Curitiba

Gêmeos nascem com a cor da pele diferente; conheça casos curiosos

Guilherme e Gabriel foram carinhosamente apelidados pela avó de Beijinho e Brigadeiro

Foto: Reprodução/RecordTV

Existem alguns casos curiosos quando o assunto são gêmeos. Casos como o de Guilherme e Gabriel, apelidados carinhosamente pela avó de Beijinho e Brigadeiro por causa da diferença do tom da pele.

De acordo com os pais, as diferenças entre os pequenos vão além do físico. Um é mais focado e estudioso, o outro mais disperso; um é mais extrovertido, o outro mais reservado. A única semelhança entre eles é o gosto pelas roupas - por mais que a mãe evite, eles sempre querem se vestir de forma igual.

Gustavo e Gabriel são assim tão diferentes por serem gêmeos bivitelinos, caso em que dois óvulos são fecundados por dois espermatozoides. Eles têm diferenças e semelhanças como todos os irmãos, mas foram gerados ao mesmo tempo, em placentas diferentes, na barriga da mãe.

A reportagem exibida no Jornal da Record conta a história de amor e parceira das gêmeas mais velhas do Brasil e a curiosa ligação entre gêmeos que se casaram com gêmeas. Confira!

 

Envie seu comentário

Comentários (0)

TCE-PR determina que ônibus volte a custar R$ 3,70, mas TJ anula ato

Liminar derrubou medida que exigia redução da tarifa, mantendo o valor de R$ 4,25

Foto: Urbs

Apesar de medida unâmime pedindo a redução da passagem do ônibus de Curitiba para R$ 3,70, o valor que continua valendo é o de R$ 4,25, conforme decisão, nesta tarde, do desembargador Leonel Cunha.

Reunidos em sessão plenária na tarde desta quinta-feira (16), os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) homologaram a cautelar que suspendia o reajuste da tarifa de ônibus em Curitiba. Relatada pelo conselheiro Ivan Lelis Bonilha, a medida foi aprovada por unanimidade. Com a decisão, o valor da passagem de ônibus cobrada dos usuários deveria retornar para R$ 3,70.

Pouco depois, porém, a prefeitura conseguiu uma liminar garantindo que a Urbs - a empresa mista que controla o sistema de transporte público curitibano - continue a cobrar R$ 4,25 pela passagem. 

Ao derrubar a medida que pedia a redução da tarifa, o desembargador Leonel Cunha escreveu: "(...) as supostas irregularidades na composição da 'tarifa técnica' que estão em análise na Corte de Contas conquanto possam, se confirmadas, implicar no congelamento daquela tarifa técnica por algum tempo, ou mesmo em sua redução no futuro, tal fato, por si só, não importa em necessário barateamento imediato do sistema de transporte integrado da região metropolitana de Curitiba." 

Acima da inflação

Pedindo a redução, Bonilha destacou que entre 2015 e 2017 a tarifa de ônibus em Curitiba apresentou reajuste acumulado de 49,11%. Esse aumento é mais que o dobro da inflação do período, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 22,31%. No ano passado, enquanto a passagem subiu 14,86%, o IPCA ficou em 6,28%.

O TCE-PR criticou também a falta de transparência sobre os critérios adotados na definição do aumento e a escassez de informações sobre a aplicação dos recursos. "Não é possível extrair informações com o detalhamento dos investimentos a serem sustentados pelo aumento da tarifa, em que pese esse já ter sido efetivado", diz o relatório de Bonilha.

O conselheiro lembrou ainda, que a renovação da frota é obrigação das concessionárias, previsto em contrato desde setembro de 2010.

Entenda o caso

A determinação de suspensão do reajuste da passagem havia sido emitida cautelarmente na última desta segunda-feira (13), em decisão do conselheiro Ivan Bonilha. A partir da notificação à Prefeitura Municipal e à Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), a tarifa deveria ter retornado a R$ 3,70. Isso não aconteceu, e a decisão do desembargador Leonel Cunha reforça que o valor que deve ser aplicado é o de R$,25.

 

Leia mais

Google traz para Curitiba horários de ônibus em tempo real

Envie seu comentário

Comentários (0)

Corpo é sequestrado de dentro do caixão na hora do enterro; veja o vídeo

Motivo do "sequestro" do cadáver seria uma dívida de R$ 104, referente às roupas do falecido

Foto: Reprodução

O corpo de um homem foi sequestrado na hora do sepultamento em Gana, país do continente africano.

Dois homens chegaram no cemitério no momento em que o caixão estava prestes a ser colocado no jazigo, abriram a urna e retiraram o cadáver de dentro. 

Segundo informações publicadas na mídia, o motivo do "sequestro", seria uma dívida equivalente a R$ 104 referentes às roupas que o morto vestia no momento do enterro.

A família tentou argumentar, mas os homens levaram o corpo sem pena. O cadáver só foi devolvido e devidamente sepultado após o pagamento da dívida.

Leia também:

Queda de árvore arranca lápide em cemitério e deixa corpo exposto. Veja as fotos

Assista ao vídeo do sequestro do corpo abaixo:

Envie seu comentário

Comentários (0)