprodução/RIC TV)

Uma mala deixada em uma rua de Londrina foi encontrada por uma catadora de materiais recicláveis. Após encerrar seu turno de trabalho, ela decidiu levá-la para casa. Quando abriu a bolsa de viagem, descobriu que dentro dela havia vários documentos pessoais, além de roupas e fotos de uma pessoa que ela não conhecia.

Nos documentos, constava um telefone para contato. Sem hesitar, a catadora ligou imediatamente para o número desconhecido. Quem atendeu foi a mulher do dono da mala, que pediu para ela "deixar a história para lá", porque o marido já estava morto.

Não contente com a resposta, a catadora de lixo entrou em contato com a Policia Militar e descobriu que o homem havia sido assassinado brutalmente, com a cabeça degolada, em Sertanópolis, na Região Metropolitana de Londrina.

A PM encaminhou os documentos e a mala para a Polícia Civil, que investiga o caso, para descobrir se a mala contém provas.

O vídeo abaixo mostra a mala encontrada e os documentos do dono.

Leia mais
Corpo é sequestrado de dentro do caixão na hora do enterro; veja o vídeo

Envie seu comentário

Comentários (0)

Feira de profissões acontece em Curitiba e em 29 cidades

Evento que orienta jovens na escolha profissional acontece nesta quarta-feira (15)

Feira de profissões terá programação nas áreas de gastronomia, beleza, saúde, informática, vendas, marketing e empregabilidade (Foto: Reprodução/ Pixabay)

O Senac Paraná realizará, nesta quarta-feira (15), a 4ª edição da Feira de Profissões. Com programação gratuita voltada a orientar jovens na escolha profissional, o evento pretende demonstrar novas opções de carreiras, além de ensinar os participantes a incrementar o currículo.

Neste ano, o tema da feira é "Destaque-se no mercado de trabalho". Segundo uma pesquisa conduzida pela agência de empregos Manpower, 43% das empresas do país tiveram dificuldades para preencher suas vagas em 2016. Há dois anos, os profissionais mais procurados são os de nível técnico.

O evento será realizado em 30 cidades e deve receber aproximadamente 20 mil pessoas. Em todas as unidades, o público contará com uma programação diversificada nas áreas de gastronomia, beleza, saúde, informática, vendas, marketing e empregabilidade. Os visitantes poderão fazer um tour pelas unidades e conhecer os cursos profissionalizantes ofertados pelo Senac e os ambientes e empresas pedagógicas, onde o aluno aprende na prática o dia a dia do mercado de trabalho.

A entrada é franca e todas as atividades são gratuitas. Para garantir vaga nas atividades presenciais, os interessados podem se inscrever antecipadamente pelo site do Senac.

Centro e Portão

Na Capital, o evento será realizado em duas unidades: Senac Curitiba Centro e Senac Curitiba Portão, a partir das 8h30.

Na unidade da rua André de Barros, no Centro, será realizada a palestra tema da Feira, além de workshops sobre organização de finanças pessoais, técnicas em vendas e gestão do tempo. Também haverá destaque para as oficinas de gastronomia sobre food design, elaboração de coquetéis refrescantes e lembrancinhas comestíveis e de beleza sobre automaquiagem, imagem e estilo pessoal e decoração de unhas.

A recém-inaugurada escola do bairro Portão contará com uma programação especial na área de tecnologia e jogos digitais, incluindo as palestras “Plataforma de jogos digitais - Click Jogos”, “Dicas para tornar-se um agente maker no mundo dos jogos digitais” e “Noções de prototipação e simulação digital no Fusion 360”, com demonstração em impressora 3D. Os visitantes poderão receber dicas de como utilizar as redes sociais a seu favor na hora de conquistar um emprego.

Também será possível participar da Feira de Profissões sem sair de casa. Através da modalidade de Educação a Distância, serão ofertadas gratuitamente duas oficinas de 15 a 20 de fevereiro: Culinária light e diet e Como criar um blog no WordPress.

Envie seu comentário

Comentários (0)

Hora extra: tire as oito principais dúvidas sobre o assunto

Trabalhar a mais reflete, por exemplo, no valor de repouso remunerado, rescisão e FGTS

Foto: Pixabay

O tema da hora extra sempre gera debate nas empresas, já que reflete diretamente em custos e produtividade.

Para entender melhor, a grande maioria dos empregados é contratada pelo regime da CLT e tem a jornada máxima de trabalho permitida de oito horas diárias e quarenta e quatro horas semanais. Entretanto, não são raras as situações na qual o empregador solicita trabalho adicional, essas são as horas extras.

Essa flexibilidade na carga horária se limita a duas horas adicionais por dia, sob a condição de pagamento adicional de no mínimo 50% sobre o valor da hora normal. O tema, porém, tem vários outros pontos. O advogado Gilberto Bento Jr., sócio da Bento Jr. Advogados respondeu algumas questões relacionadas ao tema:

1. Em que situações as horas extras são pagas?

As horas extras são devidas toda vez que o empregado trabalha além da sua jornada normal de trabalho sem qualquer tipo de compensação em banco de horas. Também são devidas quando se trabalha no horário destinado ao intervalo, ou, ainda, quando não é concedido horário de intervalo para descanso durante o dia de trabalho, ou entre um dia de trabalho e outro.

2. O empregado pode se recusar a trabalhar horas extras?

Não se elas estiverem previstas em acordo escrito ou contrato coletivo de trabalho. Entretanto, de acordo com a CLT, o empregador não poderá exigir do empregado mais de duas horas extras por dia. Um dos principais deveres do empregado é o de colaboração ao empregador, portanto, ele não pode se negar, sem justificativa prevista em lei, a realizar eventuais horas extras necessárias ao serviço.

3. Como pode ser prorrogada a jornada normal de trabalho?

A prorrogação poderá ocorrer por mais duas horas além do horário normal de trabalho do empregado, desde que exista previsão em acordo escrito ou contrato coletivo de trabalho. Estas são consideradas horas suplementares e não tem acréscimo de remuneração.

A pré-contratação de horas suplementares é permitida para, no máximo, duas horas, conforme disposto na CLT. Mesmo que essa previsão conste no contrato, ainda poderá ser exigida a prestação de trabalho extraordinário, por motivo de força maior. Neste caso, a jornada de trabalho não poderá se estender por mais de 12 horas, e as horas extras por força maior continuarão a ser pagas ao trabalhador com o adicional de 50%, no mínimo.

4. De que forma deverá ser remunerada a hora extra?

A hora extra deverá ser paga com acréscimo de, no mínimo, 50%, de segunda a sexta-feira, e 100% aos domingos e feriados. É importante verificar o número de horas mensais trabalhadas multiplicando-se o número de horas semanais que o empregado trabalha normalmente por cinco (número de semanas que o mês pode ter, no máximo). Por exemplo, 44 horas semanais multiplicadas por 5 é igual a 220 horas mensais. Em seguida, divide-se o valor do salário mensal pelo número de horas mensais encontradas.

Por exemplo: um salário de R$ 2.640, dividido por 220 horas, é igual a R$ 12 por cada hora de trabalho. Ao valor da hora adicione no mínimo de 50%. Logo, se a hora é de R$ 12, 50% fica igual a R$ 18 com o adicional. Horas extras realizadas em período noturno - entre 22h e 5h para os trabalhadores urbanos - ainda recebem um adicional de, no mínimo, 20% sobre o valor da hora diurna.

Leia mais
Veja 10 dicas para começar 2017 com o pé direito nas finanças
94% dos cotistas têm saldo acumulado entre zero e R$ 3,5 mil

5. O que o contrato de trabalho deve estipular?

O contrato de trabalho deverá conter todas as informações relativas ao trabalho executado, constando desde o início o horário de entrada, de saída, de intervalo e a possibilidade de trabalho extraordinário. Deverá constar, também o valor do salário e o percentual do adicional das horas extras, bem como a forma de pagamento. Caso não conste o percentual do adicional das horas extraordinárias, o valor será o mínimo imposto pela Constituição, ou seja, de 50%. Poderão também constar os casos em que o empregado não pode se recusar a fazer as horas extras.

6. A empresa pode “pagar” as horas extras com dias de folga em vez de dinheiro?

É permitido compensar as horas extras trabalhadas com folga ou diminuição correspondente da jornada. Isso é considerado banco de horas, e deve ter previsão em convenção coletiva da categoria. Se houver banco de horas instituído, a compensação poderá ser feita em até 12 meses.

7. Como o funcionário pode controlar as suas horas extras? Ele deve anotar ou a empresa é obrigada a fornecer um documento todo mês com as horas acumuladas?

O empregado deverá anotar as suas horas extras trabalhadas. O controle de frequência é um documento da empresa e que só é obrigatório para aquelas que possuem mais de dez empregados.

8. Quais são os reflexos das horas extras nas verbas rescisórias?

Horas extras, se habituais, refletem em todas as verbas decorrentes do rompimento contratual - aviso prévio, 13º salário proporcional e férias proporcionais acrescidas de 1/3. Durante o contrato de trabalho, se habituais, refletirão também no repouso semanal remunerado e no FGTS, de modo que a indenização de 40% sobre o FGTS também fica maior.

Envie seu comentário

Comentários (0)